Política
Compartilhar

Troca de funções na SESP amplia descontentamento da Polícia Militar

Chefe de Gabinete da Secretária de Segurança Pública, delegada Luciana de Novaes, e Coronel Diogo, na PMPR, são substituídos por Romulo Marinho.

Redação - 23 de março de 2022, 12:09

Foto/Divulgação
Foto/Divulgação

 

A troca da Chefe de Gabinete da Secretária de Segurança Pública e Administração Penitenciária do Estado do Paraná, delegada Luciana de Novaes, e do Coronel Diogo, na PMPR, ocorridas nos últimos dias, expõe mais uma vez a crise de administração na SESP sob a responsabilidade do secretário Romulo Marinho.

O que se sabe é que Luciana foi exonerada desonrosamente após  “bater de frente” com o  secretário Marinho Soares.

Apesar dos motivos ainda não esclarecidos, o fato foi bastante comemorado nos gabinetes das Polícias,  que tinham na chefe de gabinete uma pessoa difícil e que travava qualquer projeto, especialmente os oriundos da PM, acumulando um passivo administrativo gigantesco, que levará anos para ser corrigido, informa um policial ao Paraná Portal. 

 A fonte afirma que a delegada Luciana exercia forte ascendência e influência sobre o secretário e era tida como sua testa de ferro, fazendo o que ele não tinha coragem de fazer abertamente.

 A delegada foi substituída pelo também delegado Fernando que, segundo as fontes ouvidas, reforça a maior influência que a Polícia Civil tem junto ao Coronel Marinho, que cria entraves para a Policia Militar,  pela qual não demonstra qualquer apreço, numa queda de braço constante com o Comandante-Geral, Coronel Hudson.

“Pensávamos que desta vez o SESP iria prestigiar um pouco a PM, revezando as funções relevantes com algum Militar da PM. Alguns até apostavam no pupilo do Coronel Marinho, Tenente Coronel Ivan, do Corpo de Bombeiros, ou o já aposentado, mas ainda apadrinhado, Coronel Adilson. Porém, a indicação de outro delegado para o gabinete demonstra mais uma vez a má vontade e falta de prestigio que a PM tem junto ao Coronel Marinho, que novamente demonstrou que os policiais e bombeiros militares da SESP não passam de meros serviçais, desabafou um oficial da cúpula da PM, que preferiu o anonimato, com receio de represálias.

Ao mesmo tempo, por pressão de Marinho, outro Coronel da ativa do Corpo de Bombeiros Altemistonclei Diogo Rodrigues, foi transferido da Capital para a cidade de Londrina, por pressão de Marinho. 


Tido como Oficial sério e linha dura no Corpo de Bombeiros, virou desafeto de Marinho quando preparou alguns dossiês sobre irregularidades que constatou na SESP, na própria gestão de Marinho, quando exerceu função de Chefe do Grupo Administrativo, por nomeação do próprio Secretário. 


Romulo Marinho sentiu-se traído por Diogo e, desde o final do ano passado, quando o Bombeiro foi nomeado como Diretor de Tecnologia,  vinha criando mais embaraços para a administração da PM, pressionando pela exoneração do Coronel Diogo, o que acabou por acontecer. 

MUDANÇAS A VISTA NA SESP? 

A longevidade de Romulo Marinho à frente da SESP é um mistério, causando perplexidade e estranheza até mesmo aos mais calejados políticos paranaenses.

Marinho, dizem policiais da alta cúpula da PM,  é tido disparadamente como o pior Secretário da gestão do Governo Ratinho. Políticos e policiais ouvidos afirmam que com Marinho na SESP os efetivos das polícias diminuíram, salários foram achatados e os policiais estão à beira de uma paralisação geral,  as aquisições de equipamentos, quando ocorreram, foram mal encaminhadas e sem critérios técnicos e que a segurança publica e só não colapsou ainda pelo trabalho dos comandantes das polícias,  que pressionam os policiais e agentes ao limite .

A segurança pública vai de mal a pior, mergulhada num caos que demorará a ser corrigido, segundo os entrevistados, comentou um graduado coronel que também não quis se identificar porque certamente haveria retaliações.


Um Deputado Estadual, com larga experiência na política, disse que Marinho é repudiado por todos os parlamentares paranaenses, aos quais sequer atende: "É motivo de piada nas polícias e na política por não possuir qualquer preparo para a função. No exército sempre foi um assessor para politicagens. Já foi até condenado em um processo do TRE por crime eleitoral.

Apesar dos pedidos de todos os deputados da base e de todos os chefes das polícias, não é exonerado. "entende o que há entre Marinho e o Governador Ratinho Junior. Ninguém sabe qual o segredo escondido e que tanto segura Marinho no cargo!", comentou o parlamentar.


Muita expectativa nas polícias para que realmente ocorra alguma mudança , pois, enfim, nos bastidores comenta-se que nos próximos dias o Secretário de Segurança e Administração Penitenciária do Paraná, Romulo Marinho Soares será exonerado, juntamente com a desencompatibilização de outros Secretários e dirigentes que irão disputar eleições.


Seria uma saída honrosa de Marinho, com o retorno do Delegado Federal Wagner Mesquita de Oliveira, que já foi titular da SESP do Paraná, e atualmente exerce a função de Diretor Geral do DETRAN.

A expectativa nas polícias Civil, Militar, Penal e Criminalística pela saída de Marinho e nomeação do Diretor do Detran é grande,  uma vez que Mesquita é Delegado e bastante conhecedor da segurança pública, ao contrário do Coronel Marinho. 


Mesquita enfrentou dificuldades de relação com as polícias no governo Richa, mas espera-se que com a experiência adquirida nos possíveis erros do passado faça uma boa gestão na SESP. "Qualquer um é melhor que o Marinho", disse outro Deputado ouvido pela redação.