“Vão pegar Dilma” diz Sarney em gravação

Roger Pereira


Em novos áudios revelados pela TV Globo, diálogos entre o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e o ex-senadorJosé Sarney mostram os dois conversando sobre formas de ter acesso ao Ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal. Em outro trecho, Sarney também fala que uma possível delação da Odebrecht poderia implicar a presidente Dilma Roussef por conta d pagamentos ao publicitário João Santana.

Em um trecho das gravações, de 10 de março, Sarney cita o nome do ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Cesar Asfor Rocha, como alguém que teria proximidade com Teori. A tese da mulher honrada, que nunca roubou, nunca mexeu em dinheiro ilícito, sai bastante arranhada dessas gravações.

Confira:

MACHADO – Porque realmente, se me jogarem para baixo aí…Teori ninguém consegue conversar.

SARNEY – Você se dá com o Cesar. Cesar Rocha.

MACHADO – Hum?

SARNEY – Cesar Rocha.

MACHADO – Dou, mas o Cesar não tem acesso ao Teori não. Tem?

SARNEY – Tem total acesso ao Teori. Muito, muito acesso, muito acesso. Eu preciso falar com Cesar. A única coisa com o Cesar, com o Teori é com o Cesar.

Em outra gravação, no dia 11 de março, estavam presentes Sarney e o presidente do Senado, Renan Calheiros. Ainda falando sobre como chegar a Teori, o grupo cita o advogado Eduardo Ferrão.

SARNEY – O Renan me fez uma lembrança que pode substituir o Cesar. O Ferrão é muito amigo do Teori.

RENAN – Tem que ser uma coisa confidencial.

MACHADO –  Só entre nós e o Ferrão.

Em outra conversa com Sérgio Machado, em que foi discutida a delação de executivos da Odebrecht, o ex-presidente José Sarney fala sobre o risco de o processo atingir a presidente Dilma Roussef.

SARNEY – A Odebrecht […] vão abrir, vão contar tudo. Vão livrar a cara do Lula. E vão pegar a Dilma. Porque foi com ele quem tratou diretamente sobre o pagamento do João Santana foi ela. Então eles vão fazer. Porque isso tudo foi muito ruim pra eles. Com isso não tem jeito. Agora precisa se armar. Como vamos fazer com essa situação. A oposição não vai aceitar. Vamos ter que fazer um acordo geral com tudo isso.

MACHADO – Inclusive com o supremo. E disse com o Supremo, com os jornais, com todo mundo.

SARNEY – Supremo … Não pode abandonar.

 

A presidente afastada, Dilma Rousseff, emitiu nota oficial rebatendo as ilações. Confira a nota na íntegra:

Acerca da divulgação do teor de conversas gravadas em que se atribui à presidenta Dilma Rousseff a solicitação de pagamento ao publicitário João Santana pela empresa Odebrecht, cumpre esclarecer que:

  1. Todos os pagamentos feitos ao publicitário João Santana na campanha da reeleição de Dilma Rousseff totalizaram R$ 70 milhões (R$ 50 milhões no primeiro turno e R$ 20 milhões no segundo turno). Os referidos pagamentos foram regularmente contabilizados na prestação de contas aprovadas pelo TSE.
  2. Os valores destinados ao pagamento do publicitário, conforme indica a prestação de contas, demonstram por si só a falsidade de qualquer tentativa de que teria havido outro pagamento não contabilizado para a remuneração dos serviços prestados.
  3. É curioso que pessoas que estiveram distantes da coordenação da campanha presidencial, de sua tesouraria, possam dar informações de como foram pagos e contabilizados os recursos arrecadados legalmente para a sua realização. Comentários feitos em conversas entre terceiros e que não apontam a origem das informações não têm nenhuma credibilidade.
  4. As tentativas de envolver o nome da presidenta Dilma Rousseff em situações das quais ela nunca participou ou teve qualquer responsabilidade são escusas e direcionadas. E só se explicam em razão de interessem inconfessáveis.

 

 

Previous ArticleNext Article
Repórter do Paraná Portal
[post_explorer post_id="359878" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]