Política
Compartilhar

Vereadores aprovam fim da emergência pela pandemia em Curitiba

Projeto agora vai para o Executivo municipal. A proposta é de autoria de Amália Tortato (NOVO) e segue a determinação do governo federal.

Redação - 26 de abril de 2022, 13:53

(Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
(Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

Os vereadores de Curitiba aprovaram na segunda-feira (25) a proposta que revoga a situação de emergência imposta pela pandemia da Covid-19 na capital paranaense. 

Na última semana, o Ministério da Saúde publicou uma portaria que decreta o fim do estado emergencial em esfera nacional. Na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), a proposta que segue a determinação do governo federal é da vereadora Amália Tortato (NOVO).

“Nos últimos tempos, temos enfrentado melhoras nos números da doença”, afirmou a parlamentar. Segundo Amália, a revogação do decreto não significa o encerramento da pandemia, mas sim o fim das medidas administrativas adotadas em função da Covid-19.

Já a vereadora Professora Josete (PT) criticou a decisão federal. Segundo ela, a declaração do fim da emergência no Brasil foi uma decisão unilateral do governo do presidente Jair Bolsonaro (PL).

A SAÍDA DA FASE DE EMERGÊNCIA PELA PANDEMIA

No final do mês de março, a OMS (Organização Mundial da Saúde) divulgou um plano com estratégias para a saída da fase de emergência causada pela pandemia da Covid-19.

A estratégia contém três cenários possíveis de comportamento do coronavírus a partir do próximo ano: o cenário base toma como referência a variação de casos e mortes a depender da cobertura de imunização à doença; o cenário otimista prevê novas variantes, porém menos letais; e o cenário pessimista projeta que o vírus volte a ser letal.

Na semana passada, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou o fim da situação de emergência por causa da doença no país. A portaria foi publicada no último sábado (23). 

O Governo do Paraná ainda não determinou nenhuma revogação sobre o assunto. O decreto atual coloca o estado em situação de calamidade pública até o mês de junho. 

Na esfera municipal, o projeto aprovado na CMC vai ao Executivo, para a análise do prefeito Rafael Greca.