Tardes de Campo reúnem produtores de Munhoz de Mello

Mariana Ohde


Por Emater

Pecuária de corte, gado leiteiro e olericultura estão entre os assuntos que vão movimentar a Semana Técnica Rural de Munhoz de Mello, dentro da programação dos 62 anos do município. A prefeitura e o Instituto Emater vão promovem, neste mês, três tardes de campo, reunindo produtores da região para conhecer os resultados alcançados por proprietários acompanhados pela Extensão Rural.

A primeira Tarde de Campo foi realizada na sexta-feira (20), na chácara Rancho Paraná. O produtor Isair Gutierre há um ano passou a contar com o acompanhamento mais próximo da Extensão Rural. Neste tempo, o produtor já conseguiu alguns bons resultados.

A lotação da área de pastagem hoje é de 6,3 ua (unidade animal) por hectare, enquanto a média no estado é de 1,4 ua/ha. “O produtor coloca os animais no pasto a partir de julho, com 6,5 arrobas. Em outubro eles já estão prontos para o abate, atingindo o peso de 14 arrobas”, explicou Nélio Luiz Gaio, extensionista que acompanha a propriedade.

Segundo ele, o segredo do êxito de Gutierre é o planejamento forrageiro feito de acordo com número de animais. Além disso, os nove hectares de grama estrela africana da propriedade são frequentemente adubados para que se mantenham produtivos. Com isso, Gutierre só precisa de pasto e suplementação mineral para engordar o gado. Nélio observa que o ganho de carcaça obtido pelo produtor chega a 53,3 arrobas/ha, contra uma média de 9,3 arrobas/ha no estado. A margem líquida de lucro do pecuarista chega a R$ 2.135 por ha.

Nesta terça-feira (24), os produtores de Munhoz de Mello serão convidados a conhecer novos sistemas de cultivo para as culturas do maracujá e do Morango. Ambas as atividades têm potencial, devido à proximidade de Maringá, grande centro consumidor de frutas e olerícolas.

Os participantes da Tarde de Campo vão visitar o Sítio Estrela Bilhante, de Valdirene Feliciano da Silva. A agricultora investiu no cultivo semi hidropônico de morango, no qual as plantas são cultivadas em bancadas e recebem nutrientes pelo sistema de irrigação. A produção já está chegando ao mercado.  Com a orientação técnica, Valdirene também implantou o cultivo de maracujá, com mudas preparadas em ambiente protegido e que vão para o plantio com até 1,80 m de altura. Desta forma o cultivo fica protegido da virose do fruto, doença que pode inviabilizar a atividade.

A proprietária do sítio Estrela Brilhante, na comunidade Água dos Alves, vai receber os visitantes a partir das 14h.

Na sexta-feira (27), os técnicos voltam a reunir os agricultores para mostrar os resultados das tecnologias de manejo e condução da pecuária leiteira. A atividade começa às 14h, no Sítio São Lucas, propriedade de Dércio dos Reis Herculano.

Ele mantém um rebanho de 30 animais girolanda, em 8.5 hectares e obtém uma produção média de 300 litros de leite por dia. Com o acompanhamento do Instituto Emater o produtor conseguiu reduzir o custo de produção em 10%.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal