Agricultores conhecem pesquisas desenvolvidas na UEM

Mariana Ohde


A Universidade Estadual de Maringá (UEM) recebe, até a próxima sexta-feira (1º), o Simpósio Sul-Brasileiro de Olericultura. Na abertura, nesta terça-feira (29), foi promovido o Dia de Campo – cerca de 600 agricultores puderam conhecer as pesquisas para a melhoria da produção de hortaliças no estado. São oito estações, cada uma com uma cultura de plantação e uma pesquisa diferente. Entre as hortas visitadas, as de tomate, pepino, feijão de vagem, ervilha torta, couve-flor, couve brócolis.

Durante a solenidade, o secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), João Carlos Gomes, também destacou a importância do evento para os produtores de horticultura da região. “O momento atual exige que os produtores ofereçam um produto de qualidade e as universidades estão desenvolvendo a ciência para tal”.

Em 2015, o mercado de hortaliças movimentou aproximadamente R$ 4,03 bilhões, no Paraná, de acordo com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab). De 2000 a 2015 houve um crescimento de 77% na produção que, segundo o relatório de Olericultura da Seab, se deve basicamente ao investimento em novas tecnologias, manejo e conservação do solo agrícola.

“Entre as dificuldades enfrentadas pelos produtores de hortaliças estão as ameaças mais intensas como pragas, doenças, clima e solo. Se fosse para traçar um paralelo, em uma plantação de soja, por exemplo, há, em média, 15 ameaças, enquanto uma de tomate é algo em torno de 100”, destacou o coordenador do Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural de Horticultura da UEM, professor José Usan Torres Brandão Filho.

O Simpósio Sul-Brasileiro de Olericultura é realizado pelo Programa de Apoio ao Pequeno Produtor Rural de Horticultura, apoiado pela Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), e reúne além de agricultores, agrônomos, pesquisadores e alunos da UEM no Centro Técnico de Irrigação (CTI).

Entre os temas apresentados estão os fisiológicos, fitossanitários, manejo de água, adubação e pós-colheita de hortaliças e culturas folhosas, como o tomate e pepino; flores comestíveis; couve-flor e brócolis; feijão-vagem e a ervilha torta.

Nos próximos dias, serão realizadas, ainda, mesas redondas, wokshops e diversas outras atividades, que serão realizadas no auditório do PDE (Programa de Desenvolvimento Educacional), bloco B-33, câmpus universitário.

Mais informações podem ser obtidas no site ou pelos telefones (44) 3011-8916 e (44) 3011-5489.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal