Ações do crime organizado no quintal da Lava Jato

Pedro Ribeiro



 

Os áudios (conversas) captados dentro da Penitenciária Estadual de Piraquara, região metropolitana de Curitiba, são chocantes, ameaçadores e preocupantes. Os chefões do crime organizado barbarizam. Mandam, através de códigos, recados para comparsas que estão fora da prisão, matar agentes públicos. Determinam também, internamente, para passarem corretivos (surras, com socos e pontapés) em presos que não rezam a cartilha do crime. Tudo através de conversas por celulares.

O Paraná Portal edita em sua edição desta terça-feira, as principais conversas dos áudios apreendidos pela Polícia Federal, através de garimpagem de mais de 70 áudios que estão em poder da Polícia Federal que vem investigando essas ameças. Em algumas das conversas, um dos chefões do crime organizado diz claramente para matar agente público e em outras falam sobre ferramentas, que significam armas, como revólver, fuzis e metralhadoras e onde consegui-las para repassar aos contatos que estão fora dos presídios.

Essas ameaças, as quais ainda não sabemos se foram consolidadas, vem de dentro da Penitenciária Estadual de Piraquara, praticamente no quintal da Operação Lava Jato e no QG do ex-juiz federal e hoje Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. Segundo ele, para combater o crime organizado dentro do sistema prisional, é preciso interação com a área de inteligência do Departamento Penitenciário Federal (Depen) com a Polícia Federal. Mais que isso, é preciso monitorar os presos envolvidos em organizações criminosas, como o que foi feito agora.

Veja também nesta edição do Paraná Portal, as principais conversas dos chefões do crime organizado.

Previous ArticleNext Article
Pedro Ribeiro
Pedro Ribeiro é jornalista com passagens pela Gazeta do Povo, Folha de Londrina e O Estado do Paraná. Foi pioneiro com a criação do jornal eletrônico Documento Reservado e editor da revista Documento Reservado. Escreveu três livros e atuou em várias assessorias, no governo e na iniciativa privada, e hoje é editor de política do Paraná Portal.