Sem categoria
Compartilhar

Adolescente confessa ter matado duas garotas no Paraná, diz polícia

Um adolescente de 17 anos teria confessado à polícia que matou duas garotas em Cruz Machado, na Região Sul do Paraná. El..

Narley Resende - 23 de agosto de 2016, 15:20

Um adolescente de 17 anos teria confessado à polícia que matou duas garotas em Cruz Machado, na Região Sul do Paraná. Ele foi apreendido nessa segunda-feira (22). Camille, de 13 anos, desapareceu em dezembro de 2015, e Solange, que tinha 16 anos, sumiu em abril deste ano.

Duas ossadas encontradas recentemente pela polícia  – uma em julho e outra em agosto – podem ser das meninas. A Polícia Civil espera o resultado do DNA.

A investigação para chegar ao suspeito do crime bárbaro que chocou os moradores da região durou oito meses. Segundo a polícia, após a prisão, o jovem de 17 anos confessou ter assassinado as duas adolescentes na pequena comunidade rural de Linha do Encantilado.

“De acordo com a confissão, o primeiro homicídio teria sido cometido porque ele gostava da menina, era humilhado por ela e já fazia um tempo que planejava matá-la. A segunda menina foi morta por tê-lo acusado de envolvimento no desaparecimento da amiga”, explicou o delegado de União da Vitória, Douglas Carlos de Possebon.

Segundo a polícia, o trabalho dos investigadores começou em dezembro de 2015 com o desaparecimento da adolescente Camile Loures das Chagas, de 13 anos. Em abril deste ano, Solange Roseli Vitec, de 17 anos, e amiga da primeira jovem, também desapareceu.

As investigações contaram com o apoio da Polícia Militar, do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) e parceria do Corpo de Bombeiros do Paraná e Santa Catarina.

“Seguimos diversas linhas de investigações. Todas as informações que chegavam eram checadas. Foi levantada a possibilidade de elas estarem em prostíbulos em São Paulo e foi investigado. Disseram terem visto um carro vermelho na região, o único veículo vermelho era de um padre e ele também foi ouvido. Foram feitas interceptações telefônicas com autorização judicial e nada foi descoberto. Quase todos os dias, desde dezembro, os policiais tentaram obter informações”, explicou Possebon.

O caso, então classificado como desaparecimento, teve uma reviravolta no dia 8 de junho quando um agricultor encontrou uma ossada cujos indícios apontavam ser de Solange pelas vestes, mochilas e pertences. Em 12 de agosto, agricultores encontraram um crânio, ossos de braços e pertences que seriam de Camile, a primeira vítima desaparecida.

Os policiais então decidiram repetir a coleta dos depoimentos. Os investigadores então perceberam contradições e nervosismo ao ouvirem o jovem agricultor A.B, que acabou confessando o crime.

Ainda de acordo com o depoimento, ambas foram mortas por asfixia, a primeira com as mãos do autor e a segunda com a calça da própria vítima. Ele nega ter cometido abuso sexual com jovens.

A polícia aguarda os resultados dos exames nas ossadas encaminhadas ao Instituto de Criminalística, juntamente com material genético, e investiga se o jovem agiu sozinho ou contou com a participação de outra pessoa.

O jovem não possuía passagem pela polícia, foi ouvido na Vara da Infância e Adolescência de União da Vitória e será encaminhado para um Centro de Integração Social (CIS).