“Barão das drogas” é transferido para presídio de segurança máxima no PR

Jordana Martinez


Tabata Viapiana – CBNCuritiba

Luiz Carlos da Rocha, conhecido com o “barão das drogas”, foi escoltado pela Polícia Federal até a penitenciária de segurança máxima de Catanduvas, no interior do estado. A PF, no entanto, não confirma oficialmente para qual presídio o traficante foi levado por questões de segurança. A transferência aconteceu depois que ele prestou depoimento aos investigadores. O conteúdo do interrogatório está sob sigilo. “Cabeça Branca” foi preso no último sábado, na operação Spectrum, que desarticulou uma grande organização criminosa internacional especializada em tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

De acordo com as investigações, o grupo era comandado por “Cabeça Branca”, um dos traficantes mais procurados pela Polícia Federal e pela Interpol na América do Sul, considerado um dos “barões das drogas” do Brasil, com poder de atuação maior que outros grandes traficantes, como Fernandinho Beira-Mar e Juan Carlos Abadia. “Cabeça Branca” também já foi condenado diversas vezes pela Justiça. As penas passam de 50 anos de prisão.

Para não ser localizado, o traficante fez cirurgias plásticas para mudar a aparência, segundo a PF. Apesar disso, ele foi encontrado recentemente em Sorriso, no Mato Grosso. Um longo trabalho de perícia foi realizado para confirmar que se tratava mesmo de “Cabeça Branca”. Ele vivia com a mulher e um filho pequeno, atuava como agropecuarista e usava o nome falso de Vitor Luiz de Moraes.

A prisão aconteceu quando “Cabeça Branca” fazia compras em uma padaria perto de casa. Foram expedidos dois mandados de prisão preventiva, por tempo indeterminado. A Polícia também prendeu em Londrina, no norte do Paraná, Wilson Roncarati, apontado como braço-direito do traficante. Eles agiam desde a produção de cocaína em regiões inóspitas e de selva em países como a Bolívia, Peru e Colômbia, até a logística de transporte das drogas.

Parte da cocaína era enviada para a Europa e Estados Unidos. Segundo a polícia, o grupo movimentava cerca de cinco toneladas de cocaína mensalmente. As drogas entravam no Brasil em aviões de pequeno porte, utilizando o espaço aéreo da Venezuela. Durante a operação Spectrum, foram sequestrados cerca de US$ 4,5 milhões em dinheiro, além de carros e imóveis.

As investigações apontam que o patrimônio adquirido por “Cabeça Branca” pode atingir a soma de US$ 100 milhões. Ele também mantinha contas bancárias em paraísos fiscais, além de algumas fazendas no Paraguai.

 

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.