Confronto entre PM e servidores deixa 24 feridos na Ópera de Arame

Jordana Martinez


Atualizado às 08h40 de 27/06, com informações do Metro Jornal, por Andreza Rossini

Dezenas de pessoas teriam sido agredidas e pelo menos 24 ficaram feridas durante um confronto entre manifestantes e Policiais Militares, nesta segunda-feira (26), durante a votação do pacote de ajuste fiscal da Prefeitura de Curitiba.  Três servidores foram presos; um por desacato e desrespeito à área destinada a assessores, outro por portar spray de pimenta e um com cocaína.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Sesp) entre 14 policiais foram feridos. O Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc), ao menos 10 servidores ficaram feridos, três em estado grave, sem contar aqueles que passaram mal por causa do gás, levaram pedrada ou foram atingidos por cassetetes e não procuraram auxílio médico.

Dois homens com ferimento de bala de borracha e uma mulher com luxação no ombro foram encaminhados para hospitais da capital.  Cinco policiais foram levados para o Hospital Evangélico, sendo que um soldado do 23º Batalhão da PM foi atingido por um paralelepípedo que fraturou o seu maxilar. Ele será submetido a uma cirurgia.

Além de policiais e manifestantes, profissionais que trabalhavam na cobertura da votação também foram agredidos. Entre eles o repórter Lucas Sarzi, da Tribuna do Paraná, Gibran Mendes, do Brasil de Fato, Frankin de Freitas, do Bem Paraná. gibran

Em entrevista ao Paraná Portal, Franklin de Freitas conta que trabalhava identificado com o colete da empresa, crachá no peito e máquina fotográfica, quando apanhou nas costelas com cacetete e precisou ser socorrido: “eu estava entre os manifestantes e o cordão de isolamento da polícia. Um dos manifestantes atacou com um ferro e aí começou a confusão. Primeiro veio o gás de pimenta, fechei os olhos, ajoelhei no chão e nem vi de onde vieram as pancadas”, afirmou.

Lucas Sarzi também afirma que o policial sabia que ele era jornalista: “Eu me afastei um pouco do confronto para fazer uma entrada ao vivo. Fiquei perto dos policiais porque ali pensei que estaria mais seguro, quando um policial me olhou no olho, viu meu crachá e, quando eu virei, ele meteu o cacete em mim pelas costas”, disse.

Já Gibran Mendes, do Brasil de Fato, foi atingido por uma bala de borracha.

Votação polêmica

A confusão aconteceu enquanto o pacote de ajuste fiscal era discutido em regime de urgência dentro da Ópera de Arame, local alternativo para a votação, já que nas últimas três tentativas de votação na Câmara Municipal, a sede do legislativo municipal foi ocupada e as votações suspensas.

Mesmo com a saída de alguns vereadores e o confronto entre servidores e policiais, a votação seguiu com a aprovação do projeto que altera a previdência dos servidores municipais, a proposta que adia a data-base e congela carreiras do funcionalismo, além do projeto que autoriza o leilão de dívida contraídas até 2016 e a Lei Responsabilidade Fiscal do Município.

Uma nova sessão está marcada para esta terça-feira (27), às 9h, quando as matérias serão apreciadas em segunda discussão. A Ópera de Arame permanece como local de votação.

Reunião termina em troca de acusações e briga entre Greca, vereador e assessores
> Greca recorre ao TJ para sacar R$ 600 milhões da previdência

Confusão

Logo após o início da votação, um princípio de confronto teve início fora da Ópera de Arame. Servidores romperam o primeiro bloqueio policial e conseguiram derrubar algumas grades. Houve um empurra-empurra e os policiais precisaram intervir.

Os policiais recuaram e os trabalhadores conseguiram se concentrar já na entrada da Ópera de Arame. Por volta das 10h30, após receberem a informação da aprovação do primeiro projeto em pauta, um novo confronto começou e três servidores foram presos. Segundo a Sesp, um por desacato e desrespeito à área destinada a assessores, outro por portar spray de pimenta e um com cocaína.

Por volta das 11h10, outro confronto teve início, dessa vez com mais violência. Servidores e policiais entraram em luta corporal e bombas foram lançadas para dispersar o manifesto.

A SESP informou que, até às 11h50, seis pessoas ficaram feridas: um manifestante (com ferimento na perna) e cinco policiais (feridos com pedradas, sendo que um deles foi encaminhado para o Hospital Evangélico).

Em resposta, professores, profissionais da saúde e demais servidores queimaram jalecos no meio da rua.

Previous ArticleNext Article
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.
[post_explorer post_id="439287" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]