Sem categoria
Compartilhar

Disque-denúncia recebe 75 contribuições por dia no Paraná

O disque-denúncia 181, da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, recebe cerca de 75 co..

Mariana Ohde - 23 de dezembro de 2016, 09:01

O disque-denúncia 181, da Secretaria da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná, recebe cerca de 75 contribuições por dia. São informações sobre crimes variados que somaram 27.647 denúncias em 2016.

Os dados podem ser passados de forma anônima pelo telefone 181 ou pelo site, com a possibilidade de anexar arquivos de fotos ou vídeos. Segundo o secretário Wagner Mesquita a participação do cidadão é fundamental para auxiliar nas investigações. “O 181, que é um serviço que já adquiriu extrema confiabilidade da população, passou a trabalhar diretamente com o Departamento de Inteligência (Diep) para filtragem das informações, que norteiam ações e auxiliam até em operações que as equipes policiais desenvolvem nas ruas de todo o estado”, explica.

Banco de dados

Criado pelo decreto estadual 5.494/2016, o disque-denúncia mantém todos os tipos de crimes registrados em um mesmo banco de dados, facilitando, assim, o acesso às informações. “É necessário que essas informações venham confluir dentro de um banco de dados comum a todos, para que todas as polícias possam receber essas informações e analisar conforme as suas investigações, tirando melhor proveito”, complementa o secretário.

De forma totalmente anônima, o serviço garante segurança ao cidadão que tem conhecimento de alguma atitude ilícita. “É o meio oficial, seguro e que o cidadão pode utilizar sem colocar a si próprio em risco. As denúncias são analisadas e encaminhadas aos diversos órgãos policiais, obedecendo um canal técnico, critérios e metodologia estabelecidos pela comunidade de inteligência dos diversos órgãos policiais que atuam no nosso Estado, possibilitando, além da atuação policial, a utilização destes dados para o planejamento de políticas de segurança pública”, afirma o coordenador do 181, capitão Edivan Fragoso.

Crianças e adolescentes

A ampliação do 181 para receber informações das diversas modalidades criminosas foi uma das metas estabelecidas pela Segurança Pública e colocada em prática em 2016. “Ao longo deste ano, tivemos aumento, principalmente o índice de denúncias relacionadas a crianças e adolescentes, a partir da mudança do serviço Narcodenúncia 181 – que recebia apenas informações que tratavam de tráfico de drogas – para o Disque-denúncia, que centraliza dados de todos os tipos de crimes”, salienta o capitão Fragoso.

O número de denúncias relacionadas à violência contra crianças e adolescentes chegou perto de 2 mil neste ano, mais que o dobro do ano anterior. O coordenador do 181 ressalta que o aumento das informações também está relacionado a campanhas difundidas pelo Governo do Estado para incentivar as denúncias e para tentar reduzir esse tipo de abuso.

“Estas denúncias, sobretudo as que versam sobre violações de direitos, vêm sendo difundidas para a Secretaria de Família e Desenvolvimento Social, que viabiliza o controle e o acesso aos conselhos tutelares, para ações de fiscalização e verificação dos casos”, informa o capitão Fragoso.

Crimes ambientais

Uma novidade foi o registro de denúncias de crimes ambientais que, a partir do novo sistema implantado pelo Disque-denúncia 181, são encaminhadas à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e ao Batalhão de Polícia Militar Ambiental. Em menos de três meses, foram 555 casos denunciados.

Outras informações – relacionadas a casos de homicídios (155 denúncias), roubos, furtos ou latrocínios (254), porte ou posse ilegal de armas de fogo (182) e uso de drogas entorpecentes (169) – são alguns dos tipos de denúncias que passaram a ser registrados pelo novo Disque Denúncia – 181, na segunda quinzena do mês de setembro.

“O 181 é diferente do serviço de emergência policial, cujas ocorrências devem ser relatadas pelo 190 (Polícia Militar) ou 193 (Bombeiros). Pelo 181 podem ser repassadas pistas ou possíveis autorias que se refiram a casos já ocorridos”, esclarece o capitão Fragoso.