Dois policiais rodoviários são presos por cobrar propina para não multar

Jordana Martinez


Tabata Viapiana/ CBNCuritiba

Dois policiais rodoviários federais foram presos em flagrante acusados de cobrarem propina para não aplicarem multas e nem realizarem a apreensão de um caminhão na BR-376, na região dos Campos Gerais.

Os policiais rodoviários federais foram presos em flagrante, acusados do crime de concussão, que é a cobrança de vantagens indevidas por funcionários públicos. Eles teriam exigido o pagamento de propina para não aplicarem uma multa e nem realizarem a apreensão de um caminhão, durante uma fiscalização na BR-376, em Imbaú, na região dos Campos Gerais.A prisão aconteceu após o pagamento da propina e a liberação do caminhoneiro. A ação foi deflagrada após várias denúncias chegarem à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal envolvendo possíveis irregularidades ocorridas no posto da PRF em Imbaú.

Os policiais abordaram o caminhoneiro para verificar supostas infrações. No local, conforme confirmou o motorista em depoimento, ele foi forçado a entregar o valor que possuía no momento – um cheque de R$ 250 e uma nota de R$ 50.Na mesma noite, a PF se dirigiu ao local para cumprir as prisões após a confirmação das denúncias, inclusive por meio de monitoramento por câmeras de vídeo. Foram encontrados nos objetos pessoais dos policiais rodoviários, como bolsas, mochilas e veículos, uma grande quantia em dinheiro, mais de R$ 2 mil em espécie, além do cheque de R$ 250, que teria sido entregue pela última vítima.

Os policiais rodoviários foram levados para um presídio em Ponta Grossa. Em audiência de custódia realizada na 1.ª Vara Federal de Telêmaco Borba, as prisões em flagrante foram convertidas em preventivas, sem prazo para soltura. A Procuradoria da República de Ponta Grossa acompanha a conclusão das investigações.

A Corregedoria da Polícia Rodoviária Federal também participou da ação. Em nota, a PRF informou que está atenta a pontuais desvios de conduta dos servidores e, em cooperação com os demais órgãos de fiscalização, investigação e controle, age para preservar os princípios morais e éticos que devem reger as atividades da instituição.

 

Previous ArticleNext Article
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.
[post_explorer post_id="369696" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]