Empresa curitibana economiza com uso do mercado livre de energia

Redação

ecponomia com mercado livre de energia

Com mais de 6.870 consumidores e 324 comercializadores, o Mercado Livre de Energia vem crescendo no Brasil com a possibilidade de unir economia e sustentabilidade. Atualmente, 30% de toda a energia elétrica consumida no país já vem desse formato. Os dados são da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), referentes a 2019. E grande parte dessa energia vem de fontes limpas. De acordo com estimativas da Associação, 42% da geração de energia renovável é destinada ao mercado livre.

“Estamos constantemente explorando novas maneiras de sermos uma empresa mais sustentável, e encontramos no mercado livre essa possibilidade. Aliado a isso, temos o importante benefício de redução de custo e previsibilidade orçamentária, e ainda colaboramos para a preservação do meio ambiente”, comenta Matthias Schupp, CEO da Neodent, empresa líder nacional em implantes dentários e que, desde 2019, migrou para esse formato de consumo de energia na fábrica com sede em Curitiba.

Economia de 34% nas contas de energia

O mercado livre é um ambiente de negociação em que consumidores podem comprar energia de formas alternativas à concessionária local. Isso significa que o cliente pode escolher o seu fornecedor de energia e negociar preços, prazos e forma de distribuição. Esse formato representou, em média, uma economia de 34% nas contas dos consumidores em 2019, segundo a Abraceel. “Desde a migração, tivemos uma economia de aproximadamente 1 milhão de reais”, conta Matthias.

Dentro do mercado livre, a empresa paranaense passou a contratar energia incentivada, proveniente de fontes sustentáveis, como Pequenas Centrais Hidrelétricas, biomassa, eólica e solar. Com a mudança, só no ano de 2019, a empresa reduziu em emissões mais de 721 toneladas de CO2. Isso equivale ao plantio de 5.048 árvores ao longo de 30 anos em um projeto de reflorestamento.

Conheça mais sobre o mercado livre de energia.

Leia também: Confiança de empresários e consumidores recua na prévia de outubro

Previous ArticleNext Article