Google “invade” o Museu da Câmara dos Deputados e fotografa acervo artístico

Guilherme Grandi


Com Metro Jornal

Para visitar o museu, basta entrar no Google. Não se trata só de uma busca por imagens. As obras estão lá, divididas em exposições, com imagens de alta definição, com informações de autoria e
data.

Se isso ainda não for o bastante, o Google Arts & Culture ainda te permite fazer uma visita virtual e “caminhar” por cada um dos corredores do Museu da Câmara dos Deputados – inclusive com mais acessos do que o visitante em corpo físico costuma ter – através da ferramenta Street View.

O espaço foi inserido na plataforma do buscador há duas semanas e é o segundo museu do Distrito Federal a integrar a base de dados. Embora não seja muito comum no Brasil, onde há menos de 50 instituições cadastradas, ao redor do mundo já foram incluídos mais de mil – entre eles o MoMA, em Nova York, e o Van Gogh Museum, em Amsterdã.

O projeto está em fase de testes, mas funciona com precisão e permite ao visitante chegar à Câmara dos Deputados pela rampa das autoridades, ou olhar o Theatro Municipal de São Paulo a partir do palco. O acesso é livre e gratuito.

Para esse lançamento, o Museu da Câmara criou três exposições virtuais: uma sobre o Palácio Tiradentes, outra sobre as artes e a arquitetura da casa e, uma terceira, para mostrar os presentes recebidos por autoridades e doados ao museu.

Das obras que foram digitalizadas para o Google Arts & Culture, 50 delas foram capturadas em ultra resolução pela Art Camera, possibilitando uma visão detalhada das peças.

Há seis itinerários virtuais pelo Street View nos edifícios que compõem a Câmara, passando pelos diversos ambientes e permitindo até mesmo uma vista da Esplanada dos Ministérios a partir do terraço do Congresso Nacional.

Isso também só pela tela do celular: o aplicativo do Google Arts & Culture está disponível para download para sistemas iOS e Android.

Entre as 200 obras disponibilizadas no link, destacam-se ‘Candangos’, de Di Cavalcanti, que tem dois metros de altura e quase nove de comprimento – e com resolução para ver detalhes dos cavalos nas telas. E a ‘Tiradentes ante o Carrasco’, de Rafael Falco – velha conhecida dos livros didáticos.

O acervo do Museu da Câmara dos Deputados inclui ainda obras de Fayga Ostrower, Rubem Valentim, Glênio Bianchetti, Marianne Peretti, Vitor Brecheret, Alfredo Volpi, Alfredo Ceschiatti, Athos Bulcão, entre outros.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="7691" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]