Homem pede R$ 1 milhão para não vender dados de alunos da Uninter e vai preso no PR

Fernando Garcel e Vinicius Cordeiro

Foto: Divulgação Polícia Civil

A Polícia Civil do Paraná prendeu um ex-funcionário da Uninter, um grupo educacional, com sede em Curitiba e atuação pelo Ensino à Distância (EAD) em todo o território nacional, na tarde desta terça-feira (26).

Raphael Cellupi, de 33 anos, é profissional de Tecnologia da Informação (T.I) e, segundo as investigações da Delegacia de Estelionato, estaria exigindo quase R$ 1 milhão dos diretores da instituição para não expor dados particulares e financeiros de funcionários e alunos que ele teria tido acesso.

Além das ameaças, também segundo as investigações, o ex-funcionário já teria hospedado dados sobre os alunos em servidores fora do Brasil. O valor da venda desse tipo de informação no mercado negro chega a 200 mil dólares.

“Os diretores e funcionários de T.I dessa instituição de ensino foram ouvidos na delegacia e falaram que esse funcionário estaria fazendo inserções via internet, no sistema de dados da instituição. Ele teria pego alguns dados e hospedado em servidores fora do Brasil, mostrando os dados furtados para os diretores e afirmando que teria que ser feito um contrato com ele”, declarou o delegado Emmanuel David.


LEIA TAMBÉM:

>>> Oito municípios estão em epidemia de dengue no Paraná

>>> Operação da PF mira grupo especializado no contrabando de agrotóxicos e cigarros

Raphael trabalhou na Uninter durante o processo de atualização do sistema de banco de dados de alunos entre julho de 2015 e dezembro de 2016 e também coordenou a criação e implantação do sistema educacional virtual da instituição em julho de 2017.

Ele foi preso em flagrante após os diretores da instituição registrarem a ocorrência. No momento da prisão ele mostrou os dados das pessoas para os gerentes. Ele está à disposição da Justiça e deve responder por crimes de extorsão e invasão de dispositivo informático.

A Uninter foi procurada pela reportagem, mas ainda não respondeu sobre o caso.

Post anteriorPróximo post