Sem categoria
Compartilhar

O exemplo de competência para vencer os desafios mais uma vez virá do campo, diz especialista

"Estratégia colaborativa, foco no 'core business' e muito trabalho; o Brasil é maior que a crise, e o exemplo de competê..

Jordana Martinez - 19 de maio de 2017, 18:51

Professor Sérgio Itamar -
 ISAE/FGV
Professor Sérgio Itamar - ISAE/FGV

"Estratégia colaborativa, foco no 'core business' e muito trabalho; o Brasil é maior que a crise, e o exemplo de competência para vencer os desafios mais uma vez virá do campo".  É com essa visão realista que o professor de Estratégia e Inovação Sérgio Itamar, do ISAE/FGV, mestre em Administração e Direito, faz o diagnóstico do atual momento político e econômico que o Brasil enfrenta.

Para ele, o agronegócio, apesar de andar na contramão da crise, não está imune aos efeitos provocados por ela, mas tem uma importância fundamental para reverter a realidade econômica em que o país se encontra.

"A crise se renova a cada nova revelação dos bastidores do maior e mais longo escândalo da história de nosso país. Realmente parece que assim que o horizonte se mostra límpido aos nossos olhos, novas nuvens se formam sobre nossa economia desencadeando uma série de reflexos com impactos diretos sobre todos os setores produtivos e mercados. O agronegócio não esta livre deste cenário. A importância estratégica do agronegócio, a competência e agilidade de seus profissionais, mais uma vez estão sendo colocadas em alerta para assegurar a manutenção da estabilidade deste setor. Os resultados dos últimos períodos colocaram uma grande esperança na contribuição deste mercado na alavancagem da economia brasileira e até de numa participação decisiva no afastamento da crise no Brasil, e boa parte disso deve-se à forte participação das cooperativas e dos excelentes resultados obtidos nos últimos anos", avaliou.

O professor não tem dúvidas que o terremoto provocado no dia seguinte à divulgação das denúncias contra o Presidente da República, Michel Temer, foi movido em grande parte por especulação. E que, em pouco tempo, os números da economia voltam aos patamares reais.

"Logo após as novas denúncias envolvendo o alto escalão da República tivemos reflexos fortes na bolsa de valores, dólar e no grau de confiança dos investidores, estamos todos atentos aos indicadores econômicos e estes certamente cederão com o decorrer do tempo, dando espaço para a razão e menos território para a emoção e a especulação. O que nos cabe agora é continuar o bom trabalho feito até então e fortalecer as parcerias e união entre as cooperativas e cooperados. É esta certamente a principal fonte de proteção e diferencial que trouxe o segmento num crescente de desenvolvimento nestes tempos de turbulência", conclui.