Sem categoria
Compartilhar

Paraná planeja presídio com 200 vagas para isolar facções

Rafael Neves, Metro Jornal Curitiba O Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) pretende construir um presídio que, n..

Narley Resende - 20 de janeiro de 2017, 09:15

Rafael Neves, Metro Jornal Curitiba

O Depen (Departamento Penitenciário do Paraná) pretende construir um presídio que, na prática, isolará líderes do PCC (Primeiro Comando da Capital) e presos de alta periculosidade.

Com verba de construção já disponível, vinda de um repasse de R$ 32 milhões feito pelo Funpen (Fundo Penitenciário) nacional, esta cadeia seria exclusiva para 200 detentos em RDD (Regime Disciplinar Diferenciado).

Criado por uma lei federal em 2003, o RDD é feito para isolar, em celas individuais e várias restrições de visita e comunicação, presos de “alto risco para a sociedade” ou ligados a facções criminosas.

O Paraná, que nesta semana pediu ao Ministério da Justiça que 37 chefes do PCC presos no Estado sejam levados a penitenciárias federais, poderia tirá-los do contato com os a massa carcerária se houvesse um presídio para RDD.

Apesar de haver dinheiro para a obra, a questão ainda não está decidida. Ao programa Entrevista Coletiva, da Band TV Curitiba, que irá ao ar amanhã às 11h, o diretor do Depen, Luiz Alberto Cartaxo, afirmou que é preciso que o governo esteja disposto a manter a unidade.

“É uma vaga cara. Porque um RDD de qualidade tem que ter no máximo dois presos por cela. O sol tem que ser individual. Então esse é um investimento muito grande, teremos que convencer o Estado, de uma forma geral, a investir dessa forma. Mas é uma necessidade que temos”, diz Cartaxo.

Outro projeto que usará os R$ 32 milhões do Funpen, segundo ele, será uma cadeia pública para 600 pessoas em uma região carente de vagas.

Estas duas propostas não fazem parte de um pacote de 14 obras – 8 construções e 6 reformas de presídios – que devem, segundo o governo, ficar prontas já em 2017, exceto quatro ainda não licitadas. Juntas, elas abrirão 7 mil vagas no sistema. Somando penitenciárias e delegacias de polícia, há cerca de 30 mil detentos no Estado.

Atualmente, segundo Cartaxo, o PCC tem 2 mil integrantes presos no Paraná. Para evitar massacres, como os do Amazonas, Roraima e Rio Grande do Norte, os membros da facção foram isolados. A Penitenciária Estadual de Piraquara, de onde 28 fugiram no último domingo, está só com membros do grupo.