PB ficava com 80% e embolsou R$ 7 milhões

Redação


O delegado Rodrigo de Campos Costa explicou que Paulo Bernardo embolsou R$ 7 milhões do esquema Consist. O dinheiro escoava pelo escritório do advogado Guilherme Gonçalves, que ficava com 20% do recurso e repassava 80% para o ex-ministro. O dinheiro era usado para pagamento de despesas pessoais de PB, inclusive empregados.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="487192" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]