Sem categoria
Compartilhar

PF investiga queda de helicóptero sequestrado que matou três em SC

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)A Polícia Federal assumiu as investigações da queda de um helicóptero registrada na tarde dest..

Fernando Garcel - 09 de março de 2018, 15:17

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS)

A Polícia Federal assumiu as investigações da queda de um helicóptero registrada na tarde desta quinta-feira (8), em Joinville (SC), que terminou com três mortos e um ferido. O helicóptero explodiu ao cair sobre três casas do bairro Paranaguamirim, por volta das 15h45 -nenhum morador se feriu. A PF comanda as investigações porque o caso trata-se de um acidente aéreo.

A primeira suspeita levantada pela Polícia Civil, que iniciou a apuração do acidente, é de que o piloto e mais um auxiliar de pista foram sequestrados pelos contratantes do voo, que pretendiam resgatar um preso da região.

Ainda não se sabe o que causou a queda da aeronave, cujos destroços estão sendo periciados por uma equipe da seção de investigação e prevenção de acidentes aeronáuticos da FAB (Força Aérea Brasileira) nesta sexta (9). O laudo com as conclusões do acidente deve ficar pronto em ao menos 30 dias.

Morreram carbonizados o piloto Antonio Mario Franco Aguiar, 57, o auxiliar de pista Bruno Siqueira, 20, e um dos contratantes do voo, que ainda não foi identificado. O quarto ocupante do voo e único sobrevivente foi identificado como Daniel da Silva, 18. Ele foi resgatado pelos bombeiros e encaminhado para o Hospital Municipal São José. Ele sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus em 15% do corpo e está sedado.

Segundo a polícia, Daniel possui ficha criminal por tráfico e posse de drogas, receptação, dano qualificado e resistência à abordagem policial. Ele havia deixado a prisão em fevereiro. Antes de o helicóptero cair, moradores do bairro Paranaguamirim ouviram barulhos de disparos de arma de fogo. A polícia apreendeu junto aos destroços um revólver e em um local mais à frente do acidente, uma pistola calibre 9 mm.

Beto Carrero

O helicóptero prestava serviços para o parque de diversões Beto Carrero World. Ela faz voos panorâmicos na cidade de Penha, onde o parque está localizado. No entanto, Daniel e o comparsa morto, que ainda não foi identificado, alegaram que precisavam fazer um voo mais longo, até Joinville, que está a 70 km de Penha, para ver uns terrenos. Eles embarcaram com duas maletas de mão por volta das 15h20.

O voo levantou suspeita das autoridades porque não teve a rota comunicada ao serviço de controle aéreo, um procedimento obrigatório. A suspeita de que algo estava errado se confirmou quando o piloto Antonio Aguiar enviou para a torre de Curitiba (PR) um código informando que havia sido sequestrado. A aeronave também caiu em um local próximo ao presídio regional de Joinville, fato que reforça a hipótese de que um preso seria resgatado da unidade prisional.

Em nota, o Beto Carrero World lamentou o acidente. "Lamentamos a queda de uma aeronave pertencente a empresa Avalon Táxi Aéreo, que terceiriza o serviço de voos panorâmicos no Beto Carrero World. Segundo informações da Avalon Táxi Aéreo, a aeronave não estava operando nas rotas oferecidas de serviços pelo parque."

A reportagem não conseguiu localizar nenhum representante da Avalon Táxi Aéreo até esta publicação.