PIB paranaense discute LDO e critica reajuste salarial do judiciário e dos servidores

Redação


Foto: Equipe Paraná Portal
Foto: Equipe Paraná Portal

Empresários do setor produtivo paranaense estiveram na manhã desta terça-feira na Assembleia Legislativa para manifestar suas preocupações com a crise nacional e criticar o reajuste salarial para o judiciário, inclusive os parlamentares, entendendo que o momento é de contribuição e que cada setor tem que abrir mão de privilégios para ajudar a Nação e, consequentemente, o Estado do Paraná.

O presidente da Federação da Agricultura do Estado, Ágide Meneghetti, disse que Executivo e Legislativo deveriam ser os principais promotores de ajustes e não permitir aumentos salariais num momento em que empresas estão fechando portas e que mais de 11,5 milhões de pessoas estão desempregadas no País.

Deputados como Luiz Cláudio Romanelli e Requião Filho também condenaram o reajuste do judiciário e sugeriram um congelamento temporário até que a situação financeira do Estado esteja equilibrada, o que não acontece hoje, já que não existem recursos para atender às reivindicações do funcionalismo. Os professores, por exemplo, já ameaçam uma nova paralisação.

O diretor da Federação das Indústrias do Paraná, Paulo Roberto Puppo, falou sobre a crise no estado.

Marcos Domakoski, do movimento Pró-Paraná afirmou que o orçamento do estado precisa ser equacionado.

O advogado Cleverson Teixeira afirmou que as decisões da LDO precisam passar pelo crivo da sociedade.

Os empresários, também representados pela Organização das Cooperativas do Paraná -Ocepar- e Movimento Pró-Paraná, pediram para que o governo do estado reduzisse o percentual de repasse de recursos – hoje em torno de 18% – para os poderes legislativo e judiciário, onde envolve o Tribunal de Contas.

O deputado Elio Rusch, relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), explicou aos empresários que, em relação aos municípios, que também estão passando por necessidades, com falta de recursos, não é possível reduzir o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) para o próximo ano, principalmente porque a situação de cada um dos 399 municípios é preocupante.

O presidente da Assembleia, o deputado Ademar Traiano, se comprometeu em atrasar a votação da LDO para analisar as medidas. Veja a entrevista:

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="487227" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]