Polícia prende dois suspeitos de matar homem a pedradas

Mariana Ohde


A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) concluiu nesta terça-feira (24) o inquérito policial que apurava a morte de Cristiano da Silva Rosa, de 27 anos, que foi agredido a pedradas até a morte no dia 13 de setembro do ano passado, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Dois suspeitos foram presos e duas pessoas seguem foragidas.

A ação policial deflagrada na manhã desta terça-feira contou com a participação de 30 policiais civis da DHPP que foram para as ruas da Vila Tripa, no bairro Umbará, com o objetivo de cumprir quatro mandados de prisão e cinco de buscas e apreensão.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, Renato Coelho de Jesus, da 4ª Delegacia de Homicídios de Curitiba, os suspeitos fazem parte de uma organização criminosa que disputa o tráfico de drogas na região do Ceasa e a Vila Tripa, sendo ainda investigados em vários outros homicídios ocorridos nos últimos oito meses. “Contra eles, existem diversas denúncias de homicídios e tráfico de drogas e mais de cinco inquéritos policiais que apuram o envolvimento de ambas organizações nas mortes locais”, ressalta Coelho.

Wesley Gabriel Ferreira Barros, de 22 anos, e Suzano da Silva, de 28, foram presos e responderão pelo crime de homicídio. Se condenados, pegarão uma pena que varia de 12 a 30 anos de reclusão. A dupla possui outras passagens pela polícia por diversos outros crimes, como roubo e porte de arma. Permanecem foragidos os irmãos Danilo Gardino de Barros, de 24 anos, conhecido como “Bila”, e Denilson Gardino de Barros, de 22 anos, conhecido como “Preto”.

Agora, as diligências devem ter continuidade, para identificar e prender outros integrantes desta mesma organização criminosa, bem como o grupo rival que age na região da Vila Palmeira.

O delegado-titular da DHPP, Miguel Stadler falou sobre o aumento de crimes contra a vida naquela região. “Nesses casos especificamente que foram na região de Umbará e Tatuquara, tivemos no mês de março, um aumento no índice de crimes contra a vida. As diligências realizadas pela nossa equipe apontou que a maior parte dessas mortes estava relacionada ao tráfico de drogas”, finalizou o delegado-titular da DHPP, Miguel Stadler completando que as operações integradas entre as polícias Civil e Militar, na região, estão surtindo resultados positivos e apresentando queda, principalmente nos crimes contra homicídios.

A Polícia Civil incentiva e disponibiliza o uso de vários canais para que a população possa fazer denúncias, garantindo anonimato. As informações podem ser repassadas pelo telefone (41) 3360 1400.

(Com informações da Polícia Civil)

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal