Sem categoria
Compartilhar

Polícia prende principal fornecedor de drogas do Centro de Curitiba

Com CBN CuritibaA principal quadrilha de fornecedores de drogas da região central de Curitiba foi desarticulada pela pol..

Mariana Ohde - 16 de dezembro de 2016, 09:08

Com CBN Curitiba

A principal quadrilha de fornecedores de drogas da região central de Curitiba foi desarticulada pela polícia na noite de quarta-feira (14). Na ação, foram apreendidos mais de 80 kg de drogas que seriam vendidos em ruas como a São Francisco, Riachuelo e Cruz Machado.

Após dois meses de investigações da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil, com a ajuda de denúncias e monitoramentos, a quadrilha foi desarticulada e quatro pessoas foram presas. Celsemiro, suspeito de ser o principal fornecedor de drogas do Centro da capital, a mulher dele, Larissa, um funcionário do traficante, identificado como Luan, e ainda, Isidoro, um paraguaio que trazia a droga de Foz do Iguaçu, estão detidos.

De acordo com a delegada Camila Ceconello, a quadrilha fornecia sempre pequenas quantidades de droga para disfarçar o tráfico. A polícia descobriu que, na quarta-feira, Celsemiro receberia um carregamento de droga e aproveitou para fazer o flagrante. Os quatro suspeitos foram presos na casa do traficante, no bairro Sítio Cercado. Uma casa vizinha era utilizada para estocar a droga. Foram apreendidos crack, maconha e cocaína, além de balanças de precisão, uma arma, munições e R$ 400 em dinheiro.

Durante a ação, a polícia também foi até um hotel na região central onde o paraguaio estava hospedado. Lá foram encontrados mais 5 kg de crack, US$ 500 e R$ 190 em guaranis, a moeda paraguaia.

Os quatro suspeitos presos vão responder por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

Micro traficantes

A delegada explica que o “micro traficante" é o principal obstáculo da polícia no combate ao tráfico de drogas na capital.

A delegada explica que alguns traficantes circulam com pequenas quantidades do produto e conseguem rapidamente esconder a droga ou argumentar que a substância é para consumo próprio. Com isso, a polícia fica sem provas que justifiquem uma prisão.

"O pequeno traficante que atua ali na região, distribuindo para os usuários, ele segura poucas pedras de crack. Então, quando ocorre a abordagem, ele geralmente está com uma pedra, duas pedras, ou ele deixa a droga escondida no chão, em árvores. Então é difícil você comprovar que ele é traficante. Embora ele venda diariamente, constantemente, a droga, no momento da abordagem ele não está na posse de entorpecentes", explica.

Comerciantes coniventes

Segundo a polícia, alguns comerciantes colaboram com as ações da polícia pra combater o tráfico de drogas e alguns permanecem omissos por medo de ameaças. Porém, há ainda aqueles que ajudam os criminosos. "Nós percebemos que muitos comerciantes denunciam o tráfico, mas muitos são coniventes com a comercialização. A gente vê que, às vezes, chegam viaturas e os comerciantes fecham os estabelecimentos. Assim como existe o comerciante que quer ajudar a polícia, existe o comerciante que está conivente com a prática do crime na região", afirma.

Ameaças

Apesar da quadrilha abastecer traficantes da Rua São Francisco, não há provas de que o grupo tenha envolvimento com o caso do comerciante que foi ameaçado de morte pelos traficantes na semana passada e teve seu imóvel destruído.