Policial que matou jogador de futebol amador é ouvido pela Justiça nesta sexta

Jordana Martinez


O policial militar acusado de matar um jogador de futebol amador pelas costas em julho deste ano na Grande Curitiba vai ter a primeira oitiva na Justiça nesta sexta-feira (30). Trata-se de uma audiência de instrução, marcada para começar às 9 horas, que também vai servir para que testemunhas e policiais que participaram da ocorrência falem no processo.

Devem depor ainda os envolvidos na tentativa de “plantar” a arma apresentada como sendo da vítima.

> Com tiro pelas costas e arma ‘plantada’, PM vira réu por morte de jogador

O soldado Eurico Gerson de Araújo Pires é acusado de matar a tiros Gilson Camargo, de 28 anos, logo após uma confusão em campo. O PM foi denunciado por homicídio qualificado mediante surpresa – tendo dificultado a defesa da vítima –, e fraude processual e, diante disso, pode ser levado a júri popular. “Será um dia muito importante para este caso. Serão realizadas oitivas da acusação e defesa e, por fim, será a primeira oportunidade do acusado de se manifestar no processo. Ele será interrogado em juízo e vai dar sua versão”, diz o advogado assistente da acusação Brunno Pereira.

Os primeiros depoimentos serão das testemunhas. Já o depoimento do soldado deve ser colhido no fim do dia.

O advogado fala ainda de outra investigação, que corre no âmbito militar, e afirma que o caso pode ter desdobramentos na esfera criminal se restar comprovado que houve ajuda para o atirador tentar forjar uma situação de legítima defesa. “É uma situação um tanto peculiar. Outros policiais estão respondendo uma situação em âmbito militar que apura o que aconteceu neste dia que consta como indiciados não só esse policial como outros policiais que estiveram lá no dia”, conta Brunno.

O caso foi registrado no bairro Santa Rosa, em Campina Grande do Sul, em 17 de julho. O soldado integra a Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) e é lotado no 22º Batalhão e afirmou que Gilson Camargo havia ameaçado outras pessoas e reagido a uma ordem de abordagem. Ele apresentou um revólver calibre 38 com a alegação de que pertencia à vítima, mas as investigações comprovaram que isso era mentira. Na verdade, a arma foi levada até ele por outro policial dentro de uma mochila com roupas enviada pela esposa de Pires.

Para o Ministério Público, o PM agiu com a intenção de matar. Ele foi preso em 21 de julho, em caráter temporário, mas, no fim de agosto, quando a Justiça aceitou a denúncia, a prisão foi convertida em preventiva, ou seja, sem prazo para soltura. Ele está na carceragem do Batalhão de Polícia de Guarda, em Piraquara, também na Região Metropolitana.

Previous ArticleNext Article
Jordana Martinez
Profissional multimídia com passagens pela Tv Band Curitiba, RPC, Rede Massa, RicTv, rádio CBNCuritiba e BandNewsCuritiba. Hoje é editora-chefe do Paraná Portal.
[post_explorer post_id="388289" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]