Policiais teriam participado de assaltos em casas na região de Curitiba, aponta Gaeco

Fernando Garcel


Fernando Garcel com Narley Resende

Os dois policiais militares presos pela Operação Dimitrios, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público (Gaeco), na manhã desta terça-feira (6), são suspeitos de participação em assaltos de casas e estabelecimentos comerciais em Curitiba e região metropolitana.

> Policiais militares são alvo de operação do Gaeco em Curitiba

“O que nós investigamos até o momento, através da promotoria de Colombo, é que um policial, alvo de mandado de prisão preventiva, tinha participação em assaltos promovidos por uma quadrilha – hoje chamada de associação criminosa – que praticavam assaltos em casas e em estabelecimentos comerciais em Curitiba e região metropolitana”, disse o coordenador do Gaeco Leonir Batisti. De acordo com as investigações, há indicações firmes de participação dessas pessoas em dois eventos e investigações a respeito de outras situações.

Segundo Batisti, além da prisão preventiva do policial militar foi cumprido também um segundo mandado contra ele devido a posse de um veículo com chassi adulterado. Além disso, os agentes também encontraram documentos falsos com o policial. “Além de facilitar, nós temos indicações firmes de que ele participava de alguma forma da quadrilha. O que foi confirmado pelo fato dele ter consigo veículo de origem ilícita”, disse o coordenador do Gaeco.

O segundo policial militar alvo de mandados de busca e apreensão cumpridos pelo Gaeco foi preso em flagrante por outro crime. Segundo Batisti, os agentes encontraram munições não registradas e de uso não permitido, além de armas. O mandado de busca e apreensão foi motivado pela suspeita de que ele também teria participação, ou teria conhecimento e ocultado, as ações da quadrilha na região.

Operação Dimitrios

Foram cumpridos desde as primeiras horas da manhã, pelo Gaeco, oito mandados de prisão preventiva, 16 mandados de busca e apreensão e dois de condução coercitiva. Um dos mandados de prisão foi cumprido em Santa Catarina. A operação é realizada em parceria com a Corregedoria-Geral da PM.

Os crimes ocorreram nos municípios de Colombo, Curitiba e em outras cidades da região metropolitana e do estado de Santa Catarina. Os mandados de busca e apreensão, expedidos pela Vara Criminal de Colombo, foram cumpridos em Curitiba, Colombo, São José dos Pinhais, Pinhais e em SC. Os crimes investigados são associação criminosa, roubo e receptação.

A investigação da Corregedoria-Geral (Coger) da PM começaram há três meses. Em março deste ano, uma denúncia feita por uma das vítimas do grupo alavancou os trabalhos e auxiliou na identificação dos possíveis integrantes da organização.

O grupo realizava roubos e furtos a residências, empresas e a cargas de alto valor, bem como praticava receptação de materiais. Além disso, há a suspeita de envolvimento da organização no roubo a um carro forte na Rodovia do Xisto no fim de maio deste ano, na cidade de Contenda.

Previous ArticleNext Article