Caçada mobiliza 800 policiais do BR e PY e apreende mais de R$ 4mi

Fernando Garcel


Em 24 horas, o trabalho conjunto entre várias forças de segurança do Brasil e do Paraguai conseguiu prender 10 suspeitos de envolvimento no mega-assalto a uma transportadora de valores em Ciudad del Este, no Paraguai, na segunda-feira (24). Três homens morreram em confronto com a polícia.

> Mega-assalto leva US$ 40 milhões de transportadora em Ciudad del Este

Além dos suspeitos, a polícia apreendeu cinco fuzis, uma metralhadora ponto 50 – capaz de derrubar um helicóptero -, sete carros, dois barcos e sete quilos de explosivos. Foram apreendidos também dinheiro em moeda americana, brasileira e paraguaia num total equivalente a R$ 4.647.640,00 (quatro milhões seiscentos e quarenta e sete mil e seiscentos e quarenta reais), sendo R$219.450,00, US$ 1.265030,00 e G$ 733.640.000,00 (guaranís).

Os dados foram apresentados em uma coletiva nesta terça-feira, na sede da Polícia Federal, em Foz do Iguaçu.

De acordo com as informações da polícia, mais de 800 agentes dos dois países participam das diligências. “Houve a resposta necessária, imediata e integrada dada pelas forças policias. Agora haverá um direcionamento mais específico nas próximas diligências, com a permanência desse reforço policial na região, no tempo que for necessário, para seguir a investigação e encontrar outros possíveis envolvidos”, afirmou o secretário Wagner Mesquita. Seis helicópteros participam da ação conjunta. Sendo três do Paraguai e três do Paraná.

“Esse tipo de crime não respeita a fronteira. Portanto, o entrosamento entre os policiais e os setores de inteligência dos países, esse gabinete de crise da Polícia Federal, que já existia, funcionou efetivamente para ajudar nas primeiras ações neste caso”, afirmou.

A identificação de ao menos três criminosos de fora do Paraná – dois paulistas e um baiano – reforça a convicção de uma ação orquestrada por facção criminosa. “Não é um crime de amadores. Vemos a semelhança no modus operandi dessa ação e de outras realizadas tanto no Brasil como no Paraguai”, acrescentou Bordignon.

> Suspeitos de assalto no Paraguai trocam tiros com a polícia no PR

Além das buscas que persistirão na região, a polícia organizou anéis de controle nas estradas de todo o estado. “Foram montados cinturões de controle e nas rodovias estaduais e federais com o policiamento reforçado. Policiais federais de outros estados vão encorpar o patrulhamento, além de grupos específicos e especiais, com a presença ainda de aeronaves, temos a convicção de que colheremos mais resultados em breve”, afirmou o inspetor da Polícia Rodoviária Federal, Luiz Antônio Gênova.

Mega-assalto em Ciudad del Este

A ação começou por volta de meia-noite em Ciudad del Este, 1h no horário de Brasília. Enquanto um grupo incendiou carros e fez disparos em frente à delegacia, para impedir a reação dos policiais, a maior parte da quadrilha foi à sede da Prosegur, a 4 km dali, e isolou o perímetro com mais tiros e outros dois automóveis em chamas.

Os ladrões explodiram um grosso muro de concreto e uma grade de metal para chegar ao cofre da empresa. De lá, teriam saído aproximadamente US$ 40 milhões em caminhões blindados.

O impacto das explosões chegou a quebrar vidros, derrubar portas de madeira e destelhar uma casa nos fundos da empresa. “Ligamos para a polícia e dissemos que havia um assalto. Nos pediram para entrar no quarto e nos esconder debaixo da cama. Eu e minha esposa ficamos lá abraçados e logo escutamos a primeira detonação”, contou Alejandro Anisimoff, morador da casa. À TV Tarobá, afiliada da Band TV na região, ele disse ter ficado três horas debaixo da cama.

Nas primeiras horas após a fuga, o grupo teria se distribuído por três rotas, todas no Paraguai, mas parte do grupo foi encontrada pela polícia em Itaipulândia, a 48 km de Foz do Iguaçu, no final da manhã de ontem.

Os agentes da PF acharam um barco abandonado às margens do lago Itaipu e trocaram tiros com os criminosos, que fugiram para um matagal. Três morreram e dois ficaram feridos. Um deles, baleado duas vezes, foi detido na rodoviária do município, tentando embarcar em um ônibus para São Paulo.

A Prosegur informou, em nota, que “colocará toda a informação reunida a serviço das autoridades policiais e judiciais”.

Previous ArticleNext Article