Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

A jogada política dos partidos contra a polarização Lula e Bolsonaro

Escrevemos aqui, nesta quinta-feira, que a saída de Sergio Moro do Podemos e sua entrada no União Brasil tinha, como objetivo, o fortalecimento de uma terceira via

Pedro Ribeiro - 01 de abril de 2022, 10:36

Imagem/Debateon.com
Imagem/Debateon.com

Escrevemos aqui, nesta quinta-feira, que a saída de Sergio Moro do Podemos e sua entrada no União Brasil tinha, como objetivo, o fortalecimento de uma terceira via que, até o momento, não tinha nenhuma representatividade e muito menos perspectiva de crescimento. De um lado, o ex-juiz federal com 8% nas pesquisas, Ciro Gomes também com o mesmo percentual e João Dória com menos de 2%.

Como nos disse o senador Oriovisto Guimarães, os cinco maiores partidos – MDB, União Brasil, PSDB, Podemos e até o PSB – deverão, a partir de agora, falar a mesma linguagem para encontrar, após as convenções, um nome de consenso para disputar como “centro democrático” contra Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro.

Moro, ao desistir de sua candidatura à Presidência da República pelo Podemos, não significa que o partido não vá apoiá-lo após as convenções, disse Guimarães. Outra pergunta se que se faz, neste momento político, é se a saída de Moro não fortaleceria o presidente e candidato Bolsonaro. Analistas políticos acreditam que sim e que ele, Bolsonaro, deve abocanhar perto de 1,5% dos votos de Moro.

Tudo, no entanto, dependerá dessa grande aliança que será feita a partir das convenções com a união desses partidos em torno de uma candidatura que poderá será Dória ou Leite, Moro, Simone Tebet e um outro nome que ainda pode surgir. Resta saber, nesta composição, para que lado vai o candidato do PDT, Ciro Gomes.