Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Alex Câmara 10 e Paulinho Teixeira, dois ídolos paranaenses

 Hoje deixo de lado a complicada tarefa de escrever sobre política, na tentativa de entender o que passa na ..

Pedro Ribeiro - 12 de outubro de 2019, 08:26

 

Hoje deixo de lado a complicada tarefa de escrever sobre política, na tentativa de entender o que passa na cabeça dos nossos representantes no Congresso Nacional, dos rogados que mandam e desmandam no país, na cachola do presidente Bolsonaro, do presidiário preferido, Lula da Silva, corrupção e bandidagem.  Vamos falar de futebol e rock.

Ontem, 11, fui ao Estádio Couto Pereira assistir a pré-estréia do filme “Alex Câmara 10”, produzido e dirigido por dois amigos e respeitados jornalistas esportivos: Adriano Rattmann e Marcos Freitas.

Um excelente documentário que conta a trajetória de um dos maiores ídolos recente do Coritiba, Alex de Souza, com depoimentos de ex-jogadores como Zico, Zinho, Juninho Pernambucano, Evair, Neto e Kruguer, técnico como Pepe, o jornalista Juca Kfoury e outros do eixo Rio-São Paulo-Minas.

Esta travessia começa em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, onde nasceu Alex, passa por Curitiba e pelo primeiro time, o Coxa, vai para São Paulo, onde brilha no Palmeiras, depois a Belo Horizonte onde vira ídolo do Cruzeiro, tem uma passagem pelo Flamengo, pelo Parma da Itália e na Turquia onde os fanáticos torcedores erguem uma estátua em sua homenagem e agradecimento por oito anos de alegria com muitos gols.

Foram, ao todo, 423 gols em uma carreira de 20 anos de futebol profissional, bom-senso, humildade, aprendizado e ensinamento. Um homem de família. Apenas uma frustração: não ser convocado para a Seleção Brasileira  para disputar um mundial, embora tenha jogado pela Copa América.

Volta ao Coxa, time que o acolheu ainda menino e encerra a carreira ovacionado pela torcida. Deixa os gramados, a bola e se dedica a ser, o que sempre também foi, torcedor do time do coração, o Coritiba.

Fui ao Couto nesta sexta-feira também com outro propósito: ver meu ídolo da guitarra, Paulinho Teixeira (Blindagem)  que participou do show do Sr. Banana, junto com Paulo Cerqueira e Rogério Elvis, da banda curitibana Dr. Smith.

Como sempre, Paulo Teixeira, ao lado do filho Gabriel Teixeira, guitarrista da também banda Curitibana, Sr. Banana, que retorna aos palcos do país, brilha, ou, mostra que está cada vez melhor.

Levei para assistir ao show de rock, o meu neto Pedro Henrique, 15, que não gosta de futebol, mas é apaixonado por rock e música de modo geral. Como ainda um aprendiz da arte de tocar guitarra, queria apresentar meu ídolo, Paulo Teixeira.

O garoto gostou do que viu e já virou fã. E eu, além de assistir a um belo documentário, me emocionei com a torcida gritando o nome do Alex e pude ver novamente o Paulinho com sua mágica guitarra.

Final. Meu objetivo era também o de fazer meu neto voltar a gostar de futebol. Não sei se consegui, mas tentei. E continuarei tentando.

Vida longa ao Alex e ao Paulinho, dois protagonistas da arte paranaense.