Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Alvaro Dias defende combate mais austero contra a criminalidade

 Senador e pré-candidato à Presidência da República mostrará suas ideias para presidir Brasil em encontro di..

Pedro Ribeiro - 24 de maio de 2018, 15:37

 

Senador e pré-candidato à Presidência da República mostrará suas ideias para presidir Brasil em encontro dia sete de junho em Curitiba

O Brasil não está dividido em “direita e esquerda”, e sim, “entre honestos e ladrões da República”, disse, em Brasília, o senador e pré-candidato à Presidência da República, Alvaro Dias, no encerramento da 21ª Marcha dos Prefeitos. Em discurso inflamado, observou que  "Deus foi generoso conosco. Não podemos admitir esta incompetência e a consagração da corrupção. Esse sistema é corrupto, esse sistema fracassou, ele tem que ser substituído”, disse.

O senador estará dia sete de junho em Curitiba, quando se reunirá com vereadores, prefeitos, deputados, lideranças políticas e empresariais em almoço no Restaurante Madalosso, em Santa Felicidade. Alvaro Dias falará, às 9h30min, sobre “Janela da Oportunidade”, onde vai expor aos paranaenses suas ideias para governar o Brasil.

Em recente sabatina na ISTOÉ, o senador disse que a população brasileira busca um candidato com experiência administrativa e passado limpo, que represente a consagração de um novo modelo político e uma ruptura com o sistema atual. Suas propostas para essa reforma política envolvem a diminuição no número de partidos e parlamentares, bem como seus “penduricalhos injustificáveis” em tempos de crise, e o fim da reeleição.

De acordo com o senador paranaense, “reeleição para cargo executivo é algo que não deu certo, pois o governante sempre vai priorizar medidas que vão garantir a sua permanência no cargo.”

Quando a autoridade não se impõe, a marginalidade se sobrepõe”, disse Álvaro Dias, sobre a crise de segurança pública que vive o Estado do Rio de Janeiro. Para o senador, hoje “há uma frouxidão” no trato com a criminalidade.

Alvaro Dias, defende que apenas uma total refundação da República e a realização de reformas necessárias para aumentar recursos para investimentos nos setores essenciais, como o serviço de Inteligência na fiscalização das fronteiras, poderiam diminuir o tráfico de armas e drogas em todo o País e, consequentemente, a violência.