Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Brasil não discute grandes temas, como emprego e inflação, reclama Oriovisto

Senador paranaense concorda com Domênico De Masi que inteligência do povo brasileiro está sendo rebaixada

Pedro Ribeiro - 03 de maio de 2022, 21:35

Foto/Divulgação
Foto/Divulgação

 

Citando o filósofo italiano, Domênico De Masi, quando disse que o povo brasileiro, embora criativo, passa por uma fase de rebaixamento da sua inteligência média, o senador Oriovisto Guimarães, concorda com essa tese e lembrou das ações da Presidência da República que vem propondo pautas retrógradas que não contribuem para o crescimento e desenvolvimento da Nação.

Segundo Guimarães, De Mais publicou artigo onde diz que o Brasil vem discutindo coisas que foram superadas há mais de 300 anos, 500, mais até. Por exemplo, “nós estamos discutindo terraplanismo. Nós estamos obrigando os nossos astrônomos a provarem, de novo, que a Terra é redonda e gira. Nós estamos discutindo se vacina vale ou não ou se transforma gente em jacaré”.

E é nessa onda de rebaixamento da inteligência média que “nós estamos aprovando o fundão eleitoral de R$ 5 bilhões; que nós achamos natural que haja bilhões e bilhões para a RP 9; e que agora venha um projeto de lei falando que vamos aumentar gastos governamentais de publicidade em vésperas de eleições.  Estamos discutindo o próprio Montesquieu, estamos discutindo a validade da democracia, o equilíbrio entre Poderes”, observou o senador..

De acordo com Guimarães, “os grandes problemas do Brasil são outros e, na medida em que discutimos coisas superadas há 300, 500 anos, deixamos de discutir os problemas presentes, como arrumar mais emprego, combater a inflação, ter uma política mais ética e honesta – abandonamos totalmente a pauta ética –, ter uma economia mais pujante, fazer uma reforma da política brasileira, fazer uma reforma da Justiça brasileira. O atraso atrasa a inteligência média do brasileiro e, o que é pior, impede o seu avanço. Os problemas reais não estão sendo discutidos.

“” Eu apelo a todos que neguemos este projeto. Que ele não seja aprovado, por favor”, pontuou o senador paranaense aos seus parceiros senadores da República.