Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Chega! é hora de voltar ao trabalho

A seleção brasileira ruma à Copa do Mundo e já não há mais aquela euforia que coloria o país de verde e amarelo. ..

Pedro Ribeiro - 28 de maio de 2018, 13:26

Foto: AEN
Foto: AEN

A seleção brasileira ruma à Copa do Mundo e já não há mais aquela euforia que coloria o país de verde e amarelo. O Brasil, hoje, é preto e branco, com uma população refém do movimento dos caminhoneiros, com descontentamento generalizado em relação à classe política e sem saber o que fazer nas eleições de outubro.

Sem um norte, com governo fraco, um Congresso Nacional descompromissado com os interesses nacionais e políticos em busca de votos para a reeleição, sem um discurso consistente que possa criar uma expectativa ou esperança, principalmente à juventude.

Sem bandeiras vermelhas, marca registrada da esquerda lulopetista, os sofridos caminhoneiros pararam o país tendo, como suporte, os empresários do setor de transportes de cargas. Humilharam o governo que cedeu em todas as suas reivindicações e mesmo assim não voltaram ao trabalho.

O que mais falta? Será que as medidas adotadas pelo governo não é um bom começo? Não está na hora de os caminhoneiros pensarem um pouco em suas famílias e em toda a população brasileira que começa a sentir a falta de gêneros de primeira necessidade? Não está na hora das lideranças do movimento abrirem os olhos e ver que poderá morrer gente por falta de medicamentos?

Isso sem contar que o lixo espalhado nas grades cidades poderá provocar doenças na população, que haverá rico de aumento da violência e criminalidade e que poderá haver desemprego no setor da produção alimentícia, onde não há insumos para o tratamento dos animais. O pior: onde enterrar milhões de animais – porcos, aves e outros – caso venham a morrer por falta de alimento?

Os caminhoneiros foram atendidos em suas reivindicações, portanto, é hora de colocar o país na estrada e trabalhar, mesmo sabendo que quem pagará essa conta, que resultará e mais de R$ 10 bilhões, seremos nós, pois o governo já sinaliza com aumento de impostos para cobrir rombo no orçamento.