Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Como a campeã  de luta, Erica Paes, ensina mulheres a se defender da violência doméstica

Erica Paes profere palestra nesta sexta-feira, às 9 horas, na Câmara de Curitiba sobre"Prevenção e Enfrentamento à Violê..

Pedro Ribeiro - 20 de setembro de 2018, 16:21

Erica Paes profere palestra nesta sexta-feira, às 9 horas, na Câmara de Curitiba sobre"Prevenção e Enfrentamento à Violência contra a Mulher

Não é com socos e pontapés que a lutadora do MMA, Erica Paes, enfrenta um dos maiores de seus maiores desafios, compartilhado com muitas mulheres brasileiras: a violência doméstica. É com a cabeça e o coração que, quando não está nos ringues do mundo, essa paraense, que já foi vítima de violência doméstica e sofreu duas tentativas de estupro, contribui para que essa hedionda prática seja extirpada da sociedade brasileira.

Erica Paes está engajada na luta pelos direitos e seguranças das mulheres, principalmente as fragilizadas pelo abuso do machismo e da violência. Ela se tonou pioneira na especialização de técnicas para a defesa pessoal, voltada exclusivamente para as mulheres, fundando o projeto social “Eu sei me defender”, de prevenção e enfrentamento da violência contra a mulher.

Ela está em Curitiba onde, acompanhada pela vice-presidente do partido Podemos no Paraná, Suzana Leite, participa de palestra, divulgando seu programa que atende o público feminino, onde mostra, gratuitamente, mecanismos de defesa às vítimas da violência e dos abusos em geral, transmitindo os conhecimentos adquiridos durante anos.

Iniciado em Belém, quando a primeira turma se formou em 2016, o projeto já conta com três polos em atividade. No Rio de Janeiro, no qual, em apenas 24 horas de inscrição, obteve todas as vagas preenchidas.

Erica Paes é uma lutadora paraense, de 38 anos. Vive no Rio de Janeiro desde 2001 com seu filho, também lutador e ator, Renzo Paes, de 19 anos. Desde que descobriu a luta, ainda na infância, iniciou cedo sua carreira, aos 12 anos, logo se destacando nacionalmente no Jiu-Jitsu esporte de frequência predominantemente masculina.

Sua primeira luta profissional de MMA – sigla de Mixed Martial Arts – aconteceu em 2000, na cidade de Macapá, quando Erica começou a obter notoriedade mundial, destacando-se no MMA (mix das artes marciais) como uma das primeiras mulheres a lutar profissionalmente no Brasil e no mundo, cada vez mais conhecida nos eventos da modalidade.

Hoje é respeitada como precursora da arte e considerada a primeira mulher a integrar a “Brazilian Top Team”, equipe pioneira que agrupou grandes estrelas da época e que perduram até hoje, como Minotauro, Minotouro, Arona, Paulo Filho, Zé Mário Sperry, Murilo Bustamante e outros.

Considerada a primeira mulher a se projetar com sucesso na modalidade, coleciona um cartel de vitórias em seu extenso currículo, somando conquistas e títulos expressivos como a de Campeã Mundial de Jiu-Jitsu – 2000. Até hoje ocupa a posição da única mulher a vencer a curitibana Cris Cyborg, a número um do ranking mundial.

Com suas medidas corporais de 1,76 m e pesando cerca de 68 kg, a lutadora morena e esguia segue uma intensa rotina de treinos e dietas. Integrou, desde 2006, com orgulho, a equipe de XGYM, mantendo como companheiros de treinos os renomados profissionais: Anderson Silva, Ronaldo Jacaré e outras grandes estrelas do cenário mundial, comandada  pelo treinador Josuel Distak, além do seu grande mestre Sylvio Behring.

Recentemente foi convidada pela novelista Gloria Perez para participar da novela, “A força do querer”, que teve estreia em abril de 2017, no horário nobre da Rede Globo. Sua vida serviu de inspiração para a criação da personagem Jeysa, interpretada por Paolla Oliveira, que também é treinada por Erica, junto com o ator Raul Gazola, que fez o papel de um treinador. Ela também atuou como atriz, que após o convite da escritora, estudou e se formou em TV/Cinema.

No próximo mês Érica Paes, irá compor a série da TV Globo “Mulheres da Luta”, que foi gravado no início desse ano.