Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Governo do Paraná investiu R$ 6 bilhões na saúde

 O Governo do Estado investiu mais de R$ 4 bilhões da receita estadual na área da saúde. O total chegou a R$..

Pedro Ribeiro - 09 de março de 2021, 19:03

O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, apresentou aos deputados estaduais o Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior (RDQA) do 3º Quadrimestre de 2020, nesta terça-feira (9). A audiência pública é realizada pela Comissão de Saúde Pública da Assembleia Legislativa, ocorreu no Plenário da casa parlamentar com transmissão pela internet. - Curitiba, 09/03/2021  -  Foto: Dálie Felberg /ALEP
O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, apresentou aos deputados estaduais o Relatório Detalhado do Quadrimestre Anterior (RDQA) do 3º Quadrimestre de 2020, nesta terça-feira (9). A audiência pública é realizada pela Comissão de Saúde Pública da Assembleia Legislativa, ocorreu no Plenário da casa parlamentar com transmissão pela internet. - Curitiba, 09/03/2021 - Foto: Dálie Felberg /ALEP

 

O Governo do Estado investiu mais de R$ 4 bilhões da receita estadual na área da saúde. O total chegou a R$ 6 bilhões, incluindo repasses federais, disse

“Estamos em meio à pandemia do coronavírus em uma etapa em que os casos voltaram a crescer, e friso que trabalhamos fortemente para manter a população do Paraná assistida em todas as áreas da saúde”, afirmou o

De acordo com os dados apresentados, muitas metas foram atingidas, e novas estratégias estão sendo traçadas para que todas sejam integralmente cumpridas.

“Muito do nosso planejamento foi alterado e ajustado por causa da pandemia da Covid-19. Exemplo disso é a expansão do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, o Samu, que gostaríamos de ter ampliado para 92% a cobertura. Nesse momento não foi possível, mas vamos alcançar”, explicou Beto Preto.

“Estamos com mais de 5 mil pacientes internados entre Unidades de Terapia Intensiva e enfermaria por apenas uma patologia, a Covid-19. Os pacientes permanecem muito mais tempo internados do que nos casos de outras doenças e a situação da Covid é muito específica, precisa de isolamento pela transmissibilidade, de suporte respiratório, entre outros”, destacou o diretor da Secretaria, Vinicius Filipack.

Ele também esclareceu que nem todos os leitos podem ser convertidos para uso exclusivo Covid-19. “Temos leitos não Covid, e se faz necessário mantê-los porque outras patologias continuam matando e são imprevisíveis. As pessoas continuam tendo acidente vascular cerebral (AVC), continuam sofrendo paradas cardiorrespiratórias e também traumas”, acrescentou