Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Greca quer militantes pró-Lula fora do entorno da Polícia Federal

 Policial federal que acompanha a movimentação do “Lula Livre” em frente a Superintendência da Polícia Feder..

Pedro Ribeiro - 09 de maio de 2018, 11:46

Foto: Divulgação Prefeitura
Foto: Divulgação Prefeitura

 

Policial federal que acompanha a movimentação do “Lula Livre” em frente a Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, onde o ex-presidente está preso, revela que a vigília enfraqueceu e contou pouco mais de 100 pessoas nesta terça-feira de frio na capital paranaense. Soma-se ao reduzido número de pessoas, denúncias de brigas e roubos entre os próprios adoradores.

Nesta quarta-feira, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, reafirmou que pediu à Justiça Federal para que os militantes acampados no entorno da Polícia Federal sejam retirados de lá. À Rádio Eldorado e publicado no Estadão, Greca pondera:

 "O prédio da PF não é uma penitenciária e a Justiça não pode violar a lei. Conversei com desembargadores do TRF4 de Porto Alegre e fui muito bem recebido". "O município merece respeito da Justiça Federal, mas Justiça tem seu tempo e talvez por isso os prédios caiam em SP por abandono.

O monitoramento feito pela Polícia Militar do Paraná e a Guarda Municipal para manter a segurança do local, onde já houve um ataque a tiros que deixou ao menos dois feridos, custa cerca de R$ 10 mil por dia, disse Greca.

"Temos um monitoramento da PM e da Guarda, isso custa dinheiro, mas os ânimos estão acirrados. O PT e o MST colocam em antipatia a população civil de Curitiba", disse. "Tudo que for preciso pra proteger os moradores eu vou fazer. A Justiça não tem direito de criar desarmonia na minha cidade."