Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Novo pedágio já com alerta de risco de aumento das tarifas

 O assunto pedágio, no Paraná, pode até cansar o leitor, mas é necessário dar continuidade devido ao que pod..

Pedro Ribeiro - 15 de janeiro de 2022, 09:43

Rodrigo Félix Leal/SEIL
Rodrigo Félix Leal/SEIL

 

O assunto pedágio, no Paraná, pode até cansar o leitor, mas é necessário dar continuidade devido ao que poderá acontecer na próxima licitação do chamado “novo pedágio”, com tarifa mais baixa e “muitas obras”. Por enquanto, vamos passando direto nas cancelas até as eleições. Depois, já sabemos o que vai acontecer, porque já vimos muitas vezes este mesmo filme.

Nesta semana, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), colocou uma dúvida ao informar o Tribunal de Contas da União (TCU) sobre risco de aumento das tarifas e pouca participação no novo pedágio, em resposta aos questionamentos feitos pelo Tribunal Contas da União (TCU) sobre falhas no processo licitatório do novo pedágio no Paraná.

Ao divulgar o alerta da ANTT, o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), disse que “são situações preocupantes que comprovam que todo esse projeto montado pelo Governo Federal precisa ser revisto. Há o risco de as rodovias do Paraná ficarem, mais uma vez, na mão das mesmas empresas que não cumpriram contratos resultando em tarifas altas e prejuízos para toda a economia”.

Em dezembro, o TCU questionou a ANTT sobre a ausência de informações sobre obras não executadas ou em execução, estudos atualizados do fluxo de veículos em razão da ampliação da malha ferroviária e dados mais conclusivos em relação ao formato do leilão.

Na resposta, em forma de nota técnica encaminhada ao TCU na quarta-feira (12), a ANTT informa que há possibilidade de aumento nas tarifas causado pelas chamadas “obras de terceiros”. São obras que estão sendo realizadas pelo DER, por meio de convênios ou decorrentes de acordos de leniência ou determinação judicial em trechos que compõe o programa de concessão.

“É prerrogativa do Poder Concedente alterar unilateralmente o contrato para inclusão de investimentos, inclusive as obras de terceiros previstas no contrato. Caso seja atribuída responsabilidade não prevista inicialmente, será realizada a recomposição do equilíbrio econômico financeiro do contrato”, aponta o documento redigido pelos técnicos da Agência.

CONCENTRAÇÃO

Questionada pelo TCU sobre o modelo de licitação, a ANTT também reconhece que o setor de infraestrutura rodoviário está “relativamente concentrado o que se reflete no número de players (2) participantes dos últimos certames a nível federal”.

Frente ao cenário macroeconômico e a situação política do país, o deputado Romanelli afirma ser improvável a presença de empresas internacionais na licitação. Apesar de a ANTT afirmar que sondagens de mercado indicam que novos grupos estão estudando o programa.

“A inflação que estamos vivendo, as incertezas na gestão do país e o risco Bolsonaro não trazem investimentos estrangeiros para o Brasil. Estaremos na mão de dois grupos tradicionais, empresas que conhecemos bem aqui no Paraná e que, infelizmente, não são cumpridoras de contratos”.