Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Oriovisto comprará avião com dinheiro que ganhou com trabalho e não usará passagens pagas pelo poder público

 O senador paranaense, Oriovisto Guimarães, que vem dando exemplos de cidadania e responsabilidade pelo carg..

Pedro Ribeiro - 03 de fevereiro de 2019, 21:30

 

O senador paranaense, Oriovisto Guimarães, que vem dando exemplos de cidadania e responsabilidade pelo cargo que agora ocupa como Senador da República, eleito com mais de três milhões de votos, começa a ser vítima de leviandades da grande mídia. Em seu primeiro dia como parlamentar, Guimarães votou abertamente para a presidência da casa e fez questão de mostrar sua atitude aos 80 senadores presentes durante o pleito. Esta demonstração é uma prova de que ele será um senador que não participará do conhecido balcão de negócios, do toma lá da cá entre o Executivo e o Legislativo.

Em nota publicada em sua página do Facebook deste domingo, Oriovisto Guimarães responde a revista Veja. Segundo diz, “a coluna Radar, da revista Veja, publicou neste sábado (2) uma nota muito maldosa a meu respeito. Já começando pelo título: “Senador quer jatinho particular para se locomover entre Brasília e Paraná”.

A nota, continua o senador, ainda afirma que sou “dono da rede Positivo”. “Em resposta, quero esclarecer que, em primeiro lugar, não tenho mais ligação com o Grupo Positivo há sete anos. Em segundo lugar, realmente estou procurando um avião para comprar. Vou comprá-lo com o dinheiro que ganhei como empresário. E para ganhar este dinheiro criei mais de 10.000 empregos e paguei (junto com meus sócios) centenas de milhões de reais em impostos. Cada centavo que será usado na compra deste avião foi ganho de forma honesta e com o suor de meu rosto. Não ganhei sozinho, todos ganharam, os que tiveram empregos, o governo e, agora, a Embraer, que para vender o avião e poder criar milhares de empregos na indústria aeronáutica, precisa de empresários, como eu, que resolvem comprar um pequeno avião. Com esta ação livrarei o Senado de bancar minhas passagens aéreas entre Curitiba e Brasília gerando mais economia aos cofres públicos. Pelo mesmo motivo, abri mão do auxílio mudança e auxilio moradia, pois apesar de serem previstos em lei, entendo que não seria ético eu usufruir desses benefícios. O respeito ao dinheiro que vem dos impostos pagos por toda a população será sempre um valor fundamental durante o meu mandato”.