Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Os supersalários que abalam a República

O assunto está causando náusea em meio mundo. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais pagou, no mês de julho, valores líqu..

Pedro Ribeiro - 29 de agosto de 2017, 11:10

O assunto está causando náusea em meio mundo. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais pagou, no mês de julho, valores líquidos acima do teto constitucional para quase 98% dos magistrados. O teto, de R$ 33.763,00, é equivalente ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Ma maioria absoluta dos magistrados mineiros recebeu pagamento cima do teto e, quatro deles, abocanharam mais de R$ 100 mil líquidos cada um. O contracheque mais alto foi o de um juiz de entrância especial, no valor de R$ 461.153,91 líquidos em julho. Outros dois juízes o seguiram no ranking, com R$ 408.690,36 e R$ 362.228,19.

Juliana Sakai, diretora de operações da ONG Transparência Brasil, disse que os Tribunais de Justiça tentam “burlar o teto constitucional” ao usar “penduricalhos com benefícios”. 

A presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, determinou que os tribunais devem informar os dados salariais ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), para a manutenção de um banco online que facilite a análise de possíveis inconsistências e pagamentos acima do padrão. A decisão foi tomada após a Coluna do Estadão mostrar supersalários em Mato Grosso. pedro.ribeiro