Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Para Sachs, o Brasil está desastrosamente governado

Enquanto uns aplaudem as barbáries ditas pelo presidente Jair Bolsonaro na reunião ministerial, outros, mais lúcidos, mo..

Pedro Ribeiro - 24 de maio de 2020, 08:55

Enquanto uns aplaudem as barbáries ditas pelo presidente Jair Bolsonaro na reunião ministerial, outros, mais lúcidos, mostram preocupação com a pandemia do coronavírus que está dando ao Brasil mais um título de campeão do mundo, desta vez pela trágica morte de milhares de pessoas.

Em entrevista à BBC News Mundo, o cientista Jeffrey Sach observa que "esta pandemia é extraordinariamente grave e que ela vai empurrar centenas de milhões de pessoas para a pobreza.".

Para ele, agora provavelmente "está perdido" o objetivo de eliminar a pobreza extrema global até 2030, estabelecida nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que ele próprio estimulou.

Sachs, um dos líderes ou economistas mais influentes do mundo, critica a resposta do presidente dos EUA, Donald Trump, à crise da covid-19 e o que vê como uma tentativa de criar uma Guerra Fria com a China.

Mas também critica as políticas de presidentes latino-americanos, como o mexicano Andrés Manuel López Obrador ou o brasileiro Jair Bolsonaro, considera provável que a Argentina descumpra o pagamento de sua dívida e descreve "o pior cenário que veremos na região em muito tempo".

Para ele, agora, economia é saúde pública. Se se controla esta pandemia, se restaura a vida cotidiana e econômica.

Se a pandemia não for controlada e seguimos propagando o vírus ao redor do mundo, isso afetará muito os países pobres e os países de rendas médias, os impactos econômicos durarão anos e serão muito graves.

Se esses impactos econômicos muito graves conduzem a uma crise financeira, o que é uma possibilidade real porque muitos países correm o risco de não poder pagar suas dívidas internacionais ou enfrentam uma desestabilização financeira muito importante em suas economias, isso multiplicará os efeitos.

Se temos uma crise financeira, uma crise de saúde pública e uma crise geopolítica, teremos outra era de Grande Depressão. Muitas coisas podem ficar ruins neste momento.

O Brasil está tão desastrosamente governado que já estava em crise, mas com Bolsonaro está se transformando numa crise ainda mais profunda porque o governo federal é, como nos EUA, incoerente e dá pouca ajuda para deter a epidemia além do que fazem os governadores estaduais.

Sabemos que o Equador e o Peru enfrentam um forte impacto da epidemia.

É provável que no México aconteça o mesmo porque AMLO (como é conhecido o presidente Andrés Manuel López Obrador) tem estado basicamente em negação, como Trump e Bolsonaro.

lamentavelmente, a perspectiva é de resultados ainda piores no futuro. Temos uma liderança terrível nos EUA, uma liderança miserável no Brasil, uma liderança ruim para esta crise no México. Muitas economias emergentes estão começando a se ver muito afetadas, e tudo isso poderia levar a um desastre crescente.

No curto prazo, há muita dor econômica junto com as mortes e os confinamentos.