Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Procuradores querem os núcleos das teias da corrupção no país

 Eles prometem artilharia ainda mais pesada em 2019 para chegar a líderes bem maiores que o ex-presidente Lu..

Pedro Ribeiro - 26 de dezembro de 2018, 11:54

PR - LAVA JATO - POLÍTICA -   Roberson Pozzobon, Procurador da República  durante coletiva de imprensa da 51ª da Operação Lava Jato, denominada Operação Deja Vu, na Sede da Superintendência da Policia Federal em Curitiba nesta terça-feira (08). Aproximadamente 80 policiais federais cumprem 23 ordens judiciais nos estados do Rio de Janeiro, Espirito Santo e São Paulo, sendo  04 mandados de prisão preventiva, 02 mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca e apreensão.
Foto: Geraldo Bubniak/AGB
PR - LAVA JATO - POLÍTICA - Roberson Pozzobon, Procurador da República durante coletiva de imprensa da 51ª da Operação Lava Jato, denominada Operação Deja Vu, na Sede da Superintendência da Policia Federal em Curitiba nesta terça-feira (08). Aproximadamente 80 policiais federais cumprem 23 ordens judiciais nos estados do Rio de Janeiro, Espirito Santo e São Paulo, sendo 04 mandados de prisão preventiva, 02 mandados de prisão temporária e 17 mandados de busca e apreensão. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

 

Eles prometem artilharia ainda mais pesada em 2019 para chegar a líderes bem maiores que o ex-presidente Lula. No gosto da população, é preciso que esses procuradores e juízes tenham, também, a responsabilidade e o respeito com a pessoa e não linchá-la apenas com denúncias, muitas vezes veladas que destrói o cidadão e a família.

 

 Jovens Procuradores da República estabelecidos na República de Curitiba ganharam notoriedade em 2018 com a Operação Lava, protegidos, em grande parte, pelo manto fiel da justiça na leitura, interpretação e caneta do juiz federal Sergio Moro. Antes esquecidos e mergulhados em meio a pilhas de processos em seus gabinetes, ganharam os holofotes da mídia nacional e internacional e caíram nas graças da sociedade cansada das mazelas da corrupção.

Odiados por uns e amados por outros, esses jovens procuradores vem enfrentando a ira e fúria de poderosos políticos e empresários que sangraram os cofres públicos do país, em especial da Petrobras, por onde vazaram, em forma de propina que irrigou bolsos de empresários e políticos, mais de R$ 6 bilhões. Não se intimidaram, embora houvesse algumas decepções, e prometem artilharia ainda mais pesada para 2019.

Foi isso o que deu a entender pelas palavras do Procurador de Justiça, Roberson Pozzobon, quando disse que a Lava Jato vai muito além das 57 fases já deflagradas nestes quatro anos de atuação. “Vamos avançar sobre a teia de corrupção que está sendo revelada por cada investigação e delação ocorrida. São, portanto, novos nichos de corrupção que iremos deflagrar”.

Pozzobon, em entrevista ao Paraná Portal, fez um alerta, aos afirmar que, em 2019, haverão novas fases da Lava Jato com investigações sobre núcleos de corrupção e agentes políticos e empresariais ainda não atingidos. Seu alerta foi além: tudo isto, aqui no Paraná. Se não escapou um ex-presidente da República, não escapará ninguém, pois é nossa obrigação responsabilizar essas pessoas, seja quem for, afirmou.

No entendimento do Procurador, Lula não é o único grande chefe do esquema criminoso investigado pela força-tarefa, como já havia sido afirmado pelo próprio MPF, em 2015, na ocasião da denúncia contra o ex-presidente. “Há múltiplos líderes e, infelizmente, eles transitam, passam o bastão, em um sistema de corrupção alastrado e endêmico”. (Leia a entrevista  completa no Paraná Portal).