Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Relações de bondades entre Prefeitura e ICI

Jornalista Aroldo Murá investiga relações de bondades entre a Prefeitura de Curitiba e o Instituto das Cidades Inteligentes (ICI

Redação - 19 de fevereiro de 2022, 17:50

Rodrigo Fonseca/CMC
Rodrigo Fonseca/CMC

Jornalista Aroldo Murá investiga relações de bondades entre a Prefeitura de Curitiba e o Instituto das Cidades Inteligentes (ICI) e aponta que houve, no governo Rafael Greca, aumento de contratos de 33% e que o Curitiba gastará R$ 56 milhões este ano com o ICI.

Desde o início de janeiro, a Procuradoria de Curitiba tem tratado com carinho os contratos da Prefeitura com o Instituto das Cidades Inteligentes (ICI). Ao todo quatro contratos foram aditivados e um novo foi aberto, somando R$ 1,5 milhão. A expectativa desse ano é que a prefeitura gaste R$ 56 milhões com o ICI, apesar  de  que 2021 as despesas com o Instituto passaram de R$ 66,7 milhões.

Desde que Greca assumiu, em 2017, os contratos do ICI tiveram um acréscimo de mais de 33%, além da atualização da inflação. Saíram de quase R$ 50 milhões para R$ 66,7 milhões, segundo dados do portal de transparência da Prefeitura de Curitiba.

GASTANÇA COM ICI

Atualmente, Curitiba gasta seis vezes mais com o ICI do que na construção de casa populares, que abrigariam as famílias carentes da cidade. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontam que a déficit habitacional de 80 mil moradias, afetando a vida de quase 400 mil pessoas.

Apesar da falta de moradias, a prioridade da Prefeitura é atender os donos do ICI, e preservar mordomias.

O prefeito Rafael Greca disse que quebrou a caixa-preta. Ao obter os códigos fontes dos programas. Greca afirmou ter agora  pleno domínio dos programas do ICI. O que não é verdade. Todo o sistema de tecnologia de informação da prefeitura continua com o ICI. Curitiba anda cada vez mais dependente desses contratos.

ALIMENTAÇÃO VIRTUAL

Para se ter uma ideia, a Prefeitura vai criar um aplicativo de Alimentação virtual, o qual acaba de contratar por R$ 165 mil. Esse aplicativo pretende facilitar a logística de quem quer doar comida e quem quer receber comida. Curitiba vai criar repetindo o que já existe e funciona muito bem, a Mesa Brasil, programa do SESC, que tem dado suporte para as organizações não-governamentais. O Mesa hoje alimenta milhares de curitibanos.

O melhor seria ter uma parceria eficiente, mas o prefeito prefere gastar ao fazer parceria e economizar recursos dos cofres públicos. (Aroldo Murá).