Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Roubos de cargas aumentam 18% em três meses no paraná

  Estatísticas da NTC e Logística, que fornece informações para a Confederação Nacional do Transporte (..

Pedro Ribeiro - 01 de novembro de 2016, 13:59

 

 

Estatísticas da NTC e Logística, que fornece informações para a Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostram que no ano passado as perdas com os roubos de cargas passaram de R$ 1 bilhão no país. O Rio é o segundo na lista das cidades com mais roubos, mas a primeira em prejuízos. O Paraná contribui com 2,5 pontos percentuais desse volume e a região sudeste aparece com 87%.

Para o presidente de Fetranspar, coronel Sérgio Malucelli, “a situação é insustentável pois, somente em nosso estado, houve um aumento de 18% nos roubos de cargas no último trimestre”. No Paraná, os produtos mais visados são os eletrônicos, alimentos, cigarros, pneus e fertilizantes (este só é transportado com escolta). No Rio de Janeiro, em 2015, foram registrados 4.424 roubos de cargas, segundo o Instituto de Segurança Pública do Estado.

Segundo amostragem na NTC e Logística, de cada 10 mil viagens no país - que podem ser feitas em um mesmo dia - seis, necessariamente, serão alvos de criminosos. E o número não para de aumentar. Em 2011, foram 13 mil roubos. Nos anos seguintes, houve crescimento. E no ano passado, o país registou mais de 19 mil roubos de cargas, com um prejuízo recorde, calculado em R$ 1,12 bilhão.

Malucelli explica que, hoje, 12%do orçamento das empresas de transportes de cargas estão sendo canalizados para gerenciamento de riscos. Levantamento de uma seguradora mostrou que a cidade de São Paulo aparece no relatório com o maior número de roubos de cargas em 2015, mas em termos de prejuízos, o Rio de Janeiro lidera esse ranking. Depois de Rio e São Paulo, Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco, Belém e Recife aparecem na lista.

Na divisão por regiões, o Sudeste aparece em primeiro lugar, com mais da metade dos roubos de cargas no Brasil, e com perdas enormes, de quase 70%. A região Nordeste vem em seguida, com 20% dos assaltos. A região Sul tem 10%, Centro Oeste 6% e o Norte do país, 6%.

O estudo mostra ainda que o que mais se rouba no Brasil são alimentos, seguidos de combustíveis, eletroeletrônicos, medicamentos e celulares. (A GloboNews publicou com exclusividade o levantamento da NTC).

Para Malucelli, “é preciso colocar um basta nesse milionário negócio do crime organizado – são roubos sob encomenda – com uma ação interligada entre as polícias civil e militar e aparelhamento das políciais rodoviárias federal e estadual, além da criação de delegacias específicas para este tipo de roubo”. pedro.ribeiro