Sintonia Fina - Pedro Ribeiro
Compartilhar

Uma ciclovia ao lado da centenária estrada de ferro Curitiba-Morretes

Empresários de Morretes reivindicam à Ferroeste a construção de uma ciclovia ao lado da estrada de ferro Curitiba-Morretes para compensar perdas com turismo.

Pedro Ribeiro - 23 de abril de 2022, 21:14

Foto: Reprodução/rodoferroviária.com.br
Foto: Reprodução/rodoferroviária.com.br

A primeira ciclovia do mundo, que acompanhará todo o trecho de aproximadamente 100 quilômetros da centenária linha férrea, que liga Curitiba a Paranaguá, deverá ser construída pela Ferroeste para compensar as perdas turísticas e comerciais do município de Morretes, já que o traçado da nova ferrovia passará pela margem direita da BR-277 no sentido Curitiba-Paranaguá.

A reivindicação para a construção dessa inusitada ciclovia é uma iniciativa do Convention & Visitor´s Bureau de Morretes e o projeto técnico será desenvolvido pela PJJ Arquitetura, informa ao Paraná Portal o empresário do ramo de turismo e gastronomia de Morretes, Maurício Scucato.

Esta ciclo-ferrovia, inédita no mundo, poderá se constituir na redenção do município e um legado a futuras gerações, pois deverá atrair ciclistas de todo o país e do mundo para descerem a subirem ao lado de uma das mais belas ferrovias do país, passando por túneis e desfrutando dos encantos da mais preservada mata atlântica do país”, acredita o empresário e presidente do Convention Bureau.

Scucatto revela que, com o anúncio da expansão do modal ferroviário no Brasil, onde a Ferroeste irá construir um trecho de Ponta Grossa a Paranaguá, a centenária estrada de ferro, hoje administrada pela RUMO, poderá ter seu uso comercial desativado, ficando apenas para o trem de turismo, o município de Morretes também perderá seu potencial turístico.

Com isto, diz Scucato, órgãos municipais de o Convention Bureau estão mobilizados para que a Ferroeste encampe essa ideia de ciclovia junto ao trecho da estrada de ferro de Curitiba a Morretes. Além disso, “estamos pleiteando também a recuperação e restauração de todas estações ao longo da ferrovia, hoje totalmente abandonadas”, observou.

Maurício Scucato, presidente do Convention & Visitor's Bureau de Morretes. Foto: Divulgação

Para o empresário Joanir Miranda, que atua junto a RUMO, na conservação do trajeto da ferrovia, “se o projeto avançar, como é esperado, será a mais bonita ciclovia do mundo”. O prefeito Brindarolli Junior disse que está mantendo conversas com os empresários do Bureau e que terá um encontro com a direção da Ferroeste para discutir o projeto.

Centenas de ciclistas descem todos os finais de semana para Morretes, seja pela BR-277 ou Estrada da Graciosa, o que vem contribuindo, também, para que Morretes seja, hoje, a terceira cidade mais visitada do Paraná.

Esta ciclovia será um marco mundial, pelas características do projeto da ferrovia e pela beleza da nossa Serra do Mar”, disse o praticante de ciclismo de aventura, Urbano Fressato, que viaja o país com sua bike. Já esteve no Pantanal e outros estados brasileiros pedalando em grupo de casais.