Botafogo empata com Sport e segue sem vencer no Brasileiro

Em jogo fraco tecnicamente, também prejudicado pela chuva que ensopou o gramado da Ilha do Retiro antes de a bola rolar, Sport e Botafogo ficaram empataram em 1 a 1 na noite desta segunda-feira (23), no Recife. Everton Felipe e Rodrigo Lindoso anotaram os gols nos minutos finais.
O placar só não foi mais amplo no estádio pernambucano por “culpa” de Gatito Fernandez. O goleiro do Botafogo realizou, pelo menos, cinco defesas que poderiam culminar em gol para o Sport, que dominou as ações ofensivas jogando em casa.
Com o resultado, ambas as equipes seguem sem vencer neste Campeonato Brasileiro. Na próxima rodada, o Botafogo (dois pontos, em 14º lugar na tabela) receberá o Grêmio, neste sábado (28), no Engenhão. Já o Sport (um ponto, em 17º) visitará o Paraná no domingo (29).
Choveu bastante no Recife antes de Sport x Botafogo. O gramado da Ilha do Retiro reunia condições de jogo, mas tinha alguns pontos com poças d’água, principalmente na faixa central do campo. Uma delas complicou a vida do zagueiro Ernando, aos quatro minutos do primeiro tempo, que se atrapalhou e entregou a bola de graça para Rodrigo Pimpão. O atacante alvinegro, no entanto, demorou para tomar uma decisão na área rival: nem chutou nem tocou para Brenner, que estava próximo, e acabou desarmado.
Na sequência da jogada, Leo Valencia tentou o cruzamento rasteiro pela esquerda e Ernando afastou o perigo, mas o defensor exagerou tanto na vontade de se redimir que se chocou com uma das traves, dando susto na partida.
Mais efetivo ofensivamente, com 11 finalizações, contra apenas uma do Botafogo, o Sport criou as melhores chances do primeiro tempo, e só não teve gol porque Gatito Fernandez operou dois milagres em menos de dois minutos.
Aos 22min, o Sport construiu bela jogada pela direita, com cruzamento rasteiro de Raul Prata para Gabriel errar o chute bisonhamente na área, mas a bola sobrou para Marlone, que finalizou com força, mas o goleiro do Botafogo defendeu à queima-roupa. Na sequência da jogada, o paraguaio mostrou elasticidade e reflexo para evitar que um desvio de Brenner terminasse em gol contra.
Antes do intervalo, deu tempo para Gatito ser decisivo mais duas vezes, em cabeçada de Rogério que espalmou para escanteio e em finalização de longa distância de Gabriel.
No segundo tempo, mais Gatito em ação. Aos nove minutos do segundo tempo, o Sport chegou na área botafoguense após triangulação, mas o goleiro bloqueou o chute de Rogério.
Para equilibrar as ações, Valentim mexeu em toda a linha ofensiva e gastou as três substituições em 23 minutos: Rodrigo Pimpão por Pachu, no intervalo, Brenner por Kieza, aos 13 minutos, e Ezequiel por Leo Valencia, aos 23. Mesmo assim, o Botafogo seguiu descompassado. O Sport conseguia manter mais a posse de bola e criar lances de perigo, forçando as ações pelo lado direito do ataque, com o apoio do lateral Raul Prata, nas costas de Gilson.
Na base da insistência, o Sport foi recompensado com um gol aos 40 minutos do segundo tempo, em contra-ataque armado pelo goleiro Maílson. Everton Felipe arriscou chute colocado da entrada da área, a bola desviou em Gustavo e enganou Gatito.
Mailson, revelado pelas categorias de base do Sport, foi o titular no gol do Sport na Ilha do Retiro. Foi a estreia do goleiro de 21 anos na Série A, e apenas a segunda partida dele como profissional. O novato ganhou oportunidade após Agenor, que teve atuação ruim contra o América-MG, pedir para sair do clube.
Como o ataque do Botafogo levou pouco perigo no primeiro tempo, Mailson não foi muito testado. A única intervenção mais complicada ocorreu aos 30 minutos, quando interceptou um cruzamento na área. Na segunda etapa, porém, ele não conseguiu parar o chute rasteiro de Rodrigo Lindoso, que decretou o empate no Recife.

Paraná Clube cai na armadilha do Corinthians e é goleado no reencontro da Vila com a Série A

Foram 10 anos de espera até o reencontro da Vila Capanema com a Série A. O torcedor do Paraná Clube lotou o estádio com mais de 16 mil pessoas, fez bonito, mas amargou um placar final de 4 a 0 para o Corinthians, na segunda rodada do Campeonato Brasileiro, neste domingo (22). O Tricolor até ensaiou uma pressão no início, tendo mais posse de bola, só que no meio da etapa, em dois minutos, viu o Timão matar o jogo fazendo 2 a 0 e completar a festa no segundo tempo somando mais dois gols.

O Paraná iniciou o jogo tentando uma pressão em cima do visitante. Com o apoio da torcida, aos dois minutos, chegou com Mansur, que caiu dentro da área, pediu pênalti, mas o árbitro mandou o jogo seguir.

O primeiro momento de perigo aconteceu aos seis minutos. Jadson foi empurrado por Silvinho por trás, o juiz marcou a falta quase na entrada da área. Mas ao cobrar, o meia do Timão bateu na barreira e desperdiçou.

O Tricolor respondeu aos nove. Jonny Lucas avançou na velocidade e meteu uma bomba de fora da área. A bola passou rasteiro quase tirando tinta da trave esquerda de Cássio.

A equipe paranista ainda chegou com Silvinho e também com Raphael Alemão, que dentro da área deu um chapéu em Balbuena e, sem deixar a bola cair, chutou cruzado quase marcando um golaço.

Mas aos 25, o balde de água fria, Jadson tocou para Sidcley, que passou para Mateus Vital e avançou para receber novamente dentro da área. O lateral viu Rodriguinho chegando e cruzou rasteiro, o meia só empurrou para meta de Richard.

Sem tempo para comemorar, no minuto seguinte, o Timão ampliou. Dessa vez, Sidcley recebeu de Rodriguinho na meia cancha, disparou na jogada individual, encarou a marcação paranista, driblou, invadiu a área e bateu rasteiro à queima roupa, sem chance para Richard.

O Paraná sentiu os gols e apagou em campo. Toda pressão aplicada no início da partida pareceu esquecida. Tanto que, aos 41, o visitante quase ampliou. Jadson lançou para Rodriguinho e, na entrada da área, o meia tentou encobrir Richard, mas a bola passou por cima da meta.

Aos 43, o Paraná ainda tentou com Caio Henrique, que recebeu pelo meio, chutou na entrada da área, porém Cássio fez boa defesa.

No segundo tempo, o técnico Rogério Micale precisou substituir Richard pelo estreante Luis Carlos, após o goleiro sentir uma lesão na coxa. O Paraná Clube até ensaiou voltar a pressionar, mas não conseguiu ser efetivo.

Aos 12, depois de um escanteio, Romero subiu alto e cabeceou para fora, assustando a meta tricolor. O Paraná deu a resposta pouco depois. Alemão recebeu pela direita e encheu o pé, a bola desviou em Sidcley e tocou na rede pelo lado de fora.

No Corinthians, Carille apostou na entrada de Clayson, que de cara fez uma lambança. Foi cobrar escanteio, tocou com um pé no outro e caiu. Mas se redimiu cinco minutos depois. Aos 34, Fagner recebeu de Romero e cruzou. Clayson, na pequena área, sozinho balançou as redes.

Só que não parava por aí. Aos 40 virou goleada. Clayson recebeu pelo lado esquerdo, pedalou, invadiu a área e rolou para trás. Gabriel dominou e chutou rasteiro para fazer 4 a 0.

Pouco depois, Mansur quase fez o gol de honra. Chegou pelo lado esquerdo, cortou para o meio e chutou cruzado. Mas Cássio se esticou e defendeu.

A torcida entoou palavras de ordem contra a diretoria e a gerência de futebol. Mas terminou o jogo cantando alto e apoiando o time até o último segundo.

COMO FICA

Na próxima rodada, o Paraná recebe o Sport, às 16h (de Brasília), no domingo (29). Enquanto o Corinthians visita o Atlético-MG, no mesmo dia e horário, no Independência.

Você pode conferir a classificação da Série A clicando no link.

 

Bahia vence o Santos em Salvador com gol no último minuto

Com gol no último lance do jogo, o Bahia venceu o Santos por 1 a 0 neste sábado (21), na Arena Fonte Nova, em Salvador. O Santos volta a entrar em campo pelo Brasileirão somente no dia 6 de maio, quando visita o Grêmio em Porto Alegre. Antes disso, o Alvinegro tem dois compromissos pela Libertadores -contra o Estudiantes-ARG, na terça-feira (24), e Nacional-URU, no dia 1º de maio. Já o Bahia recebe o Atlético-PR na próxima rodada.
Jogando em casa, o Bahia começou o jogo em ritmo acelerado e aplicou uma blitz no adversário durante a primeira etapa . Por muito pouco não abriu o placar logo no início. Em menos de dez minutos, já haviam sido cinco finalizações do time baiano -e nenhuma do Santos. A melhor delas aconteceu aos oito minutos, quando Edigar Junio aproveitou rebote de Vanderlei e carimbou a trave. Antes disso, a arbitragem já havia anulado um gol de Marco Antônio, que cometeu falta em Alisson na disputa do lance.
Foi só aos 22 minutos da etapa inicial que o Santos escapou da pressão do adversário e conseguiu a primeira finalização, com bastante perigo. Rodrygo partiu em velocidade pela esquerda, tabelou com Gabigol e bateu cruzado. A bola passou perto da meta de Douglas.
Apesar da falta de gols, não faltou disposição para as duas equipes ao longo do jogo. Aos 37 minutos do primeiro tempo, a vontade das duas equipes quase passou do ponto: Douglas se chocou com Alisson em disputa de bola pelo alto e, na sequência, os dois acabaram se estranhando.
O Bahia manteve o ímpeto no segundo tempo e foi graças a Vanderlei que o Santos sustentou o empate até os 48 minutos. Mas aos 49 minutos, o após cobrança de escanteio, Elton desviou de calcanhar e Júnior Brumado ficou livre para marcar para o Bahia no final.