Bolsonaro assiste jogo ao lado de Moro e entrega medalhas aos jogadores

O presidente Jair Bolsonaro esteve no Maracanã para acompanhar o título do Brasil na Copa América 2019. Após acompanhar a partida ao lado dos ministros Sergio Moro, da Justiça, e Paulo Guedes, da Economia, ele entrou no gramado ao término do jogo. Por fim, foi responsável por distribuir as medalhas de ouro aos jogadores.

Bolsonaro saiu de Brasília após o almoço e chegou ao Maracanã por volta das 15h30. Ele viu a apresentação de Anitta na cerimônia de encerramento do torneio. Para fechar, só saiu da tribuna de honra, muito escoltado, momentos antes do apito final.

Ao entrar no gramado , escutou uma sonora vaia das arquibancadas. Porém, aos poucos, as palmas se igualaram. Por fim, ainda conseguiu ouvir alguns gritos de “mito”. Na sexta-feira (5), ele tinha dito que iria medir a própria popularidade e a de Moro durante o jogo. “O povo vai dizer se estamos certos ou não”, declarou o presidente.

PÉ QUENTE

Foi a terceira vez que ele foi à competição. Bolsonaro esteve presente na estreia (vitória por 3 a 0 sobre a Bolívia) e na semifinal. Inclusive, no triunfo por 2 a 0 sobre a Argentina, o presidente foi ao campo para dar uma volta olímpica. Entretanto, não completou o ato pela falta de tempo.

bolsonaro
Foto: Wesley Santos/PressDigitall/AGB

Craque da Copa América, Daniel Alves conquista o 40.º título da carreira

Daniel Alves foi eleito o melhor jogador da Copa América 2019 e segue sendo o jogador que mais vezes foi campeão do planeta. Com a taça, o lateral direito alcançou a marca de 40 troféus conquistados. De quebra, ele também recebeu o prêmio de fair play da competição.

No entanto, essa conquista teve um sabor especial: com a ausência de Neymar, o camisa 2 foi o capitão da equipe. Ou seja, acabou levantando a taça no final.

Aos 36 anos, o jogador está sem clube. Pelo Instagram, ele anunciou sua saída do PSG durante a Copa América. Pelo clube francês, ele fez 32 partidas na última temporada. Ou seja, preparo físico não falta.

Além disso, é notório que Dani Alves mantém seu alto nível. Com a camisa amarelinha, teve uma das melhores exibições da sua carreira contra a Argentina. A Copa América feita por ele o credencia para atuar em qualquer clube do mundo.

Por fim, caso ele seja convocado para 2022, Daniel Alves será o jogador mais velho a defender o Brasil em uma Copa do Mundo. O Mundial será disputado no Catar durante os meses de novembro e dezembro.

Fortaleza

Fortaleza é campeão da Copa do Nordeste e chega ao 3º título com Ceni

O Fortaleza é o campeão da Copa do Nordeste. A equipe cearense voltou a superar o Botafogo-PB por 1 a 0 nesta quarta-feira (29), mesmo placar da partida de ida, em casa, e comemorou o seu primeiro título do torneio, no estádio Almeidão, em João Pessoa.

O gol da vitória saiu ainda aos 3min do primeiro tempo, em lance de oportunismo de Wellington Paulista, após falha da zaga adversária.

Atrás do placar, os donos da casa se lançaram mais ao ataque no restante da primeira etapa, mas não conseguiram empatar o jogo. O goleiro Marcelo Boeck chegou a fazer grande defesa após forte chute de Marcos Aurélio.

No segundo tempo, o Botafogo foi ainda mais ofensivo, mas, de novo, parou em boas participações de Boeck.

A etapa final também ficou marcada por confusão nas arquibancadas, com uma briga entre torcedores do Fortaleza e policiais, além de fogos de artifício lançados pela torcida do Botafogo. Alguns torcedores precisaram de atendimento médico.

A conquista do torneio regional é a terceira do Fortaleza sob o comando de Rogério Ceni, há 18 meses no clube.

Antes, já havia sido campeão da edição passada da Série B do Brasileiro e do Campeonato Cearense deste ano.

LEIA TAMBÉM:

O Coritiba foi campeão brasileiro há 34 anos

.

Veja no vídeo abaixo um fato histórico do futebol paranaense. Em 1985 o Coritiba foi campeão brasileiro. Foi a primeira vez que um time do estado conquistou o título. E se você se interessa pelo tema,  clique aqui para abrir o grupo “Memória do Futebol no Brasil”. E aqui está o grupo “Futebol Paranaense Memória”. Ao abrir a página clique em “participar do grupo”.

 

.

.

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa outra coluna, “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

Messi sai do banco e marca para dar título do Campeonato Espanhol ao Barcelona

O argentino Lionel Messi precisou sair do banco de reservas para ajudar o Barcelona a conquistar seu 26º título do Campeonato Espanhol, neste sábado (27). A equipe catalã garantiu o troféu diante do Levante, no Camp Nou, com uma vitória por 1 a 0, gol do camisa 10.

Com três rodadas a serem disputadas, o Barcelona atingiu 83 pontos e poderia ser alcançado pelo Atlético de Madri, mas a equipe madrilena continuaria na segunda colocação pelo confronto direto, primeiro critério de desempate. O Real Madrid, recordista de títulos do Espanhol, com 33 conquistas, ocupa a terceira colocação da tabela.

Messi passou o primeiro tempo da partida no banco, para não se desgastar antes do jogo de ida das semifinais da Champions League, contra o Liverpool, partida que acontece na quarta-feira (1º).

Após substituir Philippe Coutinho no intervalo, o argentino decidiu a partida aos 16 minutos. Messi aproveitou passe de cabeça de Vidal, cortou Rober e chutou de esquerda no canto do gol.

Esse foi o 10º título de Messi com o Barcelona no Espanhol. O time catalão venceu 4 das últimas 5 edições do campeonato.

PSG é campeão francês com volta de Neymar, gols de Mbappé e homenagens à Notre-Dame

A festa foi completa neste domingo (21) no Parque dos Príncipes. Neymar voltou aos gramados depois de praticamente três meses afastado, entrou no começo do segundo tempo e agitou a partida, e o Paris Saint-Germain celebrou o título do Campeonato Francês com vitória por 3 a 1 diante do Monaco.

Mbappé marcou os três gols da equipe da casa, enquanto Golovin diminuiu para os visitantes no jogo válido pela 33ª rodada da competição.

Mbappé comemora um dos seus gols. Foto: Divulgação / PSG

A conquista do título francês foi alcançada antes mesmo dos comandados de Thomas Tuchel entrarem em campo. Com o empate do vice-líder Lille com o Toulouse por 0 a 0 nesta manhã, o Paris Saint-Germain garantiu o oitavo troféu da competição com cinco rodadas de antecedência. Com o triunfo de hoje, a equipe de Paris chegou aos 84 pontos.

O retorno de Neymar, que foi ovacionado na hora que o estádio anunciou sua entrada, foi positivo. Apesar de não brilhar, o craque se movimentou bastante e deu uma assistência para um gol, mal anulado.

O astro brasileiro não jogava há quase três meses. A última partida que Neymar havia participado foi no dia 23 de janeiro, quando fraturou o quinto metatarso do pé direito, lesão semelhante à vivida antes da Copa do Mundo da Rússia.

Como antecipado pelo próprio PSG, homenagens foram feitas à Notre-Dame.

Ambas as equipes entraram em campo com camisas personalizadas, com um desenho da catedral. Um bombeiro, que trabalhou para conter o incêndio do local na última semana, deu um pontapé simbólico para o jogo.

Foto: Divulgação / Twitter PSG

Corinthians bate São Paulo por 2 a 1 e é campeão paulista pela 30ª vez

A vitória, por 2 a 1, sobre o São Paulo garantiu o 30º de Campeonato Paulista ao Corinthians, neste domingo (21). É o terceiro título seguido da equipe, todos sob o comando de Fábio Carille.

Danilo Avelar e Vagner Love marcaram os gols do campeão. Antony fez para o São Paulo.

Maior vencedor do Paulista, o Corinthians clube chegou a 30 troféus, três deles nos últimos três anos. Atrás do time alvinegro estão Palmeiras e Santos, com 22 títulos cada um.

Derrotada, a equipe tricolor perdeu a chance de se igualar a Palmeiras e Santos na segunda posição.

Ao conquistar o tricampeonato paulista pelo Corinthians neste domingo (21), Fábio Carille, 45, repetiu um feito que só havia acontecido uma vez na história do clube, há 95 anos.

Em 1924, o time alvinegro conquistou a sua primeira série de três títulos estaduais seguidos, todos sob o comando do mesmo treinador, Guido Giacominelli.

Campeão paulista em 2017 e 2018, Fábio Carille voltou ao Parque São Jorge nesta temporada tendo justamente esse como um de seus objetivos.

“É mais uma responsabilidade”, disse o treinador, no fim do ano passado, ao desembarcar em São Paulo para assumir a equipe, após trabalhar no futebol da Arábia Saudita.

Das três conquistas de Carille, a deste ano tem um valor simbólico maior para o técnico. Não só por igualar a marca de Giacominelli, mas também por afastar a sombra do trabalho que ele mesmo fez no clube em sua primeira passagem.

Bicampeão paulista e campeão brasileiro, o comandante chegou neste ano com o desafio de corresponder à alta expectativa que o torcedor corintiano depositou nele por seu histórico.

Estádio: Itaquerão, em São Paulo (SP)
Público/renda: 46.481 pagantes / R$ 5.014884,00
Juiz: Raphael Claus
Assistentes: Danilo Ricardo Simon Manis e Marcelo Carvalho Van Gasse
Cartões amarelos: Fagner, Ramiro e Clayson (COR); Reinaldo (SAO)
Gols: Danilo Avelar (COR), aos 31min do 1º tempo; Anthony (SAO), aos 47min do 1º tempo; Vagner Love (COR), aos 44min do 2º tempo

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Henrique (Pedro Henrique), Manoel e Danilo Avelar; Ralf; Ramiro, Sornoza, Clayson e Pedrinho (Vagner Love); Gustavo (Boselli). T.: Fábio Carille

SÃO PAULO
Volpi; Hudson, Arboleda, Bruno Peres e Reinaldo; Jucilei (Léo), Luan e Igor Gomes; Everton (Everton), Antony e Everton Felipe (Hernanes). T.: Cuca

Flamengo é campeão carioca sobre o Vasco e mantém tabu de 31 anos

E a história se repetiu mais uma vez. Confirmando o favoritismo que carregava pela superioridade técnica e também pela vitória por 2 a 0 no primeiro jogo da final, no estádio Nilton Santos, o Flamengo venceu o Vasco por 2 a 0,neste domingo (21) – com gols de Willian Arão e Vitinho – sagrou-se campeão carioca e manteve o longo tabu de 31 anos sem perder para o rival em decisões.

O título foi o primeiro com o Rubro-Negro sendo o gestor do Maracanã, que estava com uma ampla maioria de rubro-negros.

O elenco, porém, terá pouco tempo para comemorar, já que a delegação viaja para Quito (EQU) logo após o almoço de amanhã visando o importante compromisso desta quarta-feira (24), contra a LDU, que pode selar a classificação do Flamengo na Copa Libertadores.

]O clássico entre Flamengo e Vasco foi bem mais equilibrado que o de domingo passado, quando o Rubro-Negro venceu no estádio Nilton Santos com extrema facilidade por 2 a 0. O Cruzmaltino apresentou uma postura mais corajosa, se lançou ao ataque e criou oportunidades de gol. O time da Gávea, porém, mais uma vez demonstrou superioridade técnica.

O gol do Flamengo surgiu após um impedimento de Gabigol não marcado pela arbitragem. Na sequência da jogada, atacante sofreu falta. Na cobrança, Arrascaeta cruzou e encontrou Willian Arão, que cabeceou para o fundo da rede.

Após o gol, o Vasco pareceu sentir o baque e o Flamengo passou a chegar como queria no ataque diante de uma defesa cruzmaltina desarrumada e assustada. Por pouco o Rubro-Negro não ampliou.

O Vasco teve ao menos três boas oportunidades para empatar. A primeira com Pikachu, que chutou e Renê tirou quase em cima da linha. Em seguida, Lucas Mineiro chutou mal, da altura da marca do pênalti, após um bom passe de Lucas Santos. E o lateral esquerdo Danilo Barcelos também chegou atrasado em uma bola cruzada que levou perigo.

Aos 37 minutos do segundo tempo, Diego deu bela enfiada para Vitinho, que em velocidade sai na cara de Fernando Miguel e, com categoria, chutou para o fundo do gol, fechando o caixão e decretando o 2 a 0.

FLAMENGO

Diego Alves, Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Cuéllar, Willian Arão, Diego, Éverton Ribeiro (Lincoln) e Arrascaeta (Vitinho); Gabigol (Ronaldo)
T.: Abel Braga

VASCO

Fernando Miguel, Raul Cáceres (Bruno Cesar), Werley, Leandro Castan e Danilo Barcelos; Raul, Lucas Mineiro e Yago Pikachu; Lucas Santos (Maxi Lopez), Marrony e Yan Sasse (Ribamar)
T.: Alberto Valenti

Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Luiz Cláudio Regazone
Cartões amarelos: Diego, Gabigol (FLA); Leandro Castan, Danilo Barcelos, Werley, Raul, Marrony (VAS)
Cartões vermelhos: Werley (VAS)
Gols: Willian Arão, aos 15 minutos do primeiro tempo (FLA); Vitinho, aos 37 minutos do primeiro tempo (FLA)

Gabriel Medina é campeão mundial de surfe pela segunda vez

O brasileiro Gabriel Medina, 24, é bicampeão da Liga Mundial de Surfe. Nesta segunda (17), ele ficou com o título da temporada 2018 após avançar à final na etapa de Pipeline, Havaí, resultado de que precisava para não depender de ninguém.

O ápice da sua participação nos EUA foi nas quartas de final. Após sair 12 pontos atrás do americano Conner Coffin, ele emplacou uma onda nota 9.43 e outra que recebeu a pontuação máxima, 10, para passar à semifinal, quando superou o sul-africano Jordy Smith em nova bateria muito equilibrada.

Natural de São Sebastião, no litoral de São Paulo, Medina volta a conquistar a competição quatro anos após obter seu primeiro troféu.

Desde 2014, o paulista se mantém entre os melhores surfistas do mundo: ficou na terceira posição em 2015 -quando o também brasileiro Adriano de Souza, o Mineirinho, venceu-, e 2016. No ano passado, acabou com o vice-campeonato.

Em 2018, diferentemente do que havia acontecido nas temporadas anteriores, Medina teve como grande trunfo a regularidade. Ele chegou à decisão após vencer 2 das 10 etapas (Taiti e Califórnia), menos do que Italo Ferreira, que fechou o ano em quarto lugar após ganhar três eventos.

A diferença é que Medina teve um bom desempenho mesmo quando não triunfou. Antes de Pipeline, ele avançou às semifinais três vezes e parou nas quartas de final outras três. Seu pior resultado foi o 13º lugar na primeira etapa, realizada em março, na Austrália.

Medina, que começou a surfar aos 9 anos, acumulou feitos precoces na carreira. Aos 14, já participava da divisão de acesso da Liga Mundial. Em 2011, com 17, surpreendeu o mundo ao vencer duas etapas logo em sua estreia na elite.

Ele foi pioneiro ao conquistar o primeiro título de um brasileiro em 2014, aos 20 anos. Se o bicampeonato demorou mais do que muitos esperavam para virar realidade, Medina tem a expectativa de uma carreira longa, com tempo para ampliar seus feitos.

A lenda americana Kelly Slater, 11 vezes campeão mundial, ainda disputou três etapas nesta temporada, aos 46 anos. O último título dele foi aos 39.

Além de bicampeão, hoje o paulista é tratado pela Liga Mundial como o surfista com maior base de fãs e tornou-se um ícone da modalidade.

Antes da última etapa, ele recebeu mensagens de incentivo de nomes como Pelé, Neymar, Ronaldinho Gaúcho, Cesar Cielo e Gustavo Kuerten.

No Instagram, ele é seguido por 6 milhões de usuários, número superior à soma dos seguidores de Kelly Slater e do bicampeão John John Florence (2016 e 2017), maior rival de Medina nos últimos anos e que abandonou a temporada 2018 após uma lesão no joelho.

Nos pênaltis e com recorde de público, Athletico é campeão da Copa Sul-Americana

Pela primeira vez em sua história, o Athletico Paranaense é campeão da Copa Sul-Americana.

O título veio nesta quarta-feira (12), nos pênaltis – o empate por 1 a 1 (mesmo placar com o Junior Barranquilla persistir no tempo normal e na prorrogação. Pablo marcou no primeiro tempo, mas Teo Gutiérrez igualou pelos colombianos, que ainda perderam uma penalidade no tempo extra com Barrera. No final das contas, Thiago Heleno converteu a penalidade decisiva!

De quebra, a Arena da Baixada ainda teve seu recorde de público: 40. 263 pessoas. Antes, a marca era do rival Paraná, que contou com 39.416 pessoas para derrotar o Internacional por 1 a 0 pela Série B.

Esse é o primeiro título de expressão do Rubro-Negro desde a conquista do Campeonato Brasileiro de 2001. Vale lembrar que o clube bateu na trave e ficou com o vice da Libertadores em 2005 e da Copa do Brasil em 2013. Curiosamente, a equipe atleticana jogou o duelo decisivo fora de casa nas duas últimas decisões – no Beira-Rio contra o Internacional e no Maracanã contra o Flamengo, respectivamente.

Depois de uma atuação ruim no empate por 1 a 1 pelo jogo da ida, o Rubro-Negro voltou a atuar bem no primeiro tempo. O time atleticano pressionou nos minutos iniciais e chegou a arrematar três vezes em oito minutos. O Junior até equilibrou a partida, mas sofreu o primeiro gol aos 26 minutos. Pablo recebeu ótimo passe de Raphael Veiga e bateu firme para incendiar a Arena. O ritmo caiu depois do gol, mas a equipe ainda segurou a vantagem até o intervalo.

O Junior voltou decidido em buscar o empate e foi recompensado aos 12 minutos da etapa final. Barrera cobrou o escanteio, a bola foi desviada e Teo Gutiérrez completou para o fundo das redes. O Athletico tomou um susto logo no minuto seguinte: Léo Pereira vacilou na defesa e Díaz saiu na cara do gol, mas a bola saiu à esquerda da trave por um triz. O atacante apareceu de novo aos 19, exigindo boa defesa do goleiro Santos e, em seguida, Barrera ainda arrematou na rede pelo lado de fora.

Com o Junior melhor e com o Furacão sem assustar o rival, o duelo ficou extremamente tenso e se encaminhou para a prorrogação. Cansadas, as duas equipes produziram pouco no tempo extra. Porém, aos cinco minutos da etapa final, o goleiro Santos fez pênalti no atacante Yoni González. O que parecia uma tragédia se transformou em sorte e um gás extra. O meia Barrera bateu mal e mandou por cima do gol, ressuscitando o time atleticano na briga.

Na decisão por pênaltis, Gabriel Fuentes e Teo Gutiérrez erraram pelos visitantes e Renan Lodi perdeu a quarta cobrança rubro-negra. Porém, ele contou com a eficiência dos companheiros: Jonathan, Raphael Veiga, Bergson e Thiago Heleno converteram suas cobranças e deram o título ao Rubro-Negro.

Confira as imagens de Geraldo Bubniak desse dia histórico.