Flamengo é campeão carioca sobre o Vasco e mantém tabu de 31 anos

E a história se repetiu mais uma vez. Confirmando o favoritismo que carregava pela superioridade técnica e também pela vitória por 2 a 0 no primeiro jogo da final, no estádio Nilton Santos, o Flamengo venceu o Vasco por 2 a 0,neste domingo (21) – com gols de Willian Arão e Vitinho – sagrou-se campeão carioca e manteve o longo tabu de 31 anos sem perder para o rival em decisões.

O título foi o primeiro com o Rubro-Negro sendo o gestor do Maracanã, que estava com uma ampla maioria de rubro-negros.

O elenco, porém, terá pouco tempo para comemorar, já que a delegação viaja para Quito (EQU) logo após o almoço de amanhã visando o importante compromisso desta quarta-feira (24), contra a LDU, que pode selar a classificação do Flamengo na Copa Libertadores.

]O clássico entre Flamengo e Vasco foi bem mais equilibrado que o de domingo passado, quando o Rubro-Negro venceu no estádio Nilton Santos com extrema facilidade por 2 a 0. O Cruzmaltino apresentou uma postura mais corajosa, se lançou ao ataque e criou oportunidades de gol. O time da Gávea, porém, mais uma vez demonstrou superioridade técnica.

O gol do Flamengo surgiu após um impedimento de Gabigol não marcado pela arbitragem. Na sequência da jogada, atacante sofreu falta. Na cobrança, Arrascaeta cruzou e encontrou Willian Arão, que cabeceou para o fundo da rede.

Após o gol, o Vasco pareceu sentir o baque e o Flamengo passou a chegar como queria no ataque diante de uma defesa cruzmaltina desarrumada e assustada. Por pouco o Rubro-Negro não ampliou.

O Vasco teve ao menos três boas oportunidades para empatar. A primeira com Pikachu, que chutou e Renê tirou quase em cima da linha. Em seguida, Lucas Mineiro chutou mal, da altura da marca do pênalti, após um bom passe de Lucas Santos. E o lateral esquerdo Danilo Barcelos também chegou atrasado em uma bola cruzada que levou perigo.

Aos 37 minutos do segundo tempo, Diego deu bela enfiada para Vitinho, que em velocidade sai na cara de Fernando Miguel e, com categoria, chutou para o fundo do gol, fechando o caixão e decretando o 2 a 0.

FLAMENGO

Diego Alves, Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Cuéllar, Willian Arão, Diego, Éverton Ribeiro (Lincoln) e Arrascaeta (Vitinho); Gabigol (Ronaldo)
T.: Abel Braga

VASCO

Fernando Miguel, Raul Cáceres (Bruno Cesar), Werley, Leandro Castan e Danilo Barcelos; Raul, Lucas Mineiro e Yago Pikachu; Lucas Santos (Maxi Lopez), Marrony e Yan Sasse (Ribamar)
T.: Alberto Valenti

Árbitro: Rodrigo Carvalhaes de Miranda
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Corrêa e Luiz Cláudio Regazone
Cartões amarelos: Diego, Gabigol (FLA); Leandro Castan, Danilo Barcelos, Werley, Raul, Marrony (VAS)
Cartões vermelhos: Werley (VAS)
Gols: Willian Arão, aos 15 minutos do primeiro tempo (FLA); Vitinho, aos 37 minutos do primeiro tempo (FLA)

Bruno Henrique anota dois e Flamengo bate Vasco no primeiro jogo da final do Carioca

O Flamengo venceu o Vasco por 2 a 0 neste domingo (14), no Nilton Santos, e abriu boa vantagem na final do Campeonato Carioca. O resultado deve muito à grande atuação de Bruno Henrique, que marcou duas vezes e foi o principal jogador em campo.

No próximo domingo o Flamengo poderá até perder por um gol de diferença que ficará com o titulo. Caso o Vasco vença por dois gols, o campeonato será decidido nos pênaltis.

>>> Com gol no final, Toledo abre vantagem sobre o Athletico na final do Paranaense 2019

>>> Após 2 meses internado, última vítima de incêndio no Ninho deixa hospital

O técnico do Flamengo, Abel Braga, finalmente deu o braço a torcer e colocou Arrascaeta no time titular mesmo com todas as peças à disposição. Pior para Diego, que parou no banco de reservas. O uruguaio fez sua parte e mostrou bom futebol. Participativo, ele procurava dar velocidade e tornar o jogo mais dinâmico.

O Vasco, por outro lado, tinha como objetivo segurar o Flamengo. Se os primeiros minutos foram de toques de bola rápido e de futebol convincente, o Cruzmaltino tratou de equilibrar o duelo e manter o jogo preso no meio de campo. Fora uma chance com, Pikachu, a partida ficou bem feia e sem emoção.

Sumido do jogo, Maxi López mostrava estar melhor fisicamente. O argentino deu alguns piques em campo que não ocorriam há poucos dias. Apesar da melhora, o atacante não teve grandes participações no primeiro tempo. Ele apareceu bem em um contra-ataque que terminou nas mãos de Diego Alves.

No segundo tempo, Bruno Henrique foi novamente um dos grandes personagens do clássico. Ele levou um cartão amarelo e ficará de fora da finalíssima. O atacante, então, decidiu colocar seu nome na história da final e abriu o placar. Danilo Barcelos afastou mal e a bola sobrou para o rubro-negro chutar para o fundo das redes: 1 a 0.
Bruno Henrique poderia ter sentido o momento ao ter o gol anulado. Mas ocorreu justamente o contrário. O atacante não deixou a peteca cair e marcou o segundo dele e do Fla na sequência. Ele aproveitou bobeada na zaga e finalizou firme para vencer Fernando Miguel: 2 a 0.

VASCO
Fernando Miguel; Cáceres, Werley, Castán e Danilo; Lucas Mineiro, Raúl, Bruno César (Lucas Santos), Pikachu e Marrony (Yan Sasse); Maxi López (Tiago Reis)
T.: Alberto Valentim

FLAMENGO
Diego Alves, Pará, Léo Duarte, Rodrigo Caio e Renê; Cuellar, Willian Arão, Arrascaeta (Lincoln) e Everton Ribeiro (Diego); Gabigol (Vitinho) e Bruno Henrique
T.: Abel Braga

Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá
Auxiliares: Silbert Faria Sisquim e Thiago Henrique Neto Corrêa
Cartões amarelo: Lucas Mineiro (VAS) Bruno Henrique (FLA)
Gols: Bruno Henrique (FLA), aos 9 minutos, e, aos 34 minutos, do segundo tempo.

Produtor de feijão planta 14 variedades para conquistar mercado gourmet

Branco, preto, amarelo, vermelho rajado. Quem ouve falar da lavoura do produtor Roberto Gurski, em Palmeira, nos Campos Gerais, pensa logo em um arco-íris, tamanha a variedade de cores dos feijões cultivados. São 14 tipos no total, que vão desde os mais tradicionais, como o carioca, até os mais incomuns, como o feijão arroz, as favas e outros grãos, todos cultivados no sistema orgânico de produção.

Tamanha variedade tem explicação. De acordo com o Gurski, a produção foi calculada de forma a atender às demandas de feiras e restaurantes na região e também da capital paranaense. Dentre os compradores da produção orgânica estão o restaurante Girassol, localizado em Palmeira, voltada para a culinária paranaense, e o Quintana Gastronomia, de Curitiba, espaço que tem como filosofia a alimentação equilibrada, ambientalmente correta e que valoriza os produtores locais de alimento.

“Além do feijão, entregamos farinha de milho e verduras. Vamos ajustando nossa produção de acordo com a demanda. Quando se produz em pequena propriedade tem que ajustar assim”, explica o produtor, que destina cerca de 2,5 hectares para produção dos feijões e outros 2,5 para abrigar estufas e áreas para produção de frutas e hortaliças.

Segundo o produtor, o caminho para chegar neste modelo de negócio contou com a ajuda do SENAR-PR. Os cursos o auxiliaram tanto na parte técnica, quanto na gestão da propriedade. “Fiz cursos de olericultura, frutas, morango, gestão da propriedade. Todos ajudaram bastante”, afirma. “Se no futuro tiver algum curso de feijão aqui por perto, pretendo fazer também”, adianta.

Gurski conta que a chave para obter tantos tipos diferentes de feijão foram as feiras de sementes, eventos bastante tradicionais onde produtores compram, vendem e trocam sementes de variados tipos. “Este ano, na região de Palmeira, aconteceram três feiras, onde participaram gente de vários municípios e até de outros Estados”, conta.

Cultivar tantas variedades diferentes em um mesmo espaço não é algo que assuste o produtor. “O manejo varia um pouco de grão para grão. O [feijão do tipo] arroz e o azuki são mais complicados. O pé demora mais para produzir, não madura parelho, tem que arrancar deixar secar, mas também não é nada muito complicado”, afirma Gurski.

Leia mais no Boletim Informativo.00

Com a curadoria de Diogo Portugal, Risorama apresenta programação da 14ª edição

Com assessoria

Com atrações entre as mais disputadas do Festival de Curitiba, o Risorama já tem a grade de programação fechada para a sua 14ª edição. O evento simultâneo à Mostra vai transformar o ParkCultural em “QG do humor” durante os seis dias de apresentações.

Entre os convidados, que sobem ao palco entre 29 de março e 03 de abril, estão nomes como Rafael Portugal (Porta dos Fundos), Sérgio Mallandro, Evandro Santo (o Christian Pior) e Rafael Cortez (ex-CQC).

São mais de 30 humoristas, que apresentam esquetes de 13 minutos de humor espontâneo, personagens e improviso. A curadoria do Risorama mais uma vez é do comediante Diogo Portugal, que também vai subir ao palco para quatro apresentações.

“Meu ofício é fazer piada e estar sempre atualizado. No Risorama é como se eu estivesse dando uma grande festa na minha casa, que é Curitiba. Aqui recebo grandes amigos e isso inclui o público”, conta.

Como nas noites tradicionais de stand up comedy, o Risorama reproduz o clima dos bares.

“A opção, desde o início, foi um modelo original. Montamos um bar cenográfico, que é um grande comedy club. As pessoas já vão predispostas ao riso e o ambiente colabora, porque, além de assistir aos shows, o público pode confraternizar e reunir amigos nas mesas. Se fosse definir o Risorama, diria que é um show de rock de humor”, afirma Diogo Portugal.

Entre os mestres de cerimônia das noites do Risorama de 2017 estão os humoristas Danilo Gentili, Hermes e Renato, Carioca (Pânico) e Marco Luque.

As apresentações acontecem do dia 29 de março a 03 de abril, no ParkCultural, “casa” do Risorama desde 2008.

Na noite de abertura do Risorama, na quarta-feira, dia 29/3, apresentam-se Diogo Portugal, Gustavo Mendes, Mhel Marrer, Rafael Portugal e Rodrigo Capella.

Diogo Portugal é redator, ator e stand up comedian. Criador do Risorama, ele também é curador do Risadaria, festival de humor de São Paulo. É apresentador e criador do show “Fritada”, no canal Multishow.

Patrocinadores

O Festival de Curitiba conta com uma rede de parceiros imprescindíveis para sua realização.  O Festival de Teatro de Curitiba é apresentado pela Cielo e tem patrocínio de Copel, Sanepar, Renault, Petrobras e EBANX. O evento de dança Movva, em sua primeira edição, tem patrocínio de O Boticário.

Os eventos simultâneos – Guritiba, MishMash e Risorama  – também contam com parceiros que ano a ano contribuem para garantir a diversão e a cultura para diferentes plateias.

O Guritiba, voltado para o público infantil, é apresentado pela Parati e patrocinado pela Peróxidos do Brasil. O MishMash, com atrações para toda família, é apresentado por Unimed Curitiba, Worker e Grupo Servopa. O Risorama, espaço para o stand up comedy no Festival, é apresentado pelas empresas Potencial Petróleo, Aveo, Havan e Sesi. A bilheteria do Festival de Curitiba é uma parceria com o ParkShoppingBarigüi.

Ingressos

A venda dos ingressos será pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo do Festival (Festival de Curitiba 2017) e na bilheteria oficial do evento, no ParkShoppingBarigüi, com funcionamento das 11h às 23h, de segunda a sexta, no sábado, das 10h às 22h e, aos domingos, das 14h às 20h.

Nesta edição, o cliente tem a opção de não retirar o ingresso impresso na bilheteria: os ingressos comprados pelo site terão um QR Code, que será enviado ao celular do público e usado para a entrada nas peças e demais eventos do Festival.

Os ingressos para os espetáculos da Mostra custam entre R$ 40,00 e R$ 70,00 mais taxa administrativa (inteira). As apresentações que acontecem nas praças são gratuitas. II Curitiba Mostra e alguns eventos de rua também são gratuitos.

Os preços para os trabalhos do Fringe variam de gratuitos a R$ 60,00 (inteira), além da taxa administrativa.

O ingresso do MishMash custa R$ 40 (inteira) mais taxa administrativa.

O preço da entrada do Risorama é R$ 70 (inteira) mais taxa administrativa.

O Gastronomix, este ano, custa R$ 10 mais taxa administrativa.

O Guritiba custa R$50 (inteira) mais taxa administrativa.

As taxas administrativas variam de evento para evento.

Programação

29/3 (quarta-feira)

Diogo Portugal

Gustavo Mendes

Mhel Marrer

Rafael Portugal

Rodrigo Capella

30/3 (quinta-feira)

Dinho Machado

Gustavo Mendes

Marcelo Marrom

Rafael Cortez

Tesão Piá

MC: Hermes e Renato

31/03 (sexta-feira)

Diogo Portugal

Geraldo Magela

Léo Lins

Murilo Couto

Rey Biannchi

Mestre de cerimônia: Danilo Gentili

1/4 (sábado)

Hallorino Jr. (Carmo)

Diogo Portugal

Evandro Santo

Victor Sarro

“Dupla de Dois” (Rominho Braga e Lucas Salles)

Mestre de cerimônia: Marco Luque

2/4 (domingo)

Bem Ludmer

Diogo Portugal

Nil Agra

Rodrigo Marques

WMarcão

03/4 (segunda-feira)

Diogo Portugal

Guri de Uruguaiana

Maurício Meirelles

Miau Carraro

Sérgio Mallandro

Mestre de cerimônia: Márvio Lúcio (Carioca)

Serviço

14ª edição do Risorama

De 29/3 a 3/4

Abertura da casa: 18h30 (de segunda a sábado) e 17h30 (domingo)

ParkCultural (anexo ao Parkshopping Barigui – Rua Professor Pedro

Viriato Parigot de Souza, 600 – Mossunguê).

 

Serviço:

Risorama 2017

De 29/3 a 3/4

20h, de segunda a sábado; e 17h30 aos domingos.

ParkCultural (anexo ao ParkshoppingBarigui – Rua Professor Pedro

Viriato Parigot de Souza, 600 – Mossunguê).

Informações: http://festivaldecuritiba.com.br/risorama/