Chile - peru - amistoso

Em meio a protestos, jogadores chilenos se negam a jogar amistoso

A Federação Chilena de Futebol anunciou nesta quarta-feira (13) que os jogadores da seleção local decidiram não disputar o amistoso contra a seleção do Peru programado para ocorrer na próxima terça (19), em Lima, capital peruana.

Segundo comunicado da entidade, a decisão foi adotada pela equipe após uma reunião realizada na manhã desta quarta.

“O técnico da seleção, Reinaldo Rueda, liberou imediatamente todos os jogadores, que a partir de agora estarão disponíveis para seus respectivos clubes. A Federação Chilena de Futebol já comunicou a situação ao seu homólogo peruano”, disse, em nota.

No dia anterior, o volante da seleção chilena Charles Aránguiz já havia pedido publicamente o cancelamento do amistoso devido à crise vivida pelo Chile.

“Há um ambiente difícil e minha opinião é que não deveria ser jogado, para respeitar o que está acontecendo no país”, afirmou o jogador do Bayern Leverkusen.

Há quatro semanas, o Chile vive uma onda de protestos, alguns deles com finais violentos, incluindo mortes, saques e incêndios. Os atos começaram como crítica à alta da tarifa de metrô em Santiago, já revogada, e passaram a questionar a desigualdade social e o aumento do custo de vida no país.

Pelo menos 20 pessoas foram mortas até o momento, empresas sofreram bilhões de dólares em danos e o sistema de transporte público da capital chilena foi prejudicado –várias estações de metrô foram destruídas durante as manifestações.

psl eduardo bolsonaro dekegado waldir - chile - brasil - protestos

Eduardo Bolsonaro defende repressão se Brasil repetir protestos do Chile

O líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), defendeu nesta terça-feira (29) o uso da repressão policial caso o Brasil registre protestos como os que estão acontecendo no Chile por melhorias sociais e contra o alto custo de vida no país.

Em discurso no plenário da Casa, Eduardo acusou a esquerda de não ser democrática e de querer um terceiro turno das eleições. “Eles vão querer repetir no Brasil o que está acontecendo no Chile. O Chile é a referência da América Latina com relação à economia. A maior renda per capita da América Latina, a referência em Previdência”, afirmou.

Segundo o deputado, “essa galera está doida para voltar no poder para mamar de novo nas estatais, para mamar de novo nos fundos de pensão.”

“Não vamos deixar isso aí vir para cá. Se vier para cá, vai ter que se ver com a polícia. E se eles começarem a radicalizar do lado de lá, a gente vai ver a história se repetir. Aí é que eu quero ver como a banda vai tocar”, criticou, sem especificar a que acontecimento histórico se referia.

No discurso, Eduardo elogiou as reformas realizadas pelo economista José Piñera no Chile nos anos 1980, durante a ditadura de Augusto Pinochet, que, segundo o parlamentar, colocaram o país vizinho “num círculo virtuoso que, até hoje, mesmo quando entra uma esquerdista como a [ex-presidente Michelle] Bachelet no poder, ela não consegue alterar.”

Piñera é irmão do atual presidente do Chile, Sebástian Piñera, cujo modelo de governo tem sido questionado pela população. No último dia 25, um protesto no país reuniu 1,2 milhão de pessoas.

Inicialmente contrárias ao aumento de 3,75% na tarifa de metrô, as mobilizações debandaram para outras reivindicações e hoje representam o episódio social mais grave em quase três décadas no país, desde o final da ditadura de Pinochet, em 1990.

Mesmo com o cancelamento do reajuste, as mobilizações só cresceram. As demandas agora englobam melhoria no acesso à saúde e à educação, serviços privatizados e que consomem boa parte da renda dos chilenos. Ainda que o Chile seja uma das economias mais estáveis da América Latina, é ao mesmo tempo uma das mais desiguais da região.

No discurso, Eduardo também rebateu uma reportagem da revista IstoÉ que afirma que o parlamentar usou recursos do fundo partidário para pagar sua lua de mel. O deputado qualificou a matéria de “covardia” e disse que ainda está pagando as nove parcelas da viagem.

O líder do PSL disse ainda que entraria com uma ação contra o jornalista responsável pela reportagem e que vai convocá-lo para depor na CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) das fake news.

Eduardo aproveitou para criticar reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre disparos em massa realizados pela campanha de Jair Bolsonaro durante as eleições e, assim como seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, distorceu uma decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). “Ele [o presidente] foi absolvido agora, mas olha só, mais de um ano para ser absolvido”, disse.

Não houve, porém, qualquer decisão do TSE neste sentido. Na verdade, o relator da ação citada, o corregedor-geral de Justiça Eleitoral Jorge Mussi, negou pedidos de produção de prova feitos pelos advogados do ex-candidato presidencial Fernando Haddad (PT) e abriu prazo para as alegações finais de ambas as partes.

Depois dessa etapa, falta ainda manifestação do Ministério Público Eleitoral e só posteriormente o caso segue para o plenário do TSE –momento em que tanto Mussi quanto os demais ministros do tribunal eleitoral apresentarão os seus votos e haverá uma decisão da corte do tribunal sobre o tema.

Em uma série de reportagens desde outubro do ano passado, a Folha de S.Paulo revelou a contratação durante a campanha eleitoral de empresas de marketing que faziam envios maciços de mensagens políticas, usando de forma fraudulenta CPFs de idosos e até contratando agências estrangeiras.

Uma das reportagens noticiou que empresários apoiadores do então candidato Bolsonaro bancaram o disparo de mensagens em massa contra Haddad, que foi derrotado e também acabou multado pelo TSE pelo impulsionamento irregular de conteúdo desfavorável ao seu então adversário.

Presidente do Chile pede a ministros que coloquem cargos à disposição

Em meio à onda de protestos no Chile, o presidente Sebastián Piñera anunciou neste sábado (26), em comunicado na sede da presidência, em Santiago, ter pedido a todos os seus ministros que renunciem a seus respectivos cargos, para que um novo gabinete seja formado.

Em seu discurso no palácio La Moneda, transmitido pelas redes sociais, o mandatário chileno ainda afirmou que poderá encerrar neste domingo (27) o estado de emergência decretado na madrugada do sábado anterior (19), conforme os protestos no país se radicalizaram.

O toque de recolher no país foi suspenso. Os atos tiveram início devido a um aumento de 3,75% no valor da tarifa de metrô.

Piñera tentou voltar atrás e cancelar o reajuste, mas a medida não conteve os protestos, que ganharam novas reivindicações, com críticas ao sistema de aposentadoria, ao aumento da desigualdade e à falta de serviços públicos.

As manifestações chegaram ao oitavo dia nesta sexta-feira (25), em ato com mais de 1,2 milhão de pessoas na praça Itália, próxima ao palácio presidencial.

A marcha foi elogiada por Piñera em seu comunicado, que a classificou como “muito alegre e pacífica”.

O presidente chileno afirmou que irá apresentar ao Congresso medidas que, segundo ele, atendem à agenda social, com melhorias nas aposentadorias e estabilização do preço de serviços básicos. Ele ainda pediu um esforço conjunto da sociedade para que o país volte à normalidade.

Episódio social mais grave do Chile em 30 anos, desde o final da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), a onda de protestos deixou ao menos 18 mortos e 6.000 detidos.

Messi é expulso, mas Argentina fatura o terceiro lugar na Copa América

A Argentina foi superior e faturou o terceiro lugar da Copa América neste sábado (6). Na Arena Corinthians, os argentinos venceram o Chile por 2 a 1.

Messi foi expulso, mas isso não afetou a segurança argentina.

O JOGO 

O duelo começou bastante movimentado, mas a Argentina não demorou a mostrar superioridade. Aos 11, Messi cobrou falta, no meio-campo, e deixou Aguero cara a cara com o goleiro. O atacante driblou o arqueiro e abriu o placar.

Os argentinos seguiram com carga máxima, comandados por Messi. Aos 21, Dybala recebeu de Lo Celso, dominiu e mandou por cima do goleiro Arias.

Depois do gol o clima esquentou e os jogadores das duas equipes iniciaram uma confusão generalizada. Como resultado, Messi, pela Argentina, e Medel, pelo Chile, terminaram expulsos.

Foi o segundo cartão vemelho da carreira de Messi. Ele terá de cumprir suspensão no próximo jogo da Argentina em competições da Conmebol. Ou seja, nas Eliminatórias para a Copa de 2022, em março do ano que vem.

Sem o capitão, a Argentina viu o árbitro assinalar pênalti para o Chile aos 11 do segundo tempo. Vidal foi para cobrança e diminuiu a diferença.

Os chilenos não empolgaram com o gol e pouco fizeram para mudar o placar.

 

 

 

Chile - peru - amistoso

Chile elimina a Colômbia nos pênaltis e vai à semifinal da Copa América

Nos pênaltis, o Chile venceu a Colômbia por 5 a 4, após o empate por 0 a 0 no tempo normal, e está na semifinal da Copa América 2019.

James Rodríguez, Cardona, Cuadrado, Mina marcaram pelos colombianos, mas Tesillo desperdiçou a última cobrança. Do outro lado, Vidal, Vargas, Pulgar, Aránguiz e Sánchez acertaram pelos chilenos.

A cobrança mais tensa foi a de Mina. O ex-zagueiro do Palmeiras foi muito vaiado e acabou acertando o ângulo. No final das contas, foi Tesillo quem errou a cobrança decisiva.

Durante o tempo normal, La Roja havia marcado duas vezes. No entanto, o VAR entrou no caminho dos chilenos e anulou os gols de Aránguiz e Vidal.

44.062 pessoas (41.692 pagantes e 2.370 não pagantes) acompanharam o duelo desta sexta-feira (28) em Itaquera. Além disso, a renda foi de R$ 8.971.600,00

Agora o Chile fica no aguardo do vencedor entre Uruguai x Peru. As seleções se enfrentam neste sábado (29), às 16h, na Arena Fonte Nova, em Salvador.

EFEITO VAR

O jogo começou em um ritmo alucinante das duas equipes. James Rodríguez carimbou a barreira na cobrança de falta, mas viu Ospina fazer linda defesa na cabeçada de Aránguiz.

O meio campista balançou as redes aos 15 minutos. No entanto, o árbitro de vídeo (VAR) anulou o gol chileno por impedimento na origem da jogada – o que incendiou a torcida colombiana.

A intensidade acabou caindo, mas a garra não. Mina se estranhou com Alexis Sánchez antes de Vidal chutar com muito perigo ao gol colombiano.

Na etapa final, Sánchez teve a primeira grande chance. O camisa 7 ganhou da marcação na velocidade, mas acabou chutando pela linha de fundo.

Aos 25, Vidal bateu no canto do gol para fazer a festa do Chile. Porém, mais uma vez, o VAR entrou no caminho da La Roja. O árbitro de vídeo pegou um toque no braço do zagueiro Maripán antes da finalização certeira.

Chile

Chile demora duas horas para chegar ao estádio e semifinal atrasa

Chile x Colômbia, duelo válido pelas quartas de final da Copa América 2019, estava marcado para às 20h. Entretanto, o jogo começou com 20 minutos de atraso porque a seleção chilena demorou duas horas para chegar à Arena Corinthians.

A delegação do Chile saiu do hotel na região do Morumbi pouco depois das 17h, mas sofreu com o trânsito de São Paulo. O ônibus teve dificuldades na locomoção à zona leste da capital paulista. Por isso, comissão técnica e jogadores só chegaram ao estádio do Corinthians por volta das 19h20.

Os jogadores da Colômbia entraram em campo para o trabalho de aquecimento às 19h15, mas acabaram voltando aos vestiários. Depois disso, os colombianos voltaram a aquecer ao gramado. As duas seleções foram ao vestiário às 20h e deram início ao protocolo oficial às 20h10.

Colômbia treinou no gramado sozinha. Foto: Vinicius Cordeiro

ESCALAÇÕES

Colômbia: Ospina; John Medina, Mina, Sánchez e Tesillo; Barrios e Uribe; Cuadrado, James Rodríguez e Roger Martínez; Falcao Garcia.

Chile: Arias; Isla, Medel, Maripán e Beausejour; Pulgar, Aránguiz, Vidal e Fuenzalida; Vargas e Alexis Sánchez.

O vencedor da partida espera para saber seu próximo adversário. Uruguai e Peru se enfrentam neste sábado (29), às 16h, na Arena Fonte Nova, em Salvador.

Chile vence Equador e garante vaga nas quartas da Copa América

O Chile está classificado para as quartas de final da Copa América. A Seleção Chilena venceu o Equador, por 2 a 1, nesta sexta-feira (24), na Arena Fonte Nova, em Salvador,  na segunda rodada e garantiu a classificação antecipada no torneio.

Com seis pontos, a equipe chilena agora depende de um empate para ser o primeiro do grupo. Enquanto os equatorianos vivem situação complicada na última posição, sem pontuar.

O próximo adversário do Chile é o Uruguai, na segunda-feira (24), às 20h. Já o Equador encara o Japão na mesma data e horário.

O JOGO

Os chilenos iniciaram o duelo com todo o gás e não demoraram para abrir o placar. Aos sete minutos, após escanteio cobrado da esquerda, a zaga do Equador tentou afastar, mas Fuenzalida, no rebote, mandou um bonito chute para balançar as redes.

Mesmo assim, a equipe equatoriana não se deixou assustar e buscou o empate aos 25 minutos. O goleiro Arias fez pênalti em Méndez. Enner Valencia foi para cobrança e deixou tudo igual.

A partida seguiu truncada no restante da primeira etapa.

Na volta do intervalo, o Chile voltou no mesmo ritmo do início do jogo. Aos cinco, Aránguiz cruzou na área. Sánchez, oportunista, pegou de primeira e acertou o canto esquerdo do goleiro Domínguez.

A equipe chilena seguiu controlando as ações. Arriscou com Pulgar e com Vargas. Do outro lado, o Equador tinha pouco poder de reação.

O confronto foi ficando mais pegado e o juiz foi distribuindo cartões. Primeiro foi um festival de cartões amarelos. Depois, aos 44, o equatoriano Achilier foi expulso por cometer falta em Vidal. O zagueiro deixou o cotovelo no rosto do chileno e levou cartão vermelho direto.

 

Família catarinense que morreu no Chile viajava para comemorar aniversário da filha

A família dos seis turistas brasileiros encontrados mortos em um apartamento no Chile havia viajado para Santiago para comemorar o aniversário de Karoliny Nascimento de Souza, uma das vítimas, que faria 15 anos nesta sexta-feira (24).

Além de Karoliny, também morreram seu pai, Fabiano de Souza, 41; sua mãe, Débora Muniz Nascimento de Souza, 38; seu irmão Felipe Nascimento de Souza, 13; e seus tios Jonathas Nascimento, 30, e Adriane Kruger, 27. Jonathas era irmão de Débora.

Familiares identificaram as vítimas na manhã desta quinta-feira (23). Ainda não há informações sobre data e local do velório e sepultamento dos corpos. A prefeitura de Biguaçu, na Grande Florianópolis (SC), onde viviam quatro das seis vítimas, afirmou que há planos para um velório coletivo.

Os pais dos dois adolescentes moravam no Balneário de São Miguel em Biguaçu. Jonathas também era catarinense, mas vivia em Hortolândia (a 97 km de São Paulo), na região de Campinas.
Em Hortolândia, Jonathas era funcionário do departamento pessoal do Iatec (Instituto Adventista de Tecnologia). A empresa atende exclusivamente a rede de igrejas adventistas com consultoria, suporte e manutenção de sistemas de informática.

Em nota, o Iatec lamentou o ocorrido e informou que Jonathas estava em período de férias. “O Iatec está oferecendo todo apoio aos familiares neste momento difícil e de profundo pesar”, disse.
Apaixonada por educação, Débora se formou em Pedagogia na Universidade do Vale do Itajaí, em 2012. Ela lecionava para os alunos de uma escola de Florianópolis, onde era coordenadora pedagógica. Fabiano trabalhava como autônomo e prestava serviços para o setor pesqueiro.

“A Débora conversou conosco e liberamos o Felipe das aulas [para a viagem]. Ele tinha ótimas notas. Sabíamos que a viagem era importante porque era um presente de 15 anos para a Karoliny”, diz Grasiela Monteiro Epping, diretora da escola Professor José Brasilício, onde Felipe cursava o 9º ano do Ensino Fundamental.

“Felipe era brincalhão, conhecido na escola como Felipinho porque era o menor da turma, o nosso chaveirinho. A Karoliny era mais tímida e mesmo assim tinha amizade com todo mundo. Eles eram crianças extremamente doces. Alunos exemplares”, diz Epping.

Os tios dos adolescentes, Adriane e Jonathas, adoravam viajar e foram acompanhar a família para comemorar o aniversário da sobrinha (Karoliny) no Chile. Adriane era natural de Alta Floresta, no Mato Grosso. Ela era a caçula entre quatro irmãos e tinha o apelido de Tuca. Ainda jovem, saiu da cidade natal para estudar.

“Ela era muito tímida, prestativa, meiga e doce. A simplicidade estava dentro dela”, diz a amiga de infância Cibele Garjoso. Em Blumenau (SC), se formou em Engenharia e se casou com Jonathas, que também morreu na tragédia.

“Eram pessoas maravilhosas, queridas por onde passavam. Jovens que estavam em plena vida, lutando e correndo atrás”, diz a prima de Jonathas, Noemi Fortunato Nascimento.

Os corpos foram encontrados na tarde de quarta-feira (22) em um apartamento em Santiago. Os turistas estavam a passeio no país havia cerca de uma semana, e se hospedavam em um imóvel reservado pelo site de locações Airbnb. O edifício fica na esquina das ruas Santo Domingo e Mosqueto, na região conhecida como Bellas Artes, centro da cidade.

A tragédia foi antecedida por outra perda familiar: a mãe de Jonathas e Débora, que tinha câncer, morreu em Florianópolis na terça-feira. Iete Isabel Muniz foi cremada na manhã desta quinta-feira em Palhoça, na Grande Florianópolis. A família já tinha sido informada e planejava antecipar o retorno para estar presente no velório.

Familiares no Brasil dizem que as mortes foram causadas por vazamento de gás -mesma suspeita da polícia chilena. O comandante da polícia do país, Rodrigo Soto, disse ao jornal El Mercurio que os policiais encontraram um forte cheiro do gás quando entraram no apartamento.

Os bombeiros, porém, testaram o ar dentro do apartamento e encontraram altas concentrações de monóxido de carbono, um gás incolor e inodoro cuja inalação pode levar à morte. Ao todo, 25 bombeiros chilenos participaram da ocorrência -eles fazem a perícia para comprovar o vazamento. Trabalham com três hipóteses: o gás pode ter vazado do aquecedor de água, do aquecedor geral ou do gás de cozinha.

Autoridades chilenas ainda não identificaram a causa do vazamento do gás nem seu local exato. Tampouco se sabe por quanto tempo os brasileiros foram expostos a ele. As janelas do apartamento, que fica no sexto andar, estavam fechadas. Pelas condições que foram encontrados os corpos, presume-se que a intoxicação aconteceu muito tempo antes.

O site do jornal local La Hora noticiou que a noite de terça (20) foi a mais fria registrada no país: as temperaturas chegaram a -1ºC na região central de Santiago. Isso, supostamente, justificaria a necessidade de se fechar as janelas e ligar a calefação.

A informação está de acordo com as médias registradas pelo site de medição de temperatura Weather.com, segundo o qual os dias 21 e 22 de maio foram os mais frios do mês na capital chilena.
O investigador chileno Carlos Albornoz disse ao jornal El Mercurio que e o apartamento onde estavam alocados fora alugado de uma pessoa que não seria a real proprietária do imóvel. “Tanto a proprietária do apartamento quanto a que o sublocava estão sujeitas a prestar depoimentos”, disse.

O Ministério das Relações Exteriores, por meio do Consulado-Geral do Brasil em Santiago, afirmou em nota que acompanha o caso, prestando assistência com a expedição de atestados de óbito e contato com autoridades locais. Afirma ainda que “não há previsão legal para o pagamento” do traslado dos corpos até o Brasil pelo Governo Federal.

No início da tarde de quinta (23), o Airbnb afirmou que pagará pelo translado dos corpos. O anúncio veio depois que a família dos turistas criou campanha para arrecadar fundos para esse fim.
O Airbnb possui um seguro para proteger danos aos imóveis e indenizar os proprietários se ocorrerem problemas. Em situações de acidentes com turistas, as situações são avaliadas caso a caso, segundo a assessoria de imprensa da empresa.

“Estamos profundamente consternados com este trágico incidente. Nós nos solidarizamos com os familiares e estamos em contato para prestar todo apoio necessário aos familiares neste momento difícil”, disse o aplicativo, em nota.

Seis brasileiros morrem por acidente de gás no Chile

O Itamaraty confirmou hoje que seis turistas brasileiros morreram nesta quarta-feira (22) em Santiago, Chile, por inalação de gás. Os turistas estavam de férias em um apartamento alugado no centro da cidade. Relatos preliminares acrescentam que as vítimas são quatro adultos e dois menores.

Segundo o Itamaraty, o Consulado do Brasil soube com antecedência que os brasileiros estavam passando mal e alertou as autoridades locais. Porém, eles já estavam mortos, quando os bombeiros e paramédicos chilenos chegaram ao apartamento.

Rodrigo Soto, oficial da Polícia de Santiago, confirmou que recebeu um telefonema do Consulado Brasileiro alertando sobre o problema com os brasileiros hospedados em um apartamento no sexto andar de um prédio da cidade. Segundo ele, a causa da morte ainda é “uma questão para investigação”. Acrescentou que “informações preliminares apontam para um vazamento de gás”.

O bombeiro Diego Velasquez também confirmou que, quando os socorristas chegaram ao local, os brasileiros já estavam mortos. “Ainda não confirmamos as identidades deles. Pelo que foi observado, esse acidente deveu-se à ação do monóxido de carbono”.

O Itamaraty também informou que os familiares dos brasileiros já foram comunicados sobre o ocorrido.

Bolsonaro e Piñera celebram novo bloco e esperam futura integração da Venezuela

Os presidentes do Brasil (Jair Bolsonaro) e do Chile (Sebastián Piñera) falaram da crise venezuelana, do acordo bilateral de livre-comércio e da reunião da COP, que ocorrerá em dezembro deste ano, em Santiago, nas declarações finais após a reunião bilateral deste sábado (23), no palácio de La Moneda (sede do governo chileno).

Piñera voltou a celebrar a criação do Prosul, uma vez que “havia mais de cinco anos que os países da região não se reuniam” e que este bloco “não será ideológico, nem burocrático e que apenas aceitará países democráticos e que respeitem os direitos humanos”.

Por conta disso, acrescentou, a Venezuela não tinha sido convidada, mas que os mandatários reunidos afirmaram que “esperam que o país logo possa se integrar, quando consiga superar essa ditadura que tem causado tanto sofrimento”.

Piñera lembrou que o Brasil é o principal parceiro comercial do Chile na região e lembrou anedotas do passado, quando o Barão de Rio Branco (1845-1912) interveio para diluir um problema diplomático entre Chile e EUA. Também que a poeta chilena Gabriela Mistral (1899-1957) estava no Brasil quando recebeu a notícia de que tinha ganhado o prêmio Nobel de Literatura, em 1945.
Sobre o acordo de livre-comércio que ambos os países vêm tratando de concretizar, disse que faria o possível para avançar em sua aprovação.

Já Bolsonaro afirmou que Piñera já parecia “um amigo de muitos anos” e que o admirava desde a crise da libertação dos mineiros, em 2010. Acrescentou que adorou ter vindo ao Chile, mencionando que foi bem acolhido ao passear num shopping-center no bairro nobre de Las Condes, na noite de sexta-feira (22).

Enquanto o presidente brasileiro falava, do lado de fora do palácio de La Moneda havia uma manifestação contra ele. Com cartazes que diziam “Bolsonaro misógino” e “Bolsonaro fascista”, as pessoas cantavam: “Bolso, escute, vá embora do Chile”.

O mandatário brasileiro disse que esta era sua terceira viagem ao exterior e que a primeira, ao Fórum de Davos, havia sido “um desafio”, por se tratar de um ambiente diferente daquele em que estava acostumado a conviver.

Disse que compartilhava com os EUA e os países da região a preocupação com a Venezuela. E que, em sua conversa com o norte-americano Donald Trump, falou do tema, mas “de forma reservada”.
Logo emendou que a “ideologia” tem sido também um dos fatores da “crise que vive o Brasil, com
o desdobramento da questão ideológica na mídia e nas escolas”.

Sobre a COP, Bolsonaro disse que enviaria representantes, porém que não podia se comprometer com assinatura de acordos que não sabia se seria possível cumprir.