seleção copa américa

Sem Messi, seleção da Copa América feita Conmebol tem cinco brasileiros

A seleção da Copa América 2019 foi divulgada pela Conmebol nesta terça-feira (9). Com cinco brasileiros e sem o argentino Lionel Messi, a equipe dos melhores foi montada no esquema 4-4-3.

No gol, Alisson foi o nome incontestável. O goleiro foi campeão da Liga dos Campeões pelo Liverpool e terminou a temporada conquistando o título do torneio de seleções.

Daniel Alves, craque da competição, assumiu o lado direito da defesa. A dupla de zaga foi formada por Thiago Silva e Giménez, do Uruguai. Para fechar, Trauco completou a linha defensiva pela esquerda.

No meio campo, Paredes, da Argentina, ficou com a vaga de volante. Arthur e Arturo Vidal, do Chile, preenchem a meia cancha. Ou seja, o Barcelona tem os dois melhores meio campistas da Copa América.

No ataque, James Rodríguez conseguiu a vaga da ponta direita mesmo tendo sido eliminado nas quartas de final.

Paolo Guerrero ficou com a camisa 9. O peruano chegou aos 14 gols e se tornou o quinto maior goleador da história da Copa América.

Por fim, o brasileiro Everton completou a seleção da Copa América. Eleito o melhor jogador da final, o atacante do Grêmio teve muito destaque pela amarelinha.

jesus

Artilheiro da ‘era Tite’, Jesus ressuscita na Copa América

Pode se dizer que o atacante Gabriel Jesus teve sua ressurreição na Copa América 2019. Ele não balançou as redes na Copa do Mundo da Rússia e acabou virando deboche de grande parte dos brasileiros. No Mundial do ano passado, ele acabou tendo o pior desempenho de um camisa 9 do Brasil em uma Copa do Mundo.

Entretanto, Tite continuou insistindo no jogador. No final das contas, viu seu comandado dar a volta por cima. Com ótimas atuações, Jesus foi decisivo na semifinal contra Argentina e na decisão diante o Peru.

“Estou muito feliz pelo título e por fazer parte desse grupo. Desde a primeira convocação com o professor Tite, pude fazer parte desse longo período. É satisfatório trabalhar com todos e agradecer a confiança”, comemorou.

Com 22 anos, Jesus é o artilheiro da “era Tite”. Desde que o técnico assumiu a seleção, em julho de 2016, o camisa 9 marcou 18 gols. Neymar, com 13, e Coutinho, 12, vem na sequência.

A meta agora é manter o status de titular na seleção. A dupla com Roberto Firmino funcionou e deve ser mantida por Tite – pelo menos até as Eliminatórias.

O que resta agora é ganhar mais espaço no Manchester City de Pep Guardiola. Ou até mesmo procurar um novo clube.

O problema na Inglaterra é a forte concorrência. O brasileiro vive na sombra do argentino Sergio Aguero, maior artilheiro da história dos Citizens.

seleção maracanã

Seleção principal do Brasil volta ao Maracanã após mais de 2 mil dias

A seleção brasileira principal volta ao Maracanã neste domingo (7) após 2.198 dias para lutar pelo título da Copa América 2019. A final contra o Peru está marcada para às 17h.

Vale lembrar que a última vez que o Brasil esteve no Rio de Janeiro foi em 2013. O triunfo por 3 a 0 sobre a Espanha (campeã mundial na época) selou o título da Copa das Confederações. Ao falar de equipe principal, exclui-se o título dos Jogos Olímpicos em 2016.

Entretanto, muita coisa mudou desde então. Felipão saiu daquela conquista e se acabou no 7 a 1. Dunga assumiu, mas seu desempenho nas Eliminatórias ia causando o maior vexame da história da seleção: ficar de fora de uma Copa do Mundo.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) mudou e acabou dando o cargo para o inquestionável (na época) Tite.

NÚMEROS

Hoje, o técnico brasileiro soma 41 jogos (32 vitórias, sete empates e duas derrotas) – um aproveitamento de 83,74%. Porém, mesmo com os bons números, Tite passou a ser cobrado.

Na semifinal contra a Argentina, Tite sofreu com vaias no Mineirão. Em São Paulo, onde o Brasil goleou os peruanos e bateu a Bolívia, também não viu apenas manifestações de apoio.

O título certamente dará tranquilidade. Mesmo com a informação de Juca Kfouri que, independente do resultado, Tite poderá deixar o cargo, a imagem do comandante será vitoriosa. A motivação seria o adeus da alguns integrantes da comissão técnica. Edu Gaspar assumirá a função de diretor no Arsenal, enquanto Sylvinho e Lázaro vão trabalhar ao Lyon, da França.

A verdade é que o revés para a Bélgica derrubou a popularidade de Tite. Ainda mais depois da ótima campanha nas Eliminatórias. E isso se passa muito por algumas “teimosias”, comum em todos os treinadores.

JOGADORES

Na Copa das Confederações em 2013, no Maracanã, Neymar e Fred marcaram os gols brasileiros. O primeiro, camisa 10 da seleção, ficou de fora da Copa América por lesão e negocia sua volta ao Barcelona. Sua saída deu tranquilidade à seleção para se falar de futebol após ser acusado de estupro.

Em contrapartida, Fred, jogador do Cruzeiro, não voltou mais a ser convocado após Mundial de 2014. Desde que Tite assumiu, a missão da camisa 9 ficou para Gabriel Jesus. O atacante não marcou um gol na Copa do Mundo da Rússia, mas desencantou nessa Copa América justamente contra a Argentina. Agora, a final contra o Peru pode cravar a superação do jogador com a camisa amarela.

didi

Craque no Brasil e herói no Peru, Didi morreu sem treinar seleção

Waldir Pereira, o Didi, definitivamente não sabia, mas o gol de falta que marcou diante do Peru, em 1957, no Maracanã, encaminharia os rumos da sua carreira.

Esse gol entrou para a história como a “folha seca”, um modo singular de cobrar faltas em que a bola, assim que encobria a barreira, caía repentinamente, ganhando velocidade e tirando dos goleiros tempo para reagir.

Graças a essa vitória, o Brasil assegurou a classificação à Copa do Mundo de 1958, na qual conquistaria seu primeiro título mundial. Didi, maestro do meio-campo brasileiro, foi considerado um dos melhores jogadores do torneio, que assistiu ao nascimento de Pelé para o grande cenário do futebol.

Na decisão contra a Suécia, Liedholm aproveitou uma falha da defesa do Brasil para abrir o placar. Didi foi buscar a bola no fundo do gol, colocou-a debaixo do braço e caminhou, sem pressa, até o círculo central.

A lenta caminhada, com a bola em seu domínio, foi a forma que encontrou de tranquilizar os companheiros, como se dissesse: “Está tudo bem, vamos virar”. A partida terminou 5 a 2.

Aos 33 anos e já no fim de carreira, Didi foi à Copa do Mundo de 1962, da qual voltou com o bicampeonato mundial.

Antes disso, porém, ainda no segundo semestre de 1962, o “Príncipe Etíope” -como o chamava o escritor Nelson Rodrigues- teve uma rápida experiência como jogador-treinador do Sporting Cristal, do Peru. Foi vice-campeão pelo clube, mas retornou ao Brasil para curtas passagens por Botafogo e São Paulo, além de nova experiência no exterior com o Veracruz, do México.

Tendo pendurado as chuteiras após fazer os últimos jogos de sua carreira no clube do Morumbi, Didi retornou ao Peru, novamente para comandar o Sporting Cristal. Conduziu a equipe à conquista nacional em 1968.

O trabalho à frente do time o levou à seleção peruana com a missão de classificar os andinos ao Mundial de 1970, no México. Nas eliminatórias, então disputadas em formato de grupos, caiu na chave com Argentina e Bolívia. Empate em 2 a 2 com os argentinos na Bombonera confirmou a vaga na Copa do Mundo.

No México, os peruanos realizaram uma campanha histórica. Venceram Bulgária e Marrocos e perderam para a Alemanha na primeira fase. Nas quartas de final, encontraram o Brasil, que seria campeão do mundo, e venderam caro a derrota por 4 a 2.

Didi deixou o Peru ainda em 1970 e prosseguiu com sua trajetória no comando técnico, passando por países como Argentina, Turquia e Arábia Saudita, além dos trabalhos no Brasil. Herói no país, foi ele que recomendou à federação local o nome de Elba de Pádua Lima, o Tim, para que comandasse a seleção peruana no Mundial de 1982.

Na metade da década de 1980, o ex-jogador alimentou o sonho de assumir a seleção brasileira. Na edição de 25 de março de 1984, o jornal Folha de S.Paulo trazia no caderno de Esportes uma matéria com o título “Parreira deve sair, Didi na espera”.

“Já tenho na cabeça a escalação da seleção brasileira. Mas não vou dar o time agora. Se realmente for chamado para o lugar do Carlos Alberto Parreira, na hora em que anunciarem o meu nome como técnico da seleção, a primeira coisa que faço é dar o nome dos titulares e reservas”, disse ao jornal, como fizera João Saldanha assim que assumiu o comando da equipe nacional, em 1969.

Didi ainda afirmou que seu sonho era encerrar a carreira de treinador com o trabalho na seleção e que, sob seu comando, o Brasil teria vencido a Itália no Mundial de 1982, dois anos antes da entrevista à Folha de S.Paulo.

O desejo, porém, não se concretizou. Waldir Pereira ainda trabalhou em algumas equipes até a década de 1990, quando se despediu do futebol.

Morreu em 2001, vítima de falência múltipla de órgãos, resultado de complicações provocadas por um câncer no fígado. Apenas dois companheiros de seleção brasileira (Orlando e Vavá) foram ao enterro, custeado pela CBF. O velório, organizado em General Severiano, sede do Botafogo, não contou com a presença de nenhum dirigente do clube.

O Real Madrid (ESP), onde jogou Didi nos anos 1960, jogou de luto no dia anterior contra o Espanyol. O River Plate (ARG), equipe treinada pelo “Príncipe Etíope” e que tem a camisa de faixa transversal vermelha, assim como a do Peru, enviou uma coroa de flores.

Messi é expulso, mas Argentina fatura o terceiro lugar na Copa América

A Argentina foi superior e faturou o terceiro lugar da Copa América neste sábado (6). Na Arena Corinthians, os argentinos venceram o Chile por 2 a 1.

Messi foi expulso, mas isso não afetou a segurança argentina.

O JOGO 

O duelo começou bastante movimentado, mas a Argentina não demorou a mostrar superioridade. Aos 11, Messi cobrou falta, no meio-campo, e deixou Aguero cara a cara com o goleiro. O atacante driblou o arqueiro e abriu o placar.

Os argentinos seguiram com carga máxima, comandados por Messi. Aos 21, Dybala recebeu de Lo Celso, dominiu e mandou por cima do goleiro Arias.

Depois do gol o clima esquentou e os jogadores das duas equipes iniciaram uma confusão generalizada. Como resultado, Messi, pela Argentina, e Medel, pelo Chile, terminaram expulsos.

Foi o segundo cartão vemelho da carreira de Messi. Ele terá de cumprir suspensão no próximo jogo da Argentina em competições da Conmebol. Ou seja, nas Eliminatórias para a Copa de 2022, em março do ano que vem.

Sem o capitão, a Argentina viu o árbitro assinalar pênalti para o Chile aos 11 do segundo tempo. Vidal foi para cobrança e diminuiu a diferença.

Os chilenos não empolgaram com o gol e pouco fizeram para mudar o placar.

 

 

 

Brasil

Brasil encara Peru para Tite se sagrar campeão com a seleção pela primeira vez

Brasil x Peru disputam o título da Copa América 2019 neste domingo (7), às 16h, no Maracanã.

A decisão é marcante: pode selar o primeiro título do técnico Tite à frente da seleção brasileira e coroar essa campanha na Copa América.

Até agora, o comandante soma 39 jogos à frente da amarelinha. São 32 vitórias, sete empates e duas derrotas – aproveitamento de 83,74%.

Nesta Copa América, o Brasil tem seis jogos de insensibilidade. Além dissi, marcou 10 gols e não sofreu nenhum.

ONDE ASSISTIR

O duelo será transmitido na TV aberta pela Rede Globo. A narração será de Galvão Bueno, com comentários de Junior e Walter Casagrande. Já no SporTV, Milton Leite será o locutor com comentários de Maurício Noriega e Muricy Ramalho.

JEJUM 

O Brasil não conquista um título, com a seleção principal, desde a Copa das Confederações de 2013. Ou seja, são seis anos de jejum.

Já o Peru não vence uma Copa América desde 1975. Os peruanos também conquistaram o torneio em 1939 e agora lutam pelo tri.

NÚMEROS 

O Brasil, com 8 troféus, também luta para se aproximar do Uruguai em títulos da Copa América. A Celeste já conquistou 15 edições do torneio, enquanto a Argentina têm 14 taças.

Além disso, a seleção tem um número favorável: venceu todas as edições que o Brasil sediou o torneio. Foi assim em 1919, 1922, 1949 e 1989.

ESCALAÇÃO 

Alex Sandro teve boa atuação contra a Argentina e deve se manter no time titular. Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Tite deve mandar a campo o mesmo time titular que venceu a Argentina por 2 a 0 na última terça-feira (2).

O atacante Willian está fora do jogo por uma lesão muscular na parte posterior da coxa direita. No entanto, o jogador do Chelsea não é titular na equipe atual. Ou seja, Tite só perde uma opção para o segundo tempo.

Já o lateral esquerdo Filipe Luís treinou normalmente neste sábado (6), mas Alex Sandro agradou na semifinal contra a Argentina e deve começar jogando.

Do outro lado, o técnico Ricardo Gareca aposta em mais uma surpresa peruana. A equipe e a estratégia serão as mesmas das classificações contra Uruguai e Chile, com Paolo Guerrero liderando a seleção.

FICHA TÉCNICA

Brasil x Peru – final da Copa América

Data, hora e local: domingo (07/07/2019), às 17h, no Maracanã.

Brasil: Alisson; Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos e Alex Sandro; Casemiro, Arthur e Coutinho; Éverton, Gabriel Jesus e Roberto Firmino. Técnico: Tite.

Peru: Gallese; Advíncula, Zambrano, Luis Abram e Trauco; Tapia, Carillo, Yotún, Cueva e Edison Flores; Paolo Guerrero. Técnico: Ricardo Gareca.

Arbitragem: Roberto Tobar apita o jogo, sendo auxiliado por Christian Schiemann e Cláudio Rios. O responsável pelo VAR será Julio Bascuñan. Todos são do Chile

peru

Peru surpreende de novo, vence Chile e vai enfrentar o Brasil na final da Copa América

Zebra da Copa América, o Peru venceu o Chile por 3 a 0 nesta quarta-feira (3) e volta à final do torneio após 44 anos. Os peruanos vão enfrentar o Brasil pelo título no próximo domingo (7), às 17h, no Maracanã.

Flores e Yotún encaminharam o triunfo já na primeira etapa. Já nos acréscimos do segundo tempo, Guerrero ampliou de vez. Depois do 3 a 0, o goleiro Gallese ainda defendeu um pênalti de Vargas. O atacante chileno arriscou uma cavadinha, mas fez La Roja amargar ainda mais o revés.

33.058 pessoas (29.895 pagantes e 3.163 não pagantes) acompanharam o duelo na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. A renda foi de R$ 8.305.120.

DISPUTA DE TERCEIRO LUGAR

Curiosamente, o Chile vai disputar o terceiro lugar contra a Argentina. O confronto é uma reedição das duas últimas finais da Copa América, vencidas pelos chilenos.

O duelo está marcado para esse sábado (6), às 16h, na Arena Corinthians, em São Paulo.

ZEBRA

Os peruanos vão disputar sua terceira final. Além da conquista em 1975, eles também conquistaram a taça em 1939.

Porém, vale lembrar que o Peru ficou em terceiro lugar do Grupo A, mesmo que o do Brasil. Aliás, no confronto válido pela fase de grupos, a seleção brasileira atropelou os peruanos por 5 a 0. Foi a maior goleada dessa edição do torneio.

Contra o Uruguai, pelas quartas de final, o Peru contou com o VAR para anular os três gols feitos pela Celeste e acabou levando a decisão para os pênaltis.

 

Flores e Yotún anotaram os primeiros gols do Peru. Foto: Divulgação / Selección Peruana

DESTAQUE

Gallese foi um grande nome do triunfo peruano. Além da defesa no pênalti, o goleiro fez ótimas intervenções. Sánchez, Vidal, Vargas, Bonsejour e Fuenzalida pararam no arqueiro, também responsável pela classificação nas quartas de final.

 

Jesus desencanta e Brasil despacha a Argentina para ir à final da Copa América

Teve sufoco, mas o Brasil derrotou a Argentina por 2 a 0 e está na final da Copa América 2019. O maior clássico de seleções do mundo foi decidido por Gabriel Jesus. O atacante marcou o primeiro gol e fez a jogada inteira do segundo gol para Roberto Firmino ampliar.

Mais de 55 mil pessoas (52.235 pagantes e 3.712 não pagantes) acompanharam o duelo desta terça-feira (2) no Mineirão, em Belo Horizonte. A renda do jogo acabou sendo de R$ 18.744.445,00.

A final está marcada para o próximo domingo (7), às 16h, no Maracanã.

Já a seleção argentina vai ter que jogar a disputa do terceiro lugar. O jogo acontece no sábado (6), às 16h, na Arena Corinthians, em São Paulo.

DECISÃO

Chile x Peru disputam a outra vaga na final desta Copa América. As seleções se enfrentam nesta quarta-feira (3), às 21h30, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

DESTAQUES

Jesus
Gabriel Jesus e Roberto Firmino comemoram o segundo gol. Foto: Wesley Santos / PressDigital / AGB

Com um gol e uma assistência, Gabriel Jesus foi o nome do jogo. Mas outros dois personagens também foram fundamentais para o triunfo da seleção canarinho.

O lateral direito Daniel Alves teve uma atuação de gala. Foi quem criou a jogada do primeiro gol e foi o verdadeiro líder da equipe – papel que assumiu com primor desde a saída de Neymar.

Por fim, resta falar sobre Alisson. Entre tantas intervenções, o goleiro se consagrou com uma ótima defesa em uma cobrança de falta de Messi e foi reverenciado pelo estádio.

SECA

Do lado argentino, Lionel Messi amarga mais um revés pela seleção. O camisa 10 teve uma grande atuação – que se esperava dele desde o início do torneio. Entretanto, depois do segundo gol, foi notório o desânimo para o craque continuar em alto nível.

Mais uma vez, Messi é vítima do fraco conjunto que tem ao seu redor.

Já a Argentina segue seu jejum de 26 anos. O último título conquistado pela equipe principal foi em 1993, justamente uma Copa América.

ETAPA INICIAL

O jogo começou com divididas duras das duas equipes. A Argentina teve a primeira chance aos 11 minutos, quando Paredes soltou uma pancada do meio da rua e a bola saiu por cima do travessão de Alisson.

O Brasil aproveitou uma falha da zaga argentina para equilibrar o jogo. Gabriel Jesus acabou perdendo uma ótima chance aos 16, mas não desperdiçou dois minutos mais tarde.

Daniel Alves fez uma jogadaça, driblando dois adversários. Primeiro ele deu um chapéu em Acuña. Depois deu um corte seco e deixou Paredes no chão. Só então que ele tocou para Roberto Firmino cruzar rasteiro e a Gabriel Jesus completar para as redes.

A partir dos 29, a Argentina ficou perto de empatar. Messi cobrou falta na área e Aguero cabeceou no travessão.

Aos 35, Messi se livrou de dois marcadores e deu uma arrancada espetacular. Ele puxou para dentro e tocou para Aguero. Entretanto, o camisa 9 bateu firme em cima de Marquinhos para desperdiçar a jogada.

Aos 37, o camisa 10 ganhou na dividida e arrematou bem, mas a bola saiu pela linha de fundo.

TUDO OU… NADA

No segundo tempo, a Argentina se lançou ao ataque. Aos seis, De Paul arriscou por cima do gol. Aos 11, Messi carimbou a trave brasileira e, nove minutos mais tarde, o camisa 10 exigiu ótima defesa de Alisson em cobrança de falta.

A Argentina merecia o empate, principalmente por Messi. No entanto, quem acabou brilhando foi Gabriel Jesus. A bola sobrou para o atacante no meio campo aos 25 minutos. Ele foi para cima da marcação e acabou ganhando dos dois defensores na divida. Quando invadiu a área, cortou Pezzela e rolou a bola para Firmino incendiar o Mineirão.

Depois disso, a torcida brasileira foi à loucura. Além dos aplausos, gritos de “eliminado”, “timinho” e “olé” tomaram conta.

Firmino
Firmino incendiou o Mineirão de vez,. Foto: Wesley Santos / PressDigital / AGB

 

horário do jogo do Brasil

Qual o horário do jogo do Brasil contra a Argentina?

taBrasil x Argentina se enfrentam nesta terça-feira (2), pela semifinal da Copa América 2019. O horário marcado para o início do jogo do Brasil é às 21h30 (horário de Brasília). Além disso, o duelo acontece no Mineirão, em Belo Horizonte.

Será a quarta partida que o horário do jogo do Brasil acontece neste horário. Antes, a seleção canarinho entrou em campo neste mesmo horário na estreia contra a Bolívia, no empate com a Venezuela e no triunfo na decisão de pênaltis contra o Paraguai.

NOVIDADES

Para a partida, o técnico Tite tem apenas uma dúvida. Na lateral esquerda, Filipe Luís sentiu uma lesão na coxa direita, mas participou do treino desta segunda-feira (1). Ou seja, a tendência é que o jogador do Atlético de Madrid seja escalado para esse jogo do Brasil. Entretanto, Alex Sandro ainda concorre pela titularidade.

No meio campo, Casemiro retorna de suspensão e, naturalmente, assume a posição de volante. Além disso, vale destacar que o jogador ficou de fora em apenas duas partidas sob o comando de Tite.

Primeiro foi na eliminação do Brasil na Copa do Mundo da Rússia – único confronto que a seleção sofreu dois gols com Tite. Já a segunda vez foi o empate por 0 a 0 contra o Paraguai na última quinta-feira.

Por fim, a novidade no banco de reservas será Richarlison. O atacante está recuperado e volta a ser relacionado após ser diagnosticado com caxumba.

ARGENTINA

O técnico Lionel Scaloni deve ter ouvido a frase “não se mexe em time que está ganhando”. Por isso, a expectativa é que haja apenas uma mexida para o jogo contra o Brasil.

Por lesão, o lateral direito Savavia fica de fora. Dessa maneira, o zagueiro Foyth volta a ser improvisado e ganha a chance de começar jogando.

De resto, a equipe deve ser a mesma. Messi, Aguero e Lautaro Martínez comandam o ataque. Enquanto isso, os meias Di Maria e Lo Celso ficam como opção no banco de reservas.

DECISÃO

Na outra semifinal, o Peru encara o Chile. O jogo está marcado para essa quarta-feira (3), também às 21h30, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

FICHA TÉCNICA

Brasil x Argentina

Data, hora e local: terça-feira (02/07/2019), às 21h30, no Mineirão, em Belo Horizonte.

Brasil: Alisson; Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos e Filipe Luís (Alex Sandro); Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho; Everton, Gabriel Jesus e Roberto Firmino. Técnico: Tite.

Argentina: Armani, Foyth, Pezzela Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul Acuña; Lionel Messi, Aguero e Lautaro Martínez. Técnico: Lionel Scaloni.

Arbitragem: Roddy Zambrano será auxiliado por Christian Lescano (EQU) e Byron Romero. Todos são do Equador. Já o uruguaio Leodan González será o responsável pelo VAR.

LEIA TAMBÉM:

jogo do Brasil Argentina Copa América

Brasil x Argentina: onde assistir e as escalações da semifinal da Copa América

Brasil x Argentina se enfrentam nesta terça-feira (2), às 21h30. O jogo acontece Mineirão, em Belo Horizonte, e vale pela semifinal da Copa América 2019.

O duelo será transmitido pela Rede Globo, com narração de Galvão Bueno e comentários de Júnior e Casagrande. Já no SporTV, Luiz Carlos Jr. narra a partida ao lado de Maurício Noriega e Muricy Ramalho.

5 motivos que fazem esse Brasil x Argentina ser o melhor duelo dos últimos 12 anos

HISTÓRICO

Segundo a FIFA, já são 105 embates entre as duas seleções desde 1914. Destes, o Brasil venceu 38, perdeu 26 e empatou 41. No entanto, se contar os jogos não reconhecidos pela FIFA, são 110 confrontos com muito equilíbrio. São 42 vitórias para cada, além de 26 empates.

Em contrapartida, a Argentina leva a melhor em duelos pela Copa América. São 15 triunfos dos hermanos em 32 jogos. Além disso, o Brasil venceu apenas nove vezes e empatou outras oito.

NOVIDADES

Para a partida, o técnico Tite tem apenas uma dúvida. Na lateral esquerda, Filipe Luís sentiu uma lesão na coxa direita, mas participou do treino desta segunda-feira (1). Ou seja, a tendência é que o jogador do Atlético de Madrid seja escalado para esse jogo do Brasil. Entretanto, Alex Sandro ainda concorre pela titularidade.

No meio campo, Casemiro retorna de suspensão e, naturalmente, assume a posição de volante. Além disso, vale destacar que o jogador ficou de fora em apenas duas partidas sob o comando de Tite.

Primeiro foi na eliminação do Brasil na Copa do Mundo da Rússia – único confronto que a seleção sofreu dois gols com Tite. Já a segunda vez foi o empate por 0 a 0 contra o Paraguai na última quinta-feira.

Por fim, a novidade no banco de reservas será Richarlison. O atacante está recuperado e volta a ser relacionado após ser diagnosticado com caxumba.

HERMANOS

Messi vai em busca da sua grande atuação nesta Copa América. Foto: Wesley Santos / AGB

O técnico Lionel Scaloni deve ter ouvido a frase “não se mexe em time que está ganhando”. Por isso, a expectativa é que haja apenas uma mexida para o jogo contra o Brasil.

Por lesão, o lateral direito Savavia fica de fora. Dessa maneira, o zagueiro Foyth volta a ser improvisado e ganha a chance de começar jogando.

De resto, a equipe deve ser a mesma. Messi, Aguero e Lautaro Martínez comandam o ataque. Enquanto isso, os meias Di Maria e Lo Celso ficam como opção no banco de reservas.

OUTRA SEMI

Na outra semifinal, o Peru encara o Chile. O jogo está marcado para essa quarta-feira (3), às 21h30, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

FICHA TÉCNICA

Brasil x Argentina

Data, hora e local: terça-feira (02/07/2019), às 21h30, no Mineirão, em Belo Horizonte.

Brasil: Alisson; Daniel Alves, Thiago Silva, Marquinhos e Filipe Luís (Alex Sandro); Casemiro, Arthur e Philippe Coutinho; Everton, Gabriel Jesus e Roberto Firmino. Técnico: Tite.

Argentina: Armani, Foyth, Pezzela Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul Acuña; Lionel Messi, Aguero e Lautaro Martínez. Técnico: Lionel Scaloni.

Arbitragem: Roddy Zambrano será auxiliado por Christian Lescano (EQU) e Byron Romero. Todos são do Equador. Já o uruguaio Leodan González será o responsável pelo VAR.

LEIA TAMBÉM: