Copel tem crescimento de 1,4% no mercado fio no 2º trimestre

A venda de energia no mercado fio da Copel teve aumento de 1,4% no segundo trimestre, na comparação com o mesmo período de 2018. Já em junho, a empresa teve crescimento de 1,7% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

O mercado fio é composto pelo mercado cativo, pelo suprimento a concessionárias e permissionárias no Paraná e pelos consumidores livres na área de concessão da empresa.

A alta ocorreu principalmente em função do crescimento de 9,6% no consumo do mercado livre, resultado do avanço da produção industrial do Estado. Somente em maio a produção industrial do Paraná teve uma alta de 27,8%.

Segundo o presidente da Copel, Daniel Slaviero, o total de energia vendida pela empresa, composto pelas vendas da Copel Distribuição, Copel Geração e Transmissão, dos Complexos Eólicos e da Copel Comercialização em todos os mercados, atingiu 11.995 GWh no segundo trimestre de 2019, representando um crescimento de 10,3%.

copel

Copel tem crescimento de 1,7% no mercado fio em junho

A venda de energia no mercado fio da Copel teve um crescimento de 1,7% durante junho comparado ao mesmo mês do ano passado. Além disso, o segundo trimestre de 2019 também teve um aumento de 1,4% em relação ao mesmo período do ano passado.

A alta é resultado do crescimento de 9,6% no consumo do mercado livre, consequência do avanço da produção industrial do Estado.

Somente em maio a produção industrial do Paraná teve uma alta de 27,8%. A Copel tinha 272 clientes no mercado livre no segundo trimestre de 2018 e fechou o segundo tri de 2019 com 321 clientes no mercado livre.

Vale destacar que o mercado fio é composto pelo mercado cativo, pelo suprimento a concessionárias e permissionárias no Paraná, assim como pelos consumidores livres na área de concessão da empresa.

Segundo o presidente da Copel, Daniel Slaviero, o total de energia vendida pela empresa, composto pelas vendas da Copel Distribuição, Copel Geração e Transmissão, dos Complexos Eólicos e da Copel Comercialização em todos os mercados, atingiu 11.995 GWh no segundo trimestre de 2019, representando um crescimento de 10,3%.

Copel

Copel é autorizada a importar energia da Argentina e Uruguai

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) vai passar a importar energia da Argentina e Uruguai. A autorização do Ministério de Minas e Energia foi dada nesta quinta-feira (27) e é válida até o dia 31 de dezembro de 2022.

A medida vai contribuir com o Sistema Interligado Nacional (SIN) em um momento de escassez hídrica. O SIN liga os seguintes subsistemas: Sul, Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e a maior parte da região Norte. Ou seja, a Copel vai beneficiar a maior parte do Brasil.

A energia trazida dos hermanos será pelas estações por meio das estações conversoras de frequência de Garabi I e II, com até 2.200 megawatts de potência, e da conversora de frequência de Uruguaiana, com até 50 megawatts de potência.

Já a importação dos uruguaios ocorrerá pela estação conversora de frequência de Rivera, com até 70 megawatts de potência e energia, e da estação conversora de Melo, com até 500 megawatts.

 

Conta de luz fica mais cara a partir da próxima semana

A conta de luz da Copel vão aumentar a partir da próxima segunda-feira (14), graças a aprovação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) na manhã desta terça-feira (18).

O reajuste médio é de 3,41%, mas o percentual varia de acordo com o perfil da unidade consumidora.

Por exemplo, em unidades residencias, consideradas de baixa tensão, o aumento será de 2,92%. Já as unidades conectadas à alta tensão, o aumento será 4,32%.

O valor do reajuste está abaixo da inflação (IPCA) dos últimos 12 meses, que é de 4,66%.

ÚLTIMO AUMENTO

No ano passado, a Copel teve reajuste de 15,06% para as unidades residenciais e 17,55% para o setor industrial.

LEIA TAMBÉM:

Consumo de energia no Paraná cresce 5% no primeiro trimestre

O consumo de energia elétrica aumentou 5,1% no Paraná no primeiro trimestre de 2019, em comparação com o mesmo período do ano passado. O índice considera o chamado mercado fio da Copel, que inclui todos os consumidores da sua área de concessão, entre usuários cativos, consumidores livres, concessionárias e permissionárias.

O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (15), no balanço financeiro da Companhia referente ao primeiro trimestre do ano.

No total, foram consumidos 7,9 mil Gigawatts-hora (GWh) de energia no trimestre, frente a 7,5 mil GWh no mesmo período de 2018. O consumo do segmento de consumidores livres – que compraram energia da Copel Geração ou da Copel Comercialização – apresentou crescimento de 5,8%. Composto principalmente por indústrias, o aumento registrado no mercado livre se deu em função do crescimento da produção industrial no Paraná, que cresceu na casa dos 10% nos últimos meses.

 

Copel

Ex-gestor da Copel recebia dois salários e terá que devolver R$ 67 mil ao estado

Um ex-gestor da Copel que acumulava dois salários terá que devolver aos cofres públicos R$ 67 mil e pagar uma multa de quase R$ 7 mil. O Tribunal de Contas do Estado (TCE-PR) considerou a dupla remuneração irregular e determinou a devolução de parte dos valores. Pedro dos Santos Lima Guerra era remunerado pelos cargos de diretor-presidente e conselheiro da Copel Brisa S/A – subsidiária da Copel que atuava na produção de energia eólica na região Nordeste.

Segundo a análise do TCE-PR, Guerra acumulou salários por um ano e quatro meses – entre outubro de 2016 e novembro de 2017. Esse tipo de dupla remuneração é expressamente proibido pelo Conselho de Controle das Empresas Estaduais (CCEE), órgão vinculado à Secretaria de Estado da Fazenda. Ainda segundo a determinação do TCE-PR, valores recebidos indevidamente deverão ser devolvidos com a devida correção monetária.

Em defesa apresentada aos conselheiros do órgão de controle, Pedro Guerra sustentou que merecia os dois salários. Segundo ele, a remuneração que recebia como conselheiro estava vinculado ao seu mandato, que teve início em 2015, antes das orientações da Secretaria da Fazenda (formalizadas em 2016). O TCE-PR rejeitou os argumentos. Pedro Guerra recorre da decisão e a devolução dos valores só será obrigatória após a análise pelo Tribunal dos embargos da defesa.

Leia também:

>>> TCE exonera servidor réu por repasse de propina a Richa

>>> Caixa suspende repasse para obra da trincheira da Mário Tourinho após divergências no projeto

>>> Ex-diretores e servidor do IAP são alvos de operação que apura fraudes em licenciamento ambiental

 

Ação facilita doações ao HC por meio da conta de luz

Pessoas físicas e jurídicas agora podem ajudar a salvar vidas de maneira simples. Doações mensais de R$ 10 podem significar muito para quem está em tratamento no Complexo Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). O valor pode ser repassado por meio da conta de luz da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel).

Os valores arrecadados fazem parte do projeto Luz Solidária, que irá destinar recursos para o hospital, que atende pelo Sistema Único de Saúde. O local é o maior hospital público do Estado.

O dinheiro é repassado integralmente para os Amigos do HC e revertidos em ações e projetos que irão contribuir para o melhor atendimento dos pacientes do Hospital de Clínicas, seus familiares e acompanhantes de tratamento.

Os interessados em doar para a ação Luz Solidária podem acessar o site dos Amigos do HC.

Homem é eletrocutado ao tentar roubar cabeamentos de uma Subestação da Copel

Uma tentativa de furto nos cabeamentos da Subestação de energia elétrica Bom Jesus, em Campo Largo, acabou com um homem gravemente ferido. O caso ocorreu por volta das 17h30 desta quarta-feira (6).

Segundo a Polícia Militar, o homem invadiu o local para roubar os cabos da subestação e acabou sendo eletrocutado. Ao constatarem o ocorrido, os policiais acionaram o Siate, que prestou atendimento e encaminhou o suspeito para o Hospital Evangélico Mackenzie com ferimentos graves. Bairros da região de Campo Largo, Balsa Nova e São Luiz do Purunã ficaram sem energia elétrica por mais de duas horas devido aos estragos causados no local.

Consumo de energia dispara com o calor

A onda de calor neste início de ano está provocando o aumento do consumo de energia no Paraná. Na primeira quinzena de janeiro a demanda total de energia foi a maior para o período nos últimos cinco anos, 2,4% a mais que em 2018.

Em Foz do Iguaçu, cidade que historicamente apresenta a maior média de consumo de energia no Estado no verão, o aumento médio na demanda foi de 5,18% – praticamente o dobro de toda a região Oeste, com 2,6%. As regiões Norte e Noroeste apresentaram crescimento de 2,5%, a Centro-Sul 2,3% e a Região Leste, de 1,9%.

No Brasil, a onda de calor provocou quatro recordes sucessivos na demanda de energia no Sistema Interligado Nacional nas duas primeiras semanas do ano, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O pico anterior havia sido registrado em 2014.

Os números refletem, principalmente, o crescimento no uso de aparelhos de ar-condicionado para refrigeração de residências e shopping centers, no comércio de rua e na indústria. “Com preços cada vez mais acessíveis, o uso destes equipamentos passou a fazer parte da rotina da maioria das famílias paranaenses”, disse o gerente de Inovação da Copel, Gustavo Klinguelfus. “No entanto, é preciso ter em mente que, dependendo da sua potência, eles podem trazer um aumento significativo no consumo de energia”, afirmou.

DICAS

Um aparelho de ar-condicionado ligado oito horas por dia chega a consumir 324 kWh no mês, algo como R$ 250 a mais na conta de luz (acesse tabela abaixo). Assim, é importante buscar o uso eficiente da energia elétrica sempre que possível. Conheça algumas dicas:

Regule o termostato do ar-condicionado para uma temperatura ambiente que proporcione conforto, sem excessos. Limpe ou troque os filtros periodicamente. Utilize cortinas e persianas e mantenha fechadas as portas e janelas nos ambientes durante o período de uso. E dê preferência aos equipamentos com Selo Procel, que indica uma boa eficiência energética.

Cada vez que a porta da geladeira é aberta, o ar quente entra, acionando o motor para restabelecer a temperatura interna. Evite abri-la com frequência, e cheque as borrachas de vedação.

Acione lâmpadas apenas quando a iluminação natural for insuficiente. Desligue-as quando não estiver no ambiente e prefiras as fluorescentes compactas e LED com selo Procel.

A instalação elétrica deve ter uma fiação adequada para cada unidade consumidora, evitando sobrecargas que geram aquecimento. Fios desencapados ou emendas mal-feitas também provocam perda de energia em forma de calor. Para identificar as chamadas “fugas de corrente”, desligue todas as luzes, retire os aparelhos das tomadas e verifique o medidor de energia – se ele continuar se movendo, chame um eletricista.

Ratinho Junior garante que Copel e Sanepar não serão privatizadas

Defensor da parceria com a iniciativa privada, sobretudo para alavancar investimentos na área de infraestrutura, o governador Carlos Massa Ratinho Junior já deixou claro que a Copel e a Sanepar são intocáveis e não serão privatizadas em seu governo.

Em entrevista à Globonews nesta sexta-feira (18), ele disse que as empresas são bem geridas e têm um papel social importante para o Estado, que seria perdido se passasse para o domínio privado.

Ratinho, no entanto, não descarta parcerias ou joint ventures com outras empresas. E cita o exemplo bem sucedido da Compagas, a concessionária responsável pela distribuição de gás natural canalizado no Paraná, uma empresa de economia mista que tem como acionistas a Copel, com 51% das ações, a Petrobrás Gás S.A. – Gaspetro, com 24,5% e a Mitsui Gás e Energia do Brasil Ltda., com 24,5%.

“A Copel e a Sanepar têm duas funções fundamentais: promover o desenvolvimento econômico e social do Paraná. Empresas com funções como essas, especialmente na área social, não devem ser passadas para a iniciativa privada, onde a visão financeira se sobrepõe a todas as outras”, afirmou.

Segundo ele, os planos de seu governo são modernizar as companhias, aumentar a eficiência e reduzir custos. As diretrizes do governo e o anúncio das novas equipes que dirigirão as empresas, escolhidas com critérios técnicos e não políticos, agradou o mercado, disse o governador.

No início desta semana, as ações da Sanepar atingiram seu maior valor histórico, com valorização de 5,88%. Enquanto as da Copel alcançaram o maior valor dos últimos 12 meses na bolsa brasileira e abriram com alta também na Bolsa de Valores de Nova York.