maconha, carro roubado, caminhonete roubada, cornélio procópio, paraná, prf, polícia rodoviária federal, tráfico de drogas, receptação, br-369

Homem é preso com mais de 300 kg de maconha em caminhonete roubada no PR

Um homem de 26 anos foi preso em flagrante em Cornélio Procópio, na região norte do Paraná, suspeito de tráfico de drogas e receptação. Ele dirigia uma caminhonete roubada com 321,4 quilos de maconha.

A prisão foi realizada na noite desta quarta-feira (12) pela PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Conforme os agentes, o homem preso em flagrante é moradora de São José dos Campos (SP). Ele foi detido no final da noite após ser abordado na BR-369.

De acordo com a PRF, em um primeiro momento o suspeito ameaçou fugir. No entanto, ele desistiu da fuga, estacionou, e imediatamente confessou que a maconha estava no compartimento de cargas.

Conforme a versão do preso, ele pegou a droga em Icaraíma (PR) e pretendia fazer a entrega em São Paulo.

O carro que ele dirigia era uma caminhonete Fiat Strada, que havia sido roubada em março de 2019, em Jacareí (SP).

Além disso, a PRF do Paraná encontrou um aparelho de radiocomunicação ilegal, usado por criminosos para monitorar as frequências da polícia.

O suspeito preso em flagrante com o carro roubado e os 321,4 quilos de maconha deverá ser indiciado por tráfico de drogas e receptação de carro roubado e atividade ilegal de telecomunicação.

Incêndio atinge cinco casas no norte do Paraná

Um incêndio atingiu cinco casas, na madrugada desta terça-feira (24), em Cornélio Procópio, no norte pioneiro do Paraná. De acordo com o Corpo de Bombeiros, ninguém ficou ferido.

Das casas atingidas, três ficaram completamente destruídas. Os moradores precisaram sair rapidamente.

Os Bombeiros utilizaram 7 mil litros de água para apagar o fogo, que só foi apagado mais de duas horas depois.

A causa do incêndio será investigada.

Operação investiga esquema “fura-fila” em cirurgias feitas pelo SUS no PR

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) está investigando a Santa Casa de Misericórdia de Cornélio Procópio, no norte pioneiro do estado, após denúncias de irregularidades na realização de cirurgias eletivas de urologia feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), que são encaminhadas pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde do Norte do Paraná (Cisnop) e pela Regional de Saúde. Um mandado de busca apreensão foi cumprido no hospital nesta sexta-feira (3).

De acordo com o MP-PR, estão sendo investigadas possíveis fraudes na fila de espera para realização de cirurgias. Além disso, apura-se o recebimento em duplicidade pelos médicos envolvidos. De acordo com o documento, os procedimentos realizados pelo SUS passaram a ser agendados como particulares.

São apurados os crimes e os atos de improbidades eventualmente praticados por médicos e servidores dos órgãos mencionados.

*Com informações do MP-PR*

MP denuncia professor acusado de matar diretor da UENP por homicídio qualificado

O Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Cornélio Procópio, no Norte Pioneiro paranaense, apresentou nesta sexta-feira, 28 de dezembro, denúncia contra o professor que matou o diretor do campus da Universidade Estadual do Norte do Paraná, Sérgio Roberto Ferreira, no último dia 20.

A denúncia pede que Laurindo Panucci Filho, de 44 anos, seja condenado por homicídio qualificado pelo meio cruel, motivo fútil e meio que dificultou a defesa da vítima. Segundo o inquérito, o suspeito teria, também, premeditado o crime e as agressões teriam a intenção de matar.

Suspeito marcou encontro com diretor da UENP; OUÇA
Diretor morre após agressões dentro de campus da Universidade Estadual do Norte do PR

O suspeito foi detido em em Teodoro Sampaio (SP), cerca de 220 quilômetros de Cornélio Procópio, em casa. Segundo a Polícia Civil, ele confessou ter agredido o diretor. No local, a polícia apreendeu uma machadinha que teria sido utilizada no crime. Na audiência de custódia, o suspeito fala em “equívoco”. Veja:

A polícia acredita em crime premeditado pois o suspeito havia comprado uma machadinha no dia anterior, marcou um encontro com o diretor no campus após o expediente e usou a ferramenta nas agressões. Sérgio Roberto Ferreira teve lesões no crânio, pescoço e joelho.

O diretor estava em casa quando recebeu a ligação de Laurindo, professor da instituição, por volta das 19 horas. Na gravação, o homem pede para que a vítima volte para a UENP para pedir esclarecimentos sobre “um negócio estranho”. Ouça:

O diretor foi encontrado por funcionários no chão de seu escritório muito machucado e com ferimentos na cabeça poucas horas depois.

Ele recebeu atendimento do Siate e foi encaminhado à Santa Casa de Cornélio, mas não resistiu. No local, havia um papel com uma advertência para o professor Laurindo Panucci Filho, o que pode ter motivado o crime.

Sérgio Roberto Ferreira atuava como professor do curso de Administração desde 1990, foi coordenador e chefe de departamento e atualmente cumpria o segundo mandato como diretor do Campus. A instituição decretou três dias de luto oficial.

O suspeito está preso no Centro de Detenção Provisório de Caiuá e não há previsão de transferência para Cornélio Procópio.

Professor suspeito de matar diretor da UENP é indiciado por homicídio qualificado

O professor suspeito de agredir o diretor do campus de Cornélio Procópio da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Sérgio Roberto Ferreira, foi indiciado por homicídio qualificado. A vítima foi encontrada desacordada em sua sala, na noite do ultimo dia 20, e não resistiu aos ferimentos. Segundo o inquérito, Laurindo Panucci Filho, de 44 anos, teria premeditado o crime e teve intenção de matar a vítima.

Suspeito marcou encontro com diretor da UENP; OUÇA
Diretor morre após agressões dentro de campus da Universidade Estadual do Norte do PR

Ainda na madrugada de sexta-feira (21), o suspeito foi detido em em Teodoro Sampaio (SP), cerca de 220 quilômetros de Cornélio Procópio, em casa. Segundo a Polícia Civil, ele confessou ter agredido o diretor. No local, a polícia apreendeu uma machadinha que teria sido utilizada no crime. Na audiência de custódia, o suspeito fala em “equívoco”. Veja:

A polícia acredita em crime premeditado pois o suspeito havia comprado uma machadinha no dia anterior, marcou um encontro com o diretor no campus após o expediente e usou a ferramenta nas agressões. Sérgio Roberto Ferreira teve lesões no crânio, pescoço e joelho.

O diretor estava em casa quando recebeu a ligação de Laurindo, professor da instituição, por volta das 19 horas. Na gravação, o homem pede para que a vítima volte para a UENP para pedir esclarecimentos sobre “um negócio estranho”. Ouça:

O diretor foi encontrado por funcionários no chão de seu escritório muito machucado e com ferimentos na cabeça poucas horas depois.

Ele recebeu atendimento do Siate e foi encaminhado à Santa Casa de Cornélio, mas não resistiu. No local, havia um papel com uma advertência para o professor Laurindo Panucci Filho, o que pode ter motivado o crime.

Sérgio Roberto Ferreira atuava como professor do curso de Administração desde 1990, foi coordenador e chefe de departamento e atualmente cumpria o segundo mandato como diretor do Campus. A instituição decretou três dias de luto oficial.

O suspeito está preso no Centro de Detenção Provisório de Caiuá e não há previsão de transferência para Cornélio Procópio.

Diretor morre após agressões dentro de campus da Universidade Estadual do Norte do PR

O diretor do campus de Cornélio Procópio da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), Sérgio Roberto Ferreira, morreu após uma série de agressões que ocorreram dentro da instituição na noite desta quinta-feira (20).

Ferreira atuava como professor do curso de Administração desde 1990, foi coordenador e chefe de departamento e atualmente cumpria o segundo mandato como diretor do Campus. A instituição decretou três dias de luto oficial.

Segundo informações preliminares, o diretor foi encontrado por funcionários no chão de seu escritório muito machucado e com ferimentos na cabeça. Ele recebeu atendimento do Siate e foi encaminhado à Santa Casa de Cornélio, mas não resistiu aos ferimentos. Testemunhas afirmam que Ferreira teria ido solucionar uma desavença dentro do próprio campus e que esse pode ter sido o motivo do homicídio. No local, havia um papel com uma advertência para um professor.

A Polícia Civil investiga o caso.

Segundo o G1, a família relatou que o diretor do campus saiu de casa após receber a ligação de um professor  para que pudessem conversar. O suspeito foi encontrado em Teodoro Sampaio, em São Paulo, e confessou o crime. Uma machadinha teria sido apreendida na casa do professor.

A UENP publicou uma nota sobre o caso:

É com imenso pesar que a Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) comunica a morte do professor Sérgio Roberto Ferreira, diretor do Campus de Cornélio Procópio. O professor faleceu por volta das 20h desta quinta-feira, dia 20 de dezembro, vítima de possível homicídio. A morte está sendo investigada pela Polícia Civil do município.

A UENP decreta luto oficial de três dias em homenagem à memória do diretor Sérgio Roberto Ferreira, que desde 1990, atuava como docente do curso de Administração, do qual por diversas vezes esteve como coordenador e chefe de departamento. Atualmente, o professor estava cumprindo o segundo mandato como diretor do Campus de Cornélio Procópio.

A Universidade ainda não possui informações sobre horário e local do velório que deverá acontecer nesta sexta-feira, 21 de dezembro, em Cornélio Procópio. A UENP presta condolências à família e amigos do professor.

Polícia cumpre mandados de prisão contra organização criminosa que torturou delator no PR

A Polícia Militar e a Polícia Civil cumpriram sete mandados de busca e apreensão e seis mandados de prisão preventiva em investigação do Ministério Público do Paraná (MPPR), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Cornélio Procópio, no Norte-Central paranaense, contra suspeitos de participação em um “tribunal do crime” do município.

De acordo com a apuração do Ministério Público do Paraná, ao tomar conhecimento que havia sido delatado como dono de um ponto de venda de drogas e das drogas apreendidas, um preso ordenou a outros integrantes de seu grupo criminoso, que ainda estavam em liberdade, a punição do delator com cinco minutos de agressões.

A fim de comprovar o cumprimento da ordem ao mandante, o grupo filmou a sessão de tortura, sendo o vídeo apreendido pela Polícia Militar.

A partir da análise das imagens e identificação dos responsáveis, foi requerido e autorizado o cumprimento dos mandatos, sendo presos preventivamente todos os envolvidos.

Justiça manda bloquear bens de prefeito de Cornélio Procópio

A juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública de Cornélio Procópio, Thais Terumi Oto, determinou o bloqueio de bens do prefeito de Cornélio Procópio, Amin Hannouche (PSDB), em uma ação de improbidade administrativa. O chefe do poder administrativo e mais quatro réus foram acionados em função de contratações irregulares de uma rádio para realização de shows no município. O tucano pode recorrer.

A decisão liminar foi despachada na última sexta-feira (9) e divulgada nesta segunda-feira (11) pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR). Além de Hannouche, são réus o ex-prefeito do município, Frederico Carlos de Carvalho Alves, os sócios da emissora, José Leite Cordeiro e Allysson Kalil Cordeiro, e a Rádio Graúna LDTA – ME.

Segundo o MP-PR, foram ajuizadas duas ações por improbidade administrativa referentes aos contratos ilegais. Na primeira ação, que resultou liminarmente no bloqueio de bens no montante de aproximadamente R$ 425 mil, foram acionados o atual prefeito do município do Norte Pioneiro paranaense (que também foi prefeito nas gestões 2005-2008 e 2009-2012), o ex-prefeito da gestão 2013-2016, a emissora de rádio e seus sócios pela prática de ato de improbidade administrativa que resultou em dano aos cofres públicos.

A rádio foi contratada com dispensa indevida de licitação, tendo como objeto a realização de duas edições do evento “Show dos Shows”, em comemoração ao aniversário conjunto do município e da rádio, em 2015 e 2017. O MP-PR pede a condenação dos réus com base na Lei de Improbidade, que prevê penas como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e pagamento de multa, além do ressarcimento integral do dano.

A segunda ação é relacionada à contratação irregular da emissora para promoção de evento em comemoração à mesma data, em 2009. Como os atos de improbidade decorrentes dessa contratação já estão prescritos, a ação requer apenas o ressarcimento dos danos causados aos cofres do município, calculados em R$ 107 mil. São réus nesta ação o atual prefeito (que também era chefe do Executivo municipal na época), a rádio e mais cinco réus envolvidos na contratação irregular.

Polícia prende vereador mais 13 pessoas por tráfico de drogas em Cornélio Procópio

Com informações da Polícia Civil

Quatorze pessoas foram presas em Cornélio Procópio, durante a Operação “Viena”, na manhã de quinta-feira (11). Um dos detidos é o vereador André Lima, do DEM. A ação foi deflagrada pela Polícia Civil com o intuito de desmantelar uma associação para o tráfico de drogas na região. Foram cumpridos 14 mandados de prisão e 12 mandados de busca e apreensão em diversos bairros de Cornélio Procópio e também em Bandeirantes. Celulares, balanças de precisão e porções de maconha e cocaína foram apreendidos no decorrer das buscas.

O delegado titular da 11ª SDP, João Manoel Garcia Alonso Filho, ressaltou que a associação já é alvo de investigação há cerca de um ano. “Nesse período realizamos diversas prisões em flagrante, bem como apreensão de drogas e demais materiais que tornaram possível vincular a ligação dos presos de hoje com um esquema de comercialização de drogas na cidade e demais regiões próximas”, informa Filho.

A operação levou esse nome em alusão a “Convenção Contra o Tráfico Ilícito de Entorpecentes e Substâncias Psicotrópicas”, concluída em Viena, no ano de 1988.

Os presos na ação responderão por tráfico de drogas e associação para o tráfico de drogas. Todos eles se encontram detidos à disposição da Justiça.

Justiça proíbe Copel de cortar energia em casa de menino com problemas respiratórios

A Companhia Paranaense de Energia (Copel) foi proibida de cortar a luz de uma casa onde mora uma criança com problemas respiratórios, em Cornélio Procópio. A 2ª Vara da Fazenda Pública da cidade proibiu a concessionária de energia de suspender o abastecimento de energia após uma ação movida pela Defensoria Pública do Paraná.

O processo tramitou em 48 horas para garantir que a criança não corresse risco. A família, que não tem condições financeiras, atrasou o pagamento de três faturas e a Copel havia informado que faria o corte. O filho mais novo, de apenas seis anos, usa um aparelho elétrico para fazer inalações diárias com medicamentos específicos. Caso a criança não realize o procedimento ao menos sete vezes ao dia, ela terá a saúde comprometida e corre risco de morte.

O menino tem problemas cardíacos, pulmonares e nódulos no cérebro. Sem o aparelho, ele pode sofrer crises em razão da falta de oxigenação. As inalações fazem parte do tratamento de saúde, que inclui a internação por 15 dias, todos os meses, no Hospital Pequeno Príncipe em Curitiba.

A mãe do menino, que está desempregada, tem mais um filho e mora sozinha em um imóvel cedido pelos avós paternos das crianças. Ela também é beneficiária da Lei Orgânica de Assistência Social, que garante um salário mínimo por mês aos cidadãos que comprovem ser portadores de algum tipo de deficiência. Agora, a energia para manter o tratamento da criança está garantida, porém, a Copel ainda pode cobrar as contas atrasadas.

Garantia dos direitos

A Defensoria Pública de Cornélio Procópio foi inaugurada em junho deste ano e hoje tem 300 processos em andamento. De acordo com a defensora pública Mariela Moni Marins, a procura por defesa judicial gratuita, serviço prestado pela Defensoria, é grande. “Muitas pessoas procuram o serviço por causa da divulgação que é feita pelos próprios usuários. Embora ainda seja recente, a gente já está com um fluxo de atendimento bastante grande. A gente tem 300 casos em andamento, mas o fluxo de pessoas que vêm na Defensoria buscar orientação é bem alto”, conta.

Segundo a defensora pública, casos urgentes como o do menino têm tramitação especial. “Quando a gente vislumbra este tipo de demanda, a gente já inicia uma tramitação em regime especial aqui dentro mesmo da Defensoria para que em poucos dias a gente consiga ajuizar, sob pena de você perder a efetividade de uma decisão judicial se você demora muito nesses casos”, explica.

A Defensoria Pública do Paraná atende pessoas que não podem pagar pelos serviços de um advogado particular e que possuam renda familiar mensal de até três salários mínimos federais. A sede em Curitiba fica na Rua Cruz Machado, número 58. O telefone é (41) 3219-7346 e o atendimento por meio de senhas é realizado entre 12h e 17h.