dia das crianças, brinquedos, cuidados, compras, consumidor, direitos do consumidor, inmetro, ipem-pr

Dia das Crianças: instituto alerta para cuidados na compra de brinquedos

O Ipem-PR (Instituto de Pesos e Medidas do Paraná) alerta sobre os cuidados necessários na compra de brinquedos e outros presentes para o Dia das Crianças. É necessário verificar se os produtos seguem algumas normas para garantir a segurança e a saúde dos pequenos.

A primeira dica é observar se o brinquedo é um produto certificado, que deve trazer o Selo de Identificação da Conformidade, aquele com a marca do Inmetro. Caso não tenha, além de ser um produto ilegal e cuja comercialização é proibida no país, pode colocar em risco a saúde a e segurança das crianças. A faixa etária à qual se destina é outro item importante a ser observado.

Segundo o presidente do Ipem-PR, Rubico Camargo, um brinquedo fabricado sem obedecer as normas de segurança pode conter, por exemplo, uma tinta imprópria para brinquedos, ou mesmo possuir componentes que contaminariam o organismo da criança.

O gerente de Fiscalização do instituto, Roberto Tamari, ressalta que nos produtos que estão fora da conformidade, e que não possuem o selo do Inmetro, há o risco de haver partes pequenas que ao se desprender acabam sendo engolidas ou inaladas, causando sufocamento – partes cortantes às vezes não aparentes podem causar ferimentos. Outro risco dos brinquedos sem certificação é a possibilidade de propagar chamas ou emitir ruídos exagerados.

CUIDADOS: NACIONAIS OU IMPORTADOS

Segundo regulamento do Inmetro, essas regras precisam ser cumpridas para todos os brinquedos nacionais e importados, ou seja, que estejam certificados. Além disso, o consumidor deve exigir sempre a nota fiscal do produto, garantindo que busque seus direitos caso ocorra algum defeito ou outro problema.

O selo do Inmetro precisa estar sempre visível, impresso na embalagem ou gravado no produto, ou na etiqueta afixada no brinquedo. A embalagem tem que trazer ainda informações sobre o seu conteúdo, instruções de uso, de montagem, a faixa etária a que se destina, os riscos e dados do fabricante, como CNPJ e endereço.

Os brinquedos importados também precisam ser submetidos a ensaios em laboratórios acreditados pelo Inmetro e trazer o selo de identificação da conformidade (selo do Inmetro), assim como todas as informações presentes na embalagem e no manual de instruções em língua portuguesa.

DIA DAS CRIANÇAS: RESPONSABILIDADE

O Ipem-PR destaca que a responsabilidade dos pais ou responsáveis não encerra após escolher adequadamente o produto. Segundo Tamari, é necessário inspecionar regularmente os brinquedos a procura de danos ou potenciais riscos, como arestas e pontas afiadas, embora a certificação do Inmetro preveja essas situações de uso pelas crianças, que podem danificá-los.

Brinquedos com correntes, tiras ou cordas com mais de 15 centímetros devem ser evitados. Balões ou bexigas são considerados brinquedos, mas a sua utilização por criança precisa ser supervisionada, evitando engasgamento e asfixia. Outra medida importante é retirar a embalagem e sacos plásticos antes de entregá-lo à criança, a fim de prevenir acidentes com grampos e similares e também o risco de sufocamento.

Publicar bobagens em redes sociais prejudica a sua imagem profissional

Postar bobagens no Facebook e em outras redes sociais prejudica a sua imagem pessoal, carreira ou negócios. Confira, no vídeo, algumas dicas para construir e manter uma boa imagem profissional.

 

 

 

 

Clique aqui para abrir todas as postagens da coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Clique aqui para ver todos os vídeos de nossa outra coluna, Memória Paranaense, neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

Evite mensagens agressivas na internet

 

Mensagens agressivas nas redes sociais prejudicam relacionamentos, a empresa ou a carreira. Um simples comentário em texto pode provocar uma grande confusão. Confira algumas dicas para evitar este tipo de problema:

 

 

 

Veja outros vídeos da coluna “Sua Comunicação”

 

Contato com José Wille

 

Clique aqui para conhecer nossa outra coluna neste portal: “Memória Paranaense”

 

 

 

 

jose.wille

 

.

 

Férias à vista: como ficam os cuidados com os pets

As tão esperadas férias devem ser um período para se divertir e relaxar. Por isso, os cuidados com os animais de estimação devem ser bem planejados, tanto para os pets que vão acompanhar a família durante a viagem como para aqueles que vão permanecer na cidade.

Confira as dicas do médico veterinário e responsável técnico do HiperZoo, Dr. Adolfo Sasaki, e aproveite as férias com tranquilidade.

Preparativos para quem vai ou fica

Antes da viagem ou hospedagem em hotel é preciso consultar o veterinário de confiança e realizar um check up no animal. “Consultar o veterinário e conferir se o esquema vacinal está em dia é essencial para proteger o pet contra algumas doenças”, comenta Adolfo. A emissão de um documento para a comprovação da saúde do animal também pode ser exigido em alguns hotéis e é obrigatório para viagens de avião.

Para o veterinário, um cuidado essencial nessa época é a administração de vermífugo específico ou medicamento para a prevenção da Dirofilariose, doença causada por vermes que atacam o coração dos cães e que pode levar a óbito. Outra grave patologia que pode ser evitada é a Leishmaniose, uma infecção parasitária que ataca o sistema imunológico do animal e também pode ser fatal. “A Leishmaniose visceral canina é uma zoonose, ou seja, pode ser transmitida de animais para humanos ou vice-versa, sendo o mosquito o vetor. A boa notícia é que existe uma vacina com alto índice de proteção para a doença e, por isso, os tutores podem proteger seus animais e também colaborar com a saúde pública”, alerta Sasaki. Como ambas as doenças são transmitidas por picadas de mosquitos contaminados, uma forma de aumentar a proteção é o uso de repelentes, em coleira ou spray.

A administração de vermífugos e antipulgas são ainda mais importantes antes da viagem ou estadia em hotel, pois o calor, contato com outros animais, passeios em gramados e locais de grande circulação deixam os pets mais expostos. O tutor pode escolher entre diversas opções de marcas e apresentações de antipulgas e carrapaticidas, como sprays, ampolas pour on, coleiras ou comprimidos.

O pet vai acompanhar a família? Veja os cuidados com transporte e estadia

A segurança durante o trajeto é fundamental. Os gatos devem ser transportados em caixas ou bolsas apropriadas e, os cães, em caixas de transporte ou com peitorais fixos por cinto de segurança ou em cadeirinhas, no caso de raças de pequeno porte. “O tamanho da caixa de transporte deve permitir que o animal fique em pé e dê uma volta ao redor do próprio corpo. A caixa deve ser presa ao cinto de segurança, pois em caso de acidente ou freada brusca, ela pode ser arremessada, ferindo o animal e os passageiros do veículo”, explica Sasaki.

O ideal é que o bichinho seja alimentado até três horas antes de iniciar a viagem, evitando assim que enjoe durante o trajeto. Já a temperatura no interior do veículo é outra preocupação importante, pois o calor excessivo pode causar hipertermia no animal. A recomendação para evitar a situação é fazer pequenas pausas para que o pet possa beber água, fazer suas necessidades fisiológicas e esticar as perninhas.

A mala de viagem do bichinho também precisa ser planejada. Cama, cobertas e brinquedos preferidos do animal o ajudarão a se sentir mais confortável. Medicamentos de uso contínuo, carteira de vacinação, coleira com placa de identificação, filtro solar e acessórios para passeio, além da ração, alimentos úmidos e petiscos que o animal costuma consumir devem fazer parte da bagagem. “É aconselhável se informar sobre clínicas e hospitais veterinários localizados na cidade destino. Assim, caso ocorra alguma emergência, o tutor já tem as informações em mãos”, lembra o veterinário do HiperZoo.

Os passeios ao ar livre devem ser feitos até 10h da manhã e após às 17h, evitando assim que os cães sofram os efeitos do calor excessivo, como mal-estar, hipertermia e queimaduras nas patas e pele. Antes do passeio é fundamental aplicar filtro solar no focinho, ventre e pontas das orelhas, cuidado que deve ser redobrado nos cães de pelagem e focinhos claros.

O pet não poderá acompanhar a viagem. Veja as dicas para a estadia em hotel ou cuidados com pet sitter

A escolha por hotel ou contratação de pet sitter (pessoa que cuida dos animais na própria residência) depende muito da personalidade do pet. Animais mais medrosos e idosos, além de gatos, podem ficar muito estressados ao serem retirados de seu ambiente e ter sua rotina alterada. Nesses casos, o mais indicado é contratar um pet sitter. Já o hotel pode ser uma boa opção para os animais mais sociáveis e que precisam de mais exercícios.

Se a escolha for por um hotel, é preciso buscar referências e fazer uma visita antecipada para observar as instalações, o conforto, higiene do local e disponibilidade de funcionários para tratar os animais. “Se o hotel também oferecer o serviço de day care, uma boa ideia é levar o pet algumas vezes antes da estadia. Assim ele já estará familiarizado e o tutor pode aproveitar para observar a rotina de cuidados e atividades”, aconselha o veterinário. Outra dica é se informar sobre as precauções durante os horários de muito calor, segurança e conforto dos canis e verificar as atividades físicas propostas, bem como se são realizadas em grupos de cães do mesmo porte e perfil, evitando assim brigas e acidentes.

A mala do pet também deve ser planejada como em uma viagem. Além disso, é importante alertar o hotel sobre a administração de medicamentos, se necessário, e informar os contatos do veterinário e hospital de confiança. Também vale enviar uma peça de roupa do tutor, para que o pet se sinta mais calmo devido ao odor familiar.

Os animais que ficam sob cuidados de um pet sitter podem ficar mais confortáveis por não mudarem de ambiente, porém perceberão a mudança na rotina e falta da família. Por isso, é importante que a contratação do profissional responsável seja realizada com antecedência, e que seus hábitos e horários de alimentação, brincadeiras e passeios não sofram alterações.

O profissional também deve ser orientado sobre as doenças, medicações e cuidados específicos, assim como receber os contatos do veterinário e clínica aptos a atender o animal, se for preciso. Vale ainda solicitar envio de fotos e vídeos do animal nos momentos de visitação do pet sitter para acompanhamento durante o período. E lembre-se: as dicas sobre placa de identificação e roupas do tutor também ajudam a acalmar o pet nesse período de mudanças.

Paraná é o sétimo estado com maior número de internações por acidentes com fogos de artifício

Um levantamento do Conselho Federal de Medicina (CFM) aponta o Paraná como o sétimo estado brasileiro com maior número de internações causadas por acidentes com fogos de artifício. Entre 2008 e 2017, foram registrados 179 internamentos em hospitais paranaenses. Em todo o país, foram 5.063 no período. O estudo, divulgado em junho, foi feito em parceria com as Sociedades Brasileiras de Cirurgia de Mão (SBCM) e de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). A pesquisa analisou as informações do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS) dos últimos 10 anos.

A médica do departamento de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado da Saúde, Beatriz Monteiro, explica que usados de forma inadequada, os fogos de artifício podem causar sérias lesões. Além do risco de queimaduras graves, especialmente na área da face, pescoço e membros superiores, outro problema comum são os traumas, principalmente nas mãos.

Segundo a especialista, os danos podem ser severos, incluindo mutilações irreversíveis, como a perda dos dedos ou da mão. “São lesões muito graves e que normalmente deixam sequelas ou podem até causar a morte da vítima. Por isso é necessário ter cuidado”, diz Beatriz.

De acordo com os dados da pesquisa do CFM, SBCM e SBOT, homens são a maioria das vítimas. Dos 5.063 internamentos registrados no país nos últimos 10 anos, 83% envolvem vítimas masculinas. Mulheres são responsáveis por 17% dos internamentos. Outro dado preocupante é o número de internamentos de crianças e adolescentes, que chegou a 39% dos casos no período.

CUIDADOS

Os fogos de artifício podem causar acidentes quando apresentam defeitos de fabricação e montagem ou são manipulados incorretamente. Por isso, um dos primeiros cuidados para quem quer usar fogos é fazer a compra apenas em lojas devidamente licenciadas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública, através da Delegacia de Explosivos, Armas e Munições. Os fogos também não devem ser modificados, adaptados ou reaproveitados, pois qualquer alteração compromete a segurança do produto.

Na hora de disparar os fogos, deve-se seguir corretamente as instruções constantes nos rótulos dos produtos. Quem estiver alcoolizado ou sob efeito de drogas não deve manipular fogos de artifício. Crianças devem ser mantidas a distância. “Manipular fogos de artifício exige plena consciência e controle, coisas que uma criança ou um adulto sob efeito de álcool ou drogas não possui. Ter acesso a fogos nesse estado é um grande risco”, diz Beatriz.

EMERGÊNCIA

Em casos de acidentes com fogos de artifício, a conduta correta é procurar atendimento médico especializado. Dependendo da gravidade, os serviços de emergência (Samu – 192 e Siate – 193) devem ser acionados imediatamente para socorrer a vítima no local da ocorrência.

Dicas para usar fogos de artifício com mais segurança

– Compre fogos de artifício apenas em lojas credenciadas.

– Não guarde fogos em casa.

– Siga sempre as orientações e normas de segurança indicadas no rótulo do produto.

– Não manipule fogos sob efeito de álcool, drogas ou medicamentos.

– Evite o acesso de crianças aos fogos.

– Se um fogo de artifício falhar, não tente reacendê-lo.

– Não solte fogos em locais fechados, ou próximo de árvores, fiações elétricas ou produtos inflamáveis.

– Para disparar os fogos, prefira usar extensores ou bases fixas.

– Mantenha sempre água ou um extintor próximo caso seja necessário.

**Com informações da Agência Estadual de Notícias**

Vai viajar? Saiba como cuidar do seu pet

Com informações da BandNews FM Curitiba

No período de férias e viagens, cresce o número de casos de animais abandonados por seus tutores, consequentemente aumentando o trabalho e custos de ONGs e protetores de animais. Também é um período de maior cuidado com roubos ou fugas dos animais, devido a estadias em outras cidades, passeios ou cuidados de terceiros.

“Os casos de abandono aumentam porque as pessoas acham que o cachorrinho serve para cuidar da casa durante o ano e, no final de ano, pensam ‘vou deixar comida e água e ele se vira’. Não é assim”, afirmou o coordenador da equipe de veterinária do HiperZoo e Vetsan, Adolfo D. “Também tem quem desce para a praia com o pet e acaba soltando ele lá no litoral”, alertou.

Vai viajar?

De acordo com o veterinário, o animal não pode ficar sozinho, mesmo com água e comida em abundância. “Não pode viajar e só deixar comida e água, mesmo para o peixe. Primeiro, pensando nutricionalmente, o cão e o gato precisam de alimento fresco. O produto não fica adequado se fica exposto a luz, a água precisa ser fresca e fica com saliva, resto de alimentos, se torna contaminada e acontece inevitavelmente proliferação de bactérias”, afirmou.

Além dos cuidados com a alimentação, o ambiente do animal precisa estar limpo, livre de fezes.

Cuidados no litoral

O tutor que escolhe levar o animal para uma viagem de final de ano deve ficar atento a alguns cuidados, principalmente se viagem for à praia. “Pensando no animal, é um ambiente muito mais quente do que está acostumado, precisa ter água e ambiente frescos. Os cães não perdem calor através do suor, eles perdem através da respiração e se deitando em locais frescos, se isso não acontecer podem ter insolação e hipertemia”, explicou.

Além do clima, os donos precisam prevenir possíveis doenças. “Os animais devem vacinados e desverminados antes de ir para essas localidades. No litoral do paraná, sabemos que tem o problema da leishmaniose, dirofilariose – a doença do verme do coração – e um problema zoonótico que é a verminose: quando o cão não é desverminado e defeca na areia gera um bicho geográfico dessas fezes que ataca a pele das pessoas”, alertou.

“Para prevenir são necessárias várias vacinas, principalmente de raiva, que temos casos de morcegos contaminadas. Além das doenças comuns a cães e gatos: parvovirose, gripe canina. Também é preciso o uso de coleira capaz de repelir insetos – desde os transmissores de doenças quanto os que vão para morder, sugar o sangue do animal”, afirmou.

Medo dos fogos

De acordo com Sasaki, existem várias técnicas de comportamento e medicamentosas para tranquilizar o animal. “Só recomendamos tranquilizantes em casos muito graves. Os homeopáticos são um pouco mais usados. Eles ajudam a acalmar o animal e deve começar a ser utilizado dez dias antes das queimas de fogos”.

Quem não quer optar pelos medicamentos, existe um brinquedo recomendados pelos especialistas. “Chama-se “KONG”. Com o adestramento fazemos com que o animal fique altamente entretido com esse brinquedo, o que acontece na hora dos fogos e ele nem escuta o barulho”, disse o veterinário.

Ainda de acordo com Sasaki, é possível colocar algodão nos ouvidos do animal e deixá-lo em um ambiente isolado, com rádio e TV ligados. “O pet se concentra no barulho dos aparelhos e pode nem ouvir os fogos”.

Pele hidratada em sintonia com a elegância da estação

Para algumas pessoas o inverno é uma das estações aguardada com grande entusiasmo. É chegado o momento de aproveitar para curtir um bom vinho, visitar cidades “geladas” que permitiram um clima romântico e vestir a nova moda.

Assim como nas outras estações, o corpo necessita de alguns cuidados. No inverno é comum o questionamento quanto ao ressecamento da pele, isso é natural e acomete praticamente todo mundo. Por estarmos sempre com muitas roupas, o primeiro lugar a ser notado é o rosto, em seguida notam-se nas pernas um aspecto de esbranquiçado.

Esses são sinais de que a pele está com pouca, ou quase nada hidratada. A Boni Brasil sugere dicas de cuidados para manter a pele saudável:

– Tomar 2 litros de água por dia. Essa prática é recomendada para todos os dias, independente de estação.
– Evitar banhos quentes, a pele é sensível e o excesso de calor da água remove a oleosidade natural que nosso corpo produz.
– A pele por estar sensível e pouco hidratada é recomendável que ao esfregar no seja de forma delicada.
– Aplicar hidratante corporal ao menos uma vez ao dia.

Saúde alerta para diferença entre gripe e resfriado

Da AEN

Com a proximidade do inverno, que inicia neste dia 21 de junho, a Secretaria Estadual da Saúde alerta para a diferença entre a gripe e o resfriado, doenças respiratórias muito comuns desta época do ano e que provocam reações similares.

Resfriados possuem sintomas leves, como pouca ou nenhuma febre, espirros e coriza, que não comprometem o estado geral do paciente. Já a gripe, causada pelos vírus influenza, é uma doença com sintomas mais graves, como febre alta, fadiga e comprometimento respiratório.

Cuidados básicos

Uma das maneiras mais fáceis dos vírus da gripe e do resfriado serem transmitidos é pela tosse ou espirro das pessoas infectadas. Para prevenir-se contra estas doenças, a Secretaria de Estado da Saúde reforça que cuidados básicos podem fazer toda a diferença.

“A boa higiene das mãos é uma ótima forma de se prevenir contra a gripe e o resfriado. Por isso lembre-se de sempre lavar as mãos com água e sabão e, em épocas de frio, evite lugares com muitas pessoas e pouca circulação de ar”, orienta o coordenador do Centro Estadual de Epidemiologia, João Luiz Crivellaro.

Tratamento

Uma das principais armas no combate à influenza é o Oseltamivir (popularmente conhecido como Tamiflu). Este medicamento é indicado para todas os pacientes que apresentarem suspeita de gripe.

“O Oseltamivir é um antiviral específico para o tratamento de influenza e o Paraná mantém um estoque regulador deste medicamento, suficiente para atender a demanda da população”, ressaltou Renato Lopes. Neste ano, o Paraná registrou 1.554 notificações de suspeita do vírus influenza, sendo que há aproximadamente 930 mil cápsulas do antiviral em estoque.

Uma das pessoas que vivenciou a experiência de ter que tomar o Oseltamivir foi Carmem Letícia Galarda, advogada curitibana de 29 anos. Ao sentir os primeiros sintomas, Carmem foi a uma unidade de saúde e lá recebeu o antiviral.

“Eu comecei a passar muito mal, não tinha forças para sequer sair da cama. Sentia muita dor de cabeça, cansaço, febre. Fui a um posto de saúde e lá me indicaram este remédio. Ele realmente funciona, melhorei completamente”, destacou.

 

Agilidade

Para a superintendente de Vigilância em Saúde, Júlia Cordellini, é essencial a agilidade em iniciar o tratamento para evitar que os sintomas se agravem. A recomendação se reforça principalmente para pessoas que já possuam alguma fragilidade anterior, como diabetes, doenças respiratórias, cardíacas, ou que têm a imunidade baixa por outras causas.

“A introdução precoce do oseltamivir diminui as taxas de mortalidade, principalmente se o tratamento for iniciado nas primeiras 48 horas dos sintomas, como febre alta e dificuldades para respirar”, explica a médica.

O medicamento está disponível em toda rede pública de saúde e para retirá-lo é necessária a prescrição médica, seja do SUS ou do sistema privado.

Boletim

Dados do Boletim da Gripe mostram que foram registrados 105 casos da doença no Paraná em 2017, sendo 10 óbitos relacionados à influenza.

Cosméticos para homens

Quiosques com produtos de beleza para mulheres não são novidade em shopping centers. Mas dedicados aos cuidados masculinos, sim. Dois centros de compras curitibanos apostam na vaidade dos homens.

No Shopping Estação, mais de 200 opções de produtos para o cuidado do cabelo, da barba e do bigode masculino podem ser encontrados no Cabelo Meu – Hair Shop. O novo quiosque oferece aos clientes marcas nacionais e importadas, com qualidade de uso profissional e também conta com itens para mulheres.

Já no Shopping Jardim das Américas, foi aberto um quiosque da Nohraan, indústria de cosméticos e beleza curitibana, que atende através de quiosques franqueados, com produtos para homens e mulheres – barba, cabelo e bigode.

Quiosque da Nohraan, no Shopping Jardim das Américas. Crédito foto: Divulgação
Quiosque da Nohraan, no Shopping Jardim das Américas. Crédito foto: Divulgação

Nohraan  – 1° piso – Shopping Jardim das Américas

Av. Nossa Senhora de Lourdes, 63 – Jardim das Américas

www.jardimdasamericas.com.br

 

 

 

Cabelo Meu – Piso L1 – Shopping Estação

Av. Sete de Setembro, 2.775, Rebouças

www.facebook.com/cabelomeushop

 

www.shoppingestação.com.br

 

Risco de trombose aumenta em até cinco vezes durante a gravidez

Com assessoria

O inchaço nas pernas e nos pés acabam sendo uma das grandes preocupações das futuras mamães. Essa mudança, que dificulta algumas atividades do dia a dia, na verdade pode trazer sérios riscos à saúde da mulher. Neste período a circulação fica prejudicada, podendo aumentar, em até cinco vezes os riscos de trombose, quando comparado às mulheres não grávidas.

O risco ainda permanece em até seis semanas após o parto, especialmente depois de cesárea ou de perda de sangue intensa.

Os problemas de circulação na gestação ocorrem principalmente devido a dois motivos. Um deles é pelo fato de o útero crescer de tamanho e comprimir a veia cava no interior do abdômen, dificultando a subida do sangue das pernas até o coração, o que causa um aumento da pressão do sangue nas veias da perna. O segundo e mais importante fator é o hormonal.

Na gestação, os níveis de hormônios femininos estão muito altos e isso causa um enfraquecimento da parede da veia, formando as varizes gestacionais. Quanto maior o número de gestações, maior a probabilidade de desenvolver estas varizes.

“Essas varizes podem acabar evoluindo para uma trombose, coágulo sanguíneo que pode causar inclusive uma embolia pulmonar. Por isso, é muito importante estar atento aos sintomas”, explica o especialista em angiologia, cirurgia vascular e endovascular, José Fernando Macedo, do Instituto de Angiologia e Cirurgia Vascular de Curitiba (IACVC).

Macedo destaca ainda que o inchaço e a sensação de cansaço nas pernas, coloração mais azulada nessa região, veias saltadas e dores na região da batata da perna são alguns sinais que merecem atenção redobrada.

Cuidados

Para evitar o desenvolvimento dos problemas de circulação, as gestantes devem tomar cuidado com a alimentação e praticar atividades físicas. Alguns exercícios pré-natais como caminhadas e natação contribuem para a ação dos músculos da perna, beneficiando a circulação sanguínea.

Além disso, ter uma alimentação saudável, rica em fibras e água, sem excesso de sódio, também ajuda neste período. O uso de meias de compressão também é aconselhável, mas sempre com orientação médica.

“Existem vários tipos de meias, de baixa, média e alta compressão, uma para cada caso. Por isso a importância de procurar um especialista para receber as orientações. Além das orientações, o especialista fará a avaliação do sistema circulatório”, acrescenta.