No primeiro debate, candidatos trocam farpas, mas evitam confronto direto

Com a regra que permitia que as perguntas fossem direcionadas a qualquer adversário, independente do número de perguntas já respondidas por cada um, os candidatos ao governo do Paraná evitaram confrontos diretos, mas usaram perguntas ao outros concorrentes para fazer as criticas a seus alvos principais, no primeiro debate visando as eleições de outubro, promovido na noite desta quinta-feira, pela Band TV. A estratégia ficou clara na postura de João Arruda (MDB) no debate. Apesar de fazer duras críticas a Ratinho Júnior (PSD) durante o programa, o deputado federal não dirigiu nenhuma pergunta ao ex-secretário de Desenvolvimento Urbano do Paraná.

Arruda iniciou questionado a governadora Cida Borhetti (PP) sobre quais os critérios adotados pelo governo Beto Richa (PSDB), da qual ela foi vice-governadora, para nomear Ratinho na secretaria. Cida disse não ter participado das nomeações de Beto, e aproveitou para falar dos critérios que utilizou para montar sua equipe. “É bom falar em critérios, pois não vi critérios nos gastos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano a não ser a afinidade política”, disse Arruda. Depois, ele ainda responsabilizou Ratinho, em pergunta dirigida a Professor Piva (PSOL), pelo fim da integração do transporte coletivo da Região Metropolitana de Curitiba e, em pergunta a Ogier Buchi (PSL) ironizou as “propostas importadas” do deputado estadual. As críticas de Arruda geraram, inclusive, um pedido de direito de resposta por parte de Ratinho, negado pela produção do debate.

A tentativa de evitar embates transformou Ogier Buchi (PSL), candidato que quase ficou fora do debate, o mais acionado pelos adversários em perguntas. As questões a Ogier foram mais genéricas e abriam possibilidade de os candidatos falarem sobre temas de seu interesse. Cida recorreu a Ogier em duas ocasiões, para falar sobre transparência e combate à corrupção e segurança e saúde. Ratinho também usou do mesmo expediente duas vezes, discutindo infraestrutura e geração de empregos. Até os candidatos de esquerda, Dr. Rosinha (PT) e Professor Piva, fizeram questões ao candidato do partido de Jair Bolsonaro, discutindo ideologia e tamanho do Estado.

Líder nas pesquisas, Ratinho Júnior adotou um tom moderado. Não provocou nenhum adversário, fazendo perguntas sobre propostas para geração de empregos, agricultura educação e infraestrura, tentando posicionar-se, sempre, como candidato jovem e inovador, apresentando ideias tecnológicas, falando em segurança energética e automação. O candidato, no entanto, rebateu com firmeza as vezes em que foi atacado. Atual governadora, Cida Borghetti também atuou na defensiva. Não entrou em nenhum embate e também não respondeu a “tabelinhas” feitas por oposicionistas com críticas à sua gestão.

Ao mesmo tempo em que Ogier foi bastante acionado, Rosinha e Piva foram menos questionados pelo rival. Ao receber sua primeira pergunta, já no final do segundo bloco, Rosinha até ironizou, dizendo que perguntaria para ele mesmo no bloco seguinte caso não tivesse sido questionado por João Arruda. O candidato do PT criticou Arruda sobre a postura do MDB nacional, atacou Cida pela defasagem nos salários dos servidores públicos e pela situação da carreira dos professores do estado, e causou o momento mais tenso do debate ao simular um ato falho e chamar Ratinho Júnior de Beto Richa. “O senhor, com barba branca, fazendo esse tipo de brincadeira”, esbravejou Ratinho. “A barba branca ensina que na ironia se encontra a verdade”, retrucou o petista.

O mais agressivo no debate foi Piva. O candidato do PSOL disse que Ratinho Júnior era o pai da “bancada do camburão”, em alusão ao episódio de 29 de abril de 2015, quando os deputados entraram de camburão na Assembleia Legislativa para votar o ajuste fiscal; questionou Cida se ela não tinha vergonha ter participado deste mesmo episódio e de ter proposto 1% de reajuste aos servidores públicos e disse que João Arruda representa Michel Temer no estado, entre outras provocações.

No debate, quem mais apanhou não estava presente: Beto Richa

O debate da Band Curitiba mostrou que a maioria dos candidatos está preparada para a gestão do executivo estadual. Pelo que observamos, mergulharam em estudos e desnudaram um Paraná que, segundo eles, é um Estado falido em praticamente todas as áreas, principalmente as essenciais, como saúde, educação e segurança pública, além da própria gestão do dinheiro público. Um Estado sem planejamento e c om um único culpado por esta falência que, infelizmente, não estava na fileira do debate: Beto Richa.

Os seis candidatos nos mostraram um Paraná cheio de problemas e também cada um, à sua maneira, tem solução para tudo. Nos fizeram ver, pelas suas leituras que temos, hoje, a maior produção agrícola por metro quadrado do mundo mas, em contrapartida, um dos piores IDH e um sistema modal de transporte dos mais caros do mundo. Que, nos três estados do sul, somos o primeiro em mortalidade infantil e materna e à mercê da criminalidade.

Para a maioria dos candidatos, a educação está defasada e a saúde encontra-se na UTI. Mas, o que mais foi discutido entre os seis candidatos foi a questão da segurança pública, a principal preocupação da família paranaense. Todos falaram em integração das polícias, em mais policiais nas ruas, manutenção e compra de equipamentos e maior segurança nas fronteiras e pouco se falou no crime organizado que comanda a criminalidade de dentro dos presídios.

Não houve agressões mútuas no debate. Também não foi um filme de monge tibetano. O candidato João Arruda, do MDB, se posicionou como de oposição e, durante todo o seu tempo de perguntas e respostas, sempre colocou os candidatos Ratinho Junior (PSD) e Cida Borghetti (PP), como governo de Beto Richa, portanto, responsável por todas as demandas não atendidas à população, as mazelas e corrupção que afundaram o Paraná. Colocou o dedo na ferida quando mostrou os saques realizados na Previdência do Estado e o risco que poderá trazer em futuro breve.

Arruda também foi muito questionado, principalmente pelos dois candidatos de esquerda, Dr. Rosinha, do PT, e professor Piva, do PSOL, por fazer parte do partido do presidente Michel Temer. Era evidente a provocação, mais por mágoa dos que ainda pregam, ou seja, o suposto “golpe” dado em Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, desmontando o poder petista em nível nacional.

O candidato Ogier Buchi foi uma espécie de levantador de bola, principalmente para a governadora Cida Borghetti, mas não provocou e também não atacou. Acabou, no final, servindo também para outros debatedores. Embora tenha, a princípio, sido rifado pelo partido em nível nacional o PSL, acabou defendendo o candidato do partido à Presidência da República, Jair Bolsonaro, principalmente na questão do chamado Estado mínimo e segurança pública, através do armamento da população.

Cida Borghetti, com fala mansa, não comprometeu e acabou respondendo a todas as perguntas formuladas por seus adversários e também não caiu nas provocações, principalmente de João Arruda e Dr. Rosinha. A governadora se pautou mais na questão da saúde da mulher, embora tenha sido bastante questionada por Piva e Rosinha sobre a questão do reajuste para o servidor público e sobre o confronto entre policiais e professores na Praça Nossa Senhora da Salete.

Piva, em todos os momentos tentou provocar os candidatos que não entraram em bola dividida. Pautou-se mais na área da educação e na defesa dos trabalhadores sem terra e em críticas ao governo anterior e atual envolvendo também o candidato Ratinho Junior.

Ratinho Junior trouxe para o debate dois temas que vem dominando ao longo dos anos: agricultura e emprego. Durante todo o debate procurou não agredir nenhum dos candidatos e foi sóbrio nas perguntas e mostrou conhecimento nas respostas.

Doutor Rosinha também procurou priorizar sua área, a saúde, embora tenha sido o candidato que mais atacou os adversários, principalmente João Arruda, Cida e Ratinho Junior.

Temos, portanto, seis candidatos que afirmaram, no debate, que assumirão o Palácio Iguaçu no dia primeiro de janeiro de 2019. Uns acabando com os contratos das concessionárias do pedágio, outros criando bancos para o agricultor e para a mulher empreendedora e reduzindo o número de secretarias, hoje em 30 para 15, diminuindo as mordomias. Todos com boas intenções e uma campanha que promete ser dura.

Na foto de Eduardo Matizyak, os candidatos ao Senado, Roberto Requião e Newton Friederich e a vice-candidatada de João Arruda, Eliane Cortez

 

Confira algumas das principais declarações de Ratinho Junior no debate

“Quando eu fui secretário de desenvolvimento urbano nós fizemos o plano diretor dos 399 municípios, isso é planejamento. Eu quero fazer isso no estado: um plano diretor para fazer com que as nossas ferrovias funcionem. Uma produção que nós temos tido nos últimos anos ela não vai crescer e não vai melhorar sem um plano de expansão”.

“Para fomentar emprego é preciso garantir segurança energética. Eu quero fazer um compromisso: a Copel é do Paraná e nós vamos fortalecer, fazendo investimentos e incentivando a geração de energia fotovoltaica”

“Fui buscar um dos homens de maior credibilidade no estado para ser meu vice, Darci Piana. O comércio do Paraná emprega 60%, vamos desburocratizar, desonerar 90 mil itens de bens de consumo sem impactar a arrecadação do Estado”.

“Estou na política há 16 anos. Faço por missão e gratidão, ao Estado do Paraná, que foi maravilhoso para minha família. Quero ser governador para fazer uma ruptura política e um paraná mais feliz”.

Confira algumas das principais declarações de Professor Piva no debate

“O que o senhor acha de todas essas maldades que o governo Richa e Cida promoveram no Paraná? Aumentar ICMS, IPVA”

“O deputado (João Arruda) representa aqui o presidente golpista Michel Temer, o deputado votou pela reforma trabalhista, votou pela medida do fim do mundo que congela os gastos. Ele é daquele partido da malinha do dinheiro, do Rocha Loures”.

“Minha proposta para a educação é, em primeiro lugar cumprir a lei – data base, hora atividade, piso. Em segundo lugar, reabrir todas as turmas que o governo da Cida e do Ratinho fecharam. Eles preferem abrir presídios e fechar turmas. Nós queremos reduzir o número de alunos por sala de aula. Queremos menos educadores doentes”

“Ajude a desempregar o Beto Richa e vote nos nossos candidatos ao Senado”.

Confira algumas das principais declarações de Dr. Rosinha no debate

“O que ocorreu foi praticamente um assalto à Paranaprevidência. Essa lei precisa ser remodelada com debate com o cidadão”

“O Paraná nunca teve planejamento estratégico de desenvolvimento. Nós faremos”.

“A educação passa por servidores que consigam fazer esse processo de desenvolvimento educacional, que no Governo Beto Richa acabou. O reajuste dos servidores que foi prometido não foi dado, enquanto em outros setores do governo teve. Na época que teve a discussão a senhora estava lá, ficou calada e quem cala consente”

“O Congresso Nacional, com voto do João Arruda, aprovou a emenda que limita teto de gastos. A sua bancada na Assembleia aprovou o limite do teto de gastos. O atual governo deixou de investir”

Confira algumas das principais declarações de Ogier Buchi no debate

“Eu quero dizer para essas empresas de pedágio que o tempo de vocês já foi. Acredito que já teve tempo suficiente para entregar as obras dos contratos. Eles são péssimos para o governo, são péssimos também ao cidadão”

“Eu acredito que a polícia tem que descer o remo em vagabundo”

“Desenvolvimento é sinônimo de liberalismo econômico. É possível crescer com baixa carga de impostos. É necessário diminuir o Estado, toda essa máquina inchada. Eu vou diminuir o estado e distribuir sua riqueza municipalizando cada vez mais a infraestrutura”.

“Estou cansado de ser assaltado. Quero o cidadão armado sim. Quero que ele possa se proteger, possa proteger seus filhos”.

Confira algumas das principais declarações de João Arruda no debate

“O critério para a liberação de recursos da Secretaria de Desenvolvimento Urbano não pode ser a mudança de partido ou o apoio na eleição”

“O Portal da transparência está desligado desde janeiro. Ou o governo desligou o portal ou não fez nada nesses últimos meses”

“Não estou dizendo aqui que vamos conceder a subvenção ao transporte. Vamos fazer estudos. Mas quem assinou o fim dessa subvenção foi Ratinho Junior”

“Acredito no Paraná e no paranaense, mas sobretudo com propostas viáveis, pés no chão. Por isso proponho o básico, como gasolina nas viaturas, carteira nas escolas, remédios nos postos de saúde, porque não temos nem isso. E sem desvios”.

Confira algumas das principais declarações de Cida Borghetti (PP) no debate

“Eu nomeei a primeira mulher comandante da PM em 164 anos”

“O paranaense está cansado de pagar o pedágio mais caro do Brasil. Como governadora eu notifiquei as concessionárias para não renovar os contratos”

“Eu não prometo. Eu tenho a oportunidade de viajar e conversar com os paranaenses. Eu não gosto de prometer, eu tenho atitude, firmeza. E tomo muitas vezes decisões que as vezes podem não agradar a todos, mas um líder precisa decidir. Não prometo, faço aquilo que possa atender a população”

“Recebi o orçamento prevendo 0% (de reajuste aos servidores), reabri a discussão, chegamos a 1%, com diálogo com sindicato, equipe da secretaria da fazenda e eu também, porque instituímos o gabinete de portas abertas de domingo a domingo. Quando enviamos o 1% foi a proposta para descongelar a data-base. Vamos dialogar após as eleições”.

Ratinho não vê problema em responder sobre participação no governo Beto

Apontado como principal adversário da governadora Cida Borghetti (PP) nesta eleição, Ratinho Júnior (PSD) disse que não vê nenhum problema em seus adversários explorarem sua participação no governo Beto Richa (PSDB) durante o debate desta noite, na Band. “É uma realidade, eu fiz parte de uma gestão de uma secretaria importante do estado, fizemos o maior número de obras da história da secretaria, sem nenhuma delas ser contestada por Ministério Público ou Tribunal de Contas”, disse o candidato, sem comentar a opção de Richa de coligar com Cida.

Ratinho também disse estar pronto caso, como líder nas pesquisas, seja o alvo principal dos debatedores da noite. “Estou à disposição para responder, para perguntar. Tenho compromisso de fazer uma política sem agressão, é o que vou propor neste debate e durante toda a campanha. É um debate muito franco, dando a oportunidade para os candidatos colocarem o que pensam, perguntar de maneira livre. Dá a oportunidade para as pessoas entenderem e observarem quem está mais preparado para cuidar do Paraná”, afirmou.