Depósito com cinco toneladas de produtos vencidos é interditado

Pelo menos cinco toneladas de alimentos vencidos ou adulterados foram apreendidas em um depósito que fica no bairro Santa Felicidade, em Curitiba.

Duas pessoas foram presas na tarde desta sexta-feira (24). Elas já tinham sido presas pelo mesmo crime há dois anos. O local foi interditado.

Segundo a polícia, os suspeitos mudavam a data de validade dos produtos e revendiam. As mercadorias eram comercializadas em Curitiba e região metropolitana. A polícia chegou até a empresa depois que alguns comerciantes comentaram com os fornecedores que a distribuidora estaria vendendo os produtos com valores mais vais que os outros estabelecimentos.

De acordo com a delegada responsável pelo caso, Aline Manzato, a BRF fez uma notificação informando a irregularidade de armazenamentos dos produtos. “Segundo a BRF, os mercados consumidores da região diziam que não iriam comprar porque pagavam menos da metade do preço em uma distribuidora da região”, explicou. “Não tendo a possibilidade dos preços praticados e pela prisão antiga foi aberta representação”, afirmou.

Produtos com prazo de validade vencidos, visivelmente estragados e outros em desacordo com as normas da vigilância sanitária.”Queijos com muito mofo, embalagens de linguiças já estufados. Tinham vários produtos sem descrição de procedência e datas de validade. Eles ficavam no próprio chão”, disse.

“Tinha um espaço com diversos maquinários para fatiar e reembalar os produtos com novas etiquetas, que representavam diversas marcas que não a deles”, afirmou.

De acordo com a delegada, a polícia vai investigar quais estabelecimentos faziam a compra com a distribuidora. Os delitos foram presos em flagrante, sem a possibilidade de pagamento de fiança. O caso segue para análise judicial.

Fotos: Divulgação/Polícia Civil

Cheques de qualquer valor serão compensados em um dia útil a partir de amanhã

A partir de segunda-feira (16), cheques de qualquer valor passarão a serem compensados em um dia útil. Hoje, os cheques de até R$ 299,99 demoram dois dias úteis para “cair” na conta das pessoas físicas, empresas, ou favorecidos. O novo prazo para a compensação nos cheques segue determinação da circular 3.859, publicada pelo Banco Central em novembro do ano passado.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a alteração no prazo foi possível após implementação da compensação por imagem, em 2011. O processo por imagem reduziu o tempo e os gastos com transporte, eliminando as trocas físicas que antes eram feitas.

Outro fator que contribuiu para a redução no prazo de compensação, segundo os bancos, foi queda no número de cheques liquidados no país. Em 2017, foram compensados 494 milhões de cheques, 85% menos que o registrado 1995, quando foram compensados 3,3 bilhões de cheques.

Mudanças em relação ao cheque especial também vão ocorrer, mas a partir de 1º de julho. Pelas novas regras, as instituições financeiras terão de oferecer ao consumidor uma alternativa mais barata para parcelamento do saldo devedor do cheque especial.

Quando o consumidor “entrar” no cheque especial, o banco deverá comunicá-lo imediatamente, por meio de alerta, sobre a contratação do produto e que se trata de uma modalidade de crédito de uso temporário.

Segundo a Febraban, o valor do limite de crédito do cheque especial deverá ser informado nos extratos de forma clara de modo a não ser confundido com valores mantidos em depósito pelo consumidor na conta-corrente.